quinta-feira, 30 de março de 2017

Deus tem boas notícias para você!

A vida geralmente é cheia de percalços, contratempos, sonhos, perspectivas, desilusões... Enfim, são tantos bombardeios diários que tornam alguns dias difíceis de viver.
Algumas situações despedaçam os sonhos e minam as expectativas.
Que tipo de notícia você tem recebido?
Algo que faz seu coração se encher de esperança, ou despedaça seus sonhos?
Quando não conseguir acreditar no amanhã. Em si mesmo ou em quem está do seu lado, DEUS pode te dar uma VIVA e nova esperança..
Não se preocupe, ELE tem boas notícias para você!
Proveu um salvador que lhe ama e pode suprir todas as suas necessidades.
JESUS CRISTO é a luz que acende a chama de seu coração.
ELE transforma as trevas em luz e enche de esperança o coração cansado.
ELE é o melhor de Deus oferecido aos homens.
É e sempre será sua maior e melhor.

Que Deus possa falar com você através desse sermão e fornecer a sua alma a força, esperança e o vigor que ela precisa.

Boas Notícias para Você
Sermão nº 473  entregue na manhã do dia do Senhor, 5 de outubro de 1862,
Por Charles Haddon Spurgeon, No Tabernáculo Metropolitano, Newington – Londres

Mas um samaritano que estava viajando por aquele caminho foi até onde ele estava. E quando viu o homem, ficou com muita pena dele. Lucas 10:33
Quero que você perceba esse fato, que a benevolência exibida pelo samaritano para este pobre homem ferido e semimorto, foi uma benevolência válida.
Ele foi  "onde o judeu estava", e percebendo que o homem não podia fazer nada sozinho, ajudou-o não colocando condições impossíveis, não propondo determinações que o homem não poderia realizar, mas fazendo tudo para o bem, no local onde o ferido estava e ajudando-o de acordo com sua condição.
Tenho notado uma caridade inútil em invernos rigorosos. Pessoas oferecem bilhetes de pão e sopa aos pobres e estes, por sua vez, devem dar mais algum dinheiro para assim receber a sopa e o pão. Muitas vezes alguns vieram a mim dizendo "Sr. Spurgeon, eu tenho um bilhete. Valeria muito para mim, se eu tivesse o restante do dinheiro para levar junto com ele e então me satisfazer. Mas não tenho um tostão, e não posso ver de modo algum o lado bom de ter este bilhete". Isto não é caridade.
Irmãos, se na descrição do bom samaritano, Cristo o descreve fazendo a este pobre e ferido homem uma caridade da qual ele pode de fato oferecer; parece ser altamente seguro afirmar que quando Cristo vem para tratar os pecadores, derramando sobre eles misericórdia válida, ou seja, Graça Divina é o que eles realmente recebem.
Portanto, permitam-me dizer que eu não acredito na forma com que algumas pessoas fingem pregar o Evangelho.
Eles veem o pobre pecador, e dizem: "Ele não está consciente da sua necessidade, não podemos convidá-lo para Cristo". "Ele está morto", dizem, "é inútil pregar para as almas mortas". Então eles passam para o outro lado, sem ter nada a dizer para os mortos, a não ser que eles deveriam conhecer Cristo para serem cheios de graça e considerar Sua misericórdia para serem livres.
Bendigo meu Senhor e Mestre, Ele me deu um Evangelho que eu posso levar aos pecadores mortos, um Evangelho que está disponível para o mais vil dos pecadores. Agradeço ao meu Mestre que Ele não diz ao pecador: "Vinde ao meio do caminho e me encontrará", mas que Ele vai "onde está o pecador”, e encontrando-o arruinado, perdido, obstinado, atende-o em seu próprio terreno e lhe dá vida e paz, sem pedir ou esperar que se prepare para a Graça.
Não falo de outros, mas de você e de mim. Eu quero dizer a todos os pecadores, "Você está em um estado no qual não há nada moralmente que possa qualificá-lo para ser salvo, mas Jesus Cristo se encontra com você onde estiver agora.
O paganismo na época de Paulo era tão perverso que seria totalmente impossível conceber um pecado para o qual os homens não tinham caído. "Nós nos voltamos para os gentios" (Atos 13:46), disse o Apóstolo. E o próprio Senhor ordenou: "Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura" (Marcos 16:15). O quê? Para os ladrões e assassinos? Sim, ide e pregai o Evangelho a eles também!
Claramente, o fato é que o mundo estava mergulhado até o pescoço na enorme sujeira da maldade abominável, e ainda assim o Evangelho foi enviado a ele. Isso prova que Cristo não procura qualquer qualificação de moralidade, ou a justiça do homem, antes, o Evangelho está disponível para eles. Ele envia a Palavra para o bêbado, o blasfemador, a prostituta, o mais vil dos vis. A todos o Evangelho de Cristo destina salvar.
Cristo não veio para salvar os homens como homens, mas os homens como pecadores. Como pecadores sensatos? Não, eu acho que não. Eles são descritos como "mortos em delitos e pecados" (Efésios 2:1).
Em primeiro lugar, aqueles a quem Cristo veio para salvar são descritos em 1 Timóteo 1:15 e em muitos outros lugares, como "pecadores". "Esta é uma palavra fiel e digna de toda aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal". ―Pecadores, sem qualquer adjetivo antes da palavra. Não é "pecadores acordados", nem ―pecadores se arrependendo, mas pecadores como pecadores. "Certamente", diz um, "eu não estou descartado". Outro relato é encontrado em Romanos 5:06, ―Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Por quem? Aqueles que tinham algum desejo por Deus? Algum respeito ao Seu nome?
Não, "para os ímpios”. Um homem ímpio significa um homem sem Deus, que não se importa com o Senhor. ―Deus não está em todos os seus pensamentos, e, portanto ele não é o que os homens chamam de um "pecador sensato". Os ímpios são como ―a palha que o vento leva embora" (Salmos 1:4). Mesmo assim, essas são as pessoas que Cristo veio para salvar. No mesmo capítulo (Romanos 5), versículo 10, você os encontra mencionados como "inimigos". "Quando éramos ainda inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de Seu Filho".
O que você acha disso? Eles não são descritos como amigos. Em certo sentido, Cristo deu a Sua vida pelos Seus amigos - "Mas Deus prova o seu próprio amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores (Romanos 5:8). Inimigos de Deus foram os objetos da Graça Divina, de modo que em inimizade Cristo vem e encontra o homem onde ele está.
Em Efésios 2:1 lemos sobre eles como "mortos em seus delitos e pecados". E você lê ―Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados". Cristo, então, não pede ao pecador para estar vivo. O Evangelho não é apenas para ser pregado aqueles que têm alguma boa noção, alguns bons desejos, algum tremor de vida celeste em seu interior, mas para os mortos como mortos. É para os mortos que Cristo vem, e os encontra no túmulo de seus pecados.
Novamente, Efésios 2:3 - eles são "filhos da ira". "E éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais". No entanto, o Evangelho veio para tais. Você consegue ver algo de esperançoso em um filho da ira? Você consegue ver um pouco de bondade tão grande quanto uma ponta de alfinete no homem? E Cristo ainda assim veio para salvá-lo.
Mais uma vez, eles são mencionados como "malditos". "Ah", diz um pecador, "eu muitas vezes tenho me amaldiçoado diante de Deus, e lhe pedido para me amaldiçoar". Bem, Cristo morreu para o maldito, Gálatas 3:13, "Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar. Isto é, para nós, que estávamos sob a maldição. E, mais uma vez, eles são descritos pela terrível palavra "perdido". Eles estão perdidos para a esperança, para toda a consideração por si mesmos. Até mesmo seus próprios amigos deram o seu caso como perdido.
"O Filho do Homem veio para buscar e salvar o perdido"(Lucas 19:10). Se eu entender as passagens que li, elas querem dizer apenas isto - que aqueles a quem Cristo veio salvar não têm nada de bom que coopere para a sua salvação. E Cristo não olha para eles a fim de encontrar alguma coisa que seja boa neles.
Para quem Ele morreu? Cristo morreu por causa do pecado, eu entendo isso - que aqueles por quem Ele morreu devem ser vistos, portanto, como pecadores. Na medida em que Ele pagou um preço terrível, suponho que deveriam estar terrivelmente endividados, e que Ele morreu por aqueles que não tinham nada com o que pagar.
Mas Cristo ressuscitou, ressuscitou para nossa justificação. Para justificação de quem?
Para aqueles que não tinham justificação em si próprios, e nem uma sombra dela, que foram condenados, absolutamente condenados por conta de suas próprias obras. Além disso, eu O ouvi pelo ouvido da fé, implorando diante do trono eterno. Por quem Ele pleiteava?
Ele implora por aqueles que nada têm nada que possam usar como argumento para que se cumpram suas orações. Mas Cristo subiu e recebeu presentes. Para quem? Para aqueles que mereciam recompensas?
Recebeu dons para os homens; sim, para os rebeldes, para que o Senhor Deus pudesse habitar no meio deles.
Ele dá o Espírito Santo àqueles que estão impotentes, fracos, mortos. Ele dá o Trabalhador Santo àqueles que são profanos e cheio de pecado. Ele coloca Sua Influência Onipotente sobre aqueles que eram escravos do mal. Irmãos, a obra de Cristo supõe um perdido, arruinado, pecador e rebelde.
Se Deus perdoa somente os pequenos pecadores então Ele é pequeno em Sua misericórdia.
Porém a maravilha está nisso - que enquanto eles ainda são inimigos Ele os chama por Sua graça. Sim, e mais, Ele apaga os pecados e os faz amigos, indo assim ao encontro do pecador, onde ele está.
Se a salvação é oferecida ao homem sob uma condição, aqueles que a preenchem tem o direito de cobrar a bênção. Este é o antigo Pacto de Obras. Isso é trabalho e não a Graça Divina.
Na medida em que o Evangelho é um livre favor do começo ao fim, tenho a certeza absoluta que Deus não exige nada - nem bons desejos, nem boas vontades, nem os bons sentimentos de um pecador - antes que ele possa vir a Cristo. Mas saibendo que tudo é de graça, o rebelde é ordenado a vir assim como está, não trazendo nada, mas, levando tudo para Deus, que é superabundante em misericórdia.
Eu digo ao pecador, onde quer que esteja hoje, se está sem nenhuma virtude, cheio de todos os vícios, se não há pontos positivos em seu caráter, se há tudo o que é mau contra o homem e contra Deus em você, se tiver cometido todos os crimes, se tiver arruinado seu corpo e condenado a sua alma, ainda assim, Cristo disse que - "Aquele que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora" (João 6:37). E se for a Ele, Ele não te lançará fora, como se você tivesse sido o mais virtuoso, o mais nobre, e o mais devoto de todos os homens vivos.
A fé se apodera da vida eterna. Ela é simples e compreensível até para uma criança que pode acreditar no que é dito. A criança não pode argumentar, não pode contestar, não pode discutir sobre diferenças muito pequenas ou detalhes sem importância, não pode ver um ponto complicado na teologia, mas pode acreditar no que é dito.
Não existe nada mais simples no mundo do que a doutrina da Expiação. Nós merecemos a morte, Cristo morreu por nós. Estamos em dívida, Cristo paga para nós. Isso não é simples o suficiente para uma criança?
Alguns tropeçam diante da simplicidade da cruz, como aqueles que diante da crucificação disseram, desce da cruz e creremos nele (Mateus 27:42).
Eles irão receber a Jesus em qualquer lugar, mas na Sua Cruz, lá no alto, morrendo no lugar do homem, ele é tão banal, que estes grandes senhores correm atrás da filosofia e de vãs sutilezas antes de lançar mão daquilo que os mais comuns conseguem entender completamente.
Quão simples é a metáfora da serpente de bronze na qual sucedia que picando a serpente a algum Israelita, eles eram ordenados a olhá-la e viver? (Números 21:8-9) Quem não entende que um olhar para Cristo, que morre no lugar dos homens, fará com que eles vivam? "Se alguém tem sede, venha a mim, e beba (João 7:37). Quem não compreende a figura de uma fonte correndo pelas ruas, que cada sedento pode colocar seus lábios e beber?
Cristo morreu para o pecado dos que creem Nele. O ato de fé é simples, o objeto da fé é simples.
Jesus Cristo se encontra com você exatamente onde você está.
Existem os que acreditam ter pecados tão sombrios que não encontram razão em si mesmo ou fora de si para que Deus os perdoe.
O Senhor vai ao seu encontro onde você está, colocando o motivo de sua salvação inteiramente em Si mesmo. Devo lembrá-lo de um ou dois textos que irá satisfazê-lo: "Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões". Para quê? "por amor de Mim" (Isaías 43:25). Ele não pode perdoá-lo por sua causa, você vê claramente isso, e sente que ele não pode perdoá-lo por causa de outras pessoas. Mas, por "amor de Mim", diz ele "para que Eu possa glorificar a Mim mesmo".
Por amor do Seu nome, como se ele soubesse que não poderia encontrar qualquer outro motivo, coloca tudo Nele mesmo. Ele perdoa, para que Ele possa honrar e glorificar Seu próprio nome. Pecador, você não pode dizer que isso não o alcança, porque se você é o mais infernal inútil pecador que sempre amaldiçoou a terra de Deus e poluiu o ar que respira, Ele ainda sim pode salvá-lo, pelo Seu próprio bem. Ainda há esperança para você. Quanto mais pecador você é, maior é a glória a Ele se Ele te salva. E se a salvação é dada por uma razão apenas em Si mesmo, não há, portanto, uma razão pela qual Ele possa salvar você, nem mesmo você.
Lembre-se que Ele coloca seu próprio projeto diante de seus olhos para mostrar que se você não tem nenhuma razão em si mesmo, mas isso não é impedimento para que Ele o salve.
Qual é o desígnio de Deus em salvar os homens? Quando Ele os levar para o céu, qual será o resultado? Porque, para que possam amar e louvar o Seu nome para sempre e cantar: "Àquele que nos amou e nos lavou de nossos pecados no seu sangue, a Ele seja dada glória". Você é apenas o homem, se for salvo para sempre e levado para o céu, você não louvaria Sua Graça?
Quem deve louvar senão aquele cujos muitos pecados foram superados pelo poderoso amor, bondade e Graça de Deus?
Vou trazer novamente esse texto, talvez haja um coração aqui que será capaz de ancorar-se em - "Aquele que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora". Você diz: "Mas se eu for, eu não posso ver nenhuma razão pela qual ele deva salvar-me". Eu respondo: há uma razão em sua própria promessa. Deus não pode mentir. Ele diz, "de maneira nenhuma o lançarei fora". "Mas", você diz: "Ele pode, por tal e tal motivo".
Quem quer que você seja, o que quer que seja, ou não seja, se você acredita em Jesus Cristo, há uma razão em cada atributo de Deus pelo qual você deve ser salvo.
Cada atributo Seu diz, "salve-o". E até mesmo a Justiça, grita: "Salve-o, pois Deus é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça, se confessarmos os nossos pecados (1 João 1:9).
Cristo vai ao seu encontro onde você está. "Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde, comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite" (Isaías 55:1). "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei (Mateus 11:28). ―E o Espírito e a esposa dizem: Vem. E quem ouve, diga: Vem. E quem tem sede, venha; e quem quiser, tome de graça da água da vida.( Apocalipse 22:17).
"E o seu mandamento é este: que creiamos no nome de seu Filho Jesus Cristo a quem Ele enviou" (1 João 3:23). ―Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo (Atos 16:31). "Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado (Marcos 16:16).
Por vezes uma palavra negra conduz uma alma a Cristo enquanto uma palavra luminosa não. Medo do inferno, as vezes, fazem os homens fugirem para Jesus. A asas cansadas fizeram a pobre pomba voar para a arca e os raios da justiça de Deus fazem você voar para Cristo, o Senhor.
Pecadores foram salvos, limpos, e os tais não fizeram nada, apenas confiaram Nele, tais como: Davi, o adúltero e assassino de Urias, e ainda lavado "mais branco que a neve (Salmos 51:7), Saulo de Tarso, o perseguidor do povo de Deus e o ladrão morrendo na cruz por seus crimes, e ainda sim salvo.
Em 1 Coríntios 6:9-11, ouça a Palavra do Senhor, "nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus. Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus.
Ouça a Palavra do Senhor novamente em Tito 3:3-5: ―Pois antigamente nós mesmos não tínhamos juízo e éramos rebeldes e maus. Éramos escravos das paixões e dos prazeres de todo tipo e passávamos a nossa vida no meio da malícia e da inveja. Os outros tinham ódio de nós, e nós tínhamos ódio deles. Porém, quando Deus, o nosso Salvador, mostrou a sua bondade e o seu amor por todos, ele nos salvou porque teve compaixão de nós, e não porque nós tivéssemos feito alguma coisa boa. Ele nos salvou e por meio do Espírito Santo nos lavou, fazendo com que nascêssemos de novo, dando-nos uma nova vida.
Em Efésios 2:1-3: ―Antigamente, por terem desobedecido a Deus e por terem cometido pecados, vocês estavam espiritualmente mortos. Naquele tempo vocês seguiam o mau caminho deste mundo e faziam a vontade daquele que governa os poderes espirituais do mal, o espírito que agora controla os que desobedecem a Deus. De fato, todos nós éramos como eles e vivíamos de acordo com a nossa natureza humana, fazendo o que o nosso corpo e a nossa mente queriam. Assim, porque somos seres humanos como os outros, nós também estávamos destinados a sofrer o castigo de Deus.
Mas a misericórdia de Deus é muito grande, e o seu amor por nós é tanto, que, quando estávamos espiritualmente mortos por causa da nossa desobediência, ele nos trouxe para a vida que temos em união com Cristo. Pela graça de Deus vocês são salvos (Efésios 2:4-5). Para quê? ―Deus fez isso para mostrar em todos os tempos do futuro”marque isso – “a imensa grandeza da sua graça, que é nossa por meio do amor que ele nos mostrou por meio de Cristo Jesus.
E nós merecíamos esse amor? De maneira alguma!
É Paulo quem fala em 1 Timóteo 1:13: ―Ele fez isso apesar de eu ter dito blasfêmias contra ele no passado e de o ter perseguido e insultado. Mas Deus teve misericórdia de mim, pois eu não tinha fé e por isso não sabia o que estava fazendo.
Diz mais: Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o pior (1 Timóteo 1:15).
E ainda acrescenta :"Mas foi por esse mesmo motivo que Deus teve misericórdia de mim, para que Cristo Jesus pudesse mostrar toda a sua paciência comigo. E isso ficará como exemplo para todos os que, no futuro, vão crer nele e receber a vida eterna (1 Timóteo 1:16).
Aptidão não é necessária, mas sim ir até ele. Você está sujo no pecado, e não sente a sua sujeira como deveria o que o torna o mais sujo de todos. Venha, então, e seja limpo. Você é pecador, e este é o seu maior pecado, que não se arrependa como deveria. Mas vá a Ele e peça que perdoe a sua impenitência. Vá como você está. Deus o conhece, aí, na sua incapacidade.
Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que razão morrereis, ó casa de Israel? (Ezequiel 33:11).
O amor de Deus é tamanho que Ele lhe deu do Seu Espírito. ―Pois se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem? (Lucas 11:13).
Após esse maravilhoso sermão, gostaria de lhe fazer uma pergunta: E se esse for seu último dia de vida, morrer sem JESUS seria mais terrível tragédia e acabaria com a esperança. 
CRISTO é tudo o que você precisa!
Pense nisso!

Deus abençoe sua vida!





quinta-feira, 23 de março de 2017

Cristo e eu!

Jesus Cristo, o FILHO do Deus VIVO, me amou de tal maneira, que deu sua vida por mim, para que eu pudesse viver, e também restaurou minha comunhão com Deus.
Essa verdade traz paz a sua alma?
Que tipo de relacionamento você tem com aquele que foi seu substituto na cruz do calvário?
CRISTO e eu, eu e CRISTO, tenho intimidade com ELE? Somos amigos?
Conheçe-O verdadeiramente? Sabe o que ELE espera de ti? O que você está disposto a fazer por ELE?
São perguntas que todo cristão deve fazer a si mesmo.
Quanto de CRISTO há em mim e quanto de mim eu desejo que seja DELE?
Deus tem um propósito para a sua vida e por isso lhe deu um salvador pessoal. CRISTO deseja se relacionar com você, de modo que estejam entrelaçados e ninguém consiga separá-los. Você deseja esse grau de relacionamento?
Estive lendo um dos sermões de Charles H. Spurgeon e mais uma vez pude sentir CRISTO nas palavras desse homem. As pessoas conseguem sentir CRISTO em você?
Quanto mais perto DELE estiver, mais parecido com ELE se tornará.
Seguem trechos desse sermão, peço ao Espírito Santo que fale ao seu coração de maneira poderosa!
Cristo e eu – Charles H.Spurgeon
N° 781 - Sermão pregado na manhã de Domingo, 17 de Novembro de 1867
Por Charles Haddon Spurgeon No Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres.

“Com Cristo estou juntamente crucificado, e já não vivo eu, mas vive Cristo em mim; e o que agora vivo na carne, vivo na fé do Filho de Deus,
o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim”. Gálatas 2:20.

Quantos pronomes pessoais da primeira pessoa há neste versículo? Acaso não são oito? Há uma copiosa presença de “eus” e “meus”. O texto não contém nenhum plural; não menciona ninguém mais, mas indica que o apóstolo trata acerca de si mesmo, de sua própria vida interior, do amor de Cristo por ele e do grande sacrifício que Cristo realizou por ele. “O qual me amou e se entregou por mim”.
Isso é introdutivo, pois um sinal distintivo do cristianismo é que faz ressaltar a individualidade da pessoa. Não nos faz egoístas, pelo contrário, cura- nos desse mal, mas com tudo isso, manifesta em nós uma identidade mediante a qual nos tornamos conscientes, de maneira eminente, de nossa individualidade pessoal.

Os homens se consideram como absorvidos pela humanidade universal; têm uma ideia muito confusa acerca de suas obrigações independentes para com Deus e de suas relações pessoais para com seu governo, mas o Evangelho, como telescópio, isola o homem frente a si mesmo, faz com que se veja como uma existência separada, e o obriga a meditar sobre seu próprio pecado, sobre sua própria salvação e sua própria condenação pessoal, a menos que seja salvo pela graça.

No caminho estreito que conduz à vida eterna, cada viajante é único; atrai sua atenção; é um homem devidamente identificado. Tendo que ir contra a corrente geral dos tempos, o crente é um indivíduo sobre o qual pousam olhos observantes. É um indivíduo distinto tanto para ele mesmo quanto para o resto dos de sua classe.

Você não sabe nada sobre a conversão se crê meramente na depravação e ruína humana, mas nunca sentiu que você é depravado, e que você mesmo está arruinado. Por cima de todas as calamidades gerais da raça, haverá um infortúnio particular que é de sua propriedade. Se é que o Espírito Santo lhe convenceu do pecado; você clamará igual àquele profeta de Jerusalém de voz suplicante nos dias do sítio: “Ai de mim!”; sentirá como se as flechas de Deus estivessem apontando principalmente para você, e como se as maldições da lei fossem cair seguramente sobre você e sobre ninguém mais.

Certamente, querido ouvinte, você não sabe nada sobre a salvação a menos que tenha olhado pessoalmente, com seus próprios olhos, para Jesus Cristo. Você tem que receber pessoalmente o Senhor Jesus Cristo, nos braços de sua fé e no peito do seu amor; e, se você não tem confiado no Crucificado, enquanto tem ficado só em contemplação aos pés da cruz, então você não tem crido para a vida eterna.

Logo, como consequência de uma fé pessoal e individual, o crente goza de uma paz pessoal; ele sente que se toda terra estivesse pegando em armas, ele ainda encontraria repouso em Cristo, e esse repouso é peculiarmente seu, independentemente de seus companheiros. Você pode falar dessa paz em outros, mas não pode comunicá-la; outros não podem dá-la, nem podem tirá-la. Onde quer que haja verdadeiro arrependimento na alma, logo conduz a uma consagração pessoal a Deus.

O homem se aproxima do altar de Cristo e exclama; “eis-me aqui; Oh, Senhor supremamente glorioso, eu sinto que meu culto racional é dar-Te espírito, alma e corpo. Que outros façam o que quiserem, mas eu e minha casa serviremos ao SENHOR Jeová.

O homem regenerado sente que a obra de outros não o exonera do serviço, e a fraqueza geral da igreja cristã não pode ser uma desculpa para sua própria indiferença. Ele se destaca na luta contra o erro inclusive como um protestante solitário, se fosse necessário.

Descobre que estava pessoalmente perdido, e que foi salvo pessoalmente, e agora sua oração é: “Senhor, mostra-me o que queres que eu faça; aqui estou eu, envia-me”. Eu creio que na medida em que nossa piedade esteja definitivamente na primeira pessoa do singular será forte e vigorosa.

Ademais, creio que na medida em que compreendamos plenamente nossa responsabilidade pessoal para com Deus, será mais provável que a cumpramos, mas se não a temos entendido realmente, é muito provável que sonhemos em trabalhar para Deus mediante uma autoridade, e que atuemos como se pudéssemos transladar a responsabilidade de nossos próprios ombros às costas de uma sociedade ou de uma igreja. Desde seu alvorecer até sua glória do meio-dia, a personalidade da verdadeira piedade é sumamente observável. Todo o ensinamento de nossa santa fé leva para essa direção. Nós pregamos a eleição pessoal, o chamado pessoal, a regeneração pessoal, a perseverança pessoal, a santidade pessoal, e não conhecemos nenhuma obra da graça que não seja pessoal para aquele que a professa.

Não há nenhuma doutrina na Escritura que ensine que o homem pode ser salvo pela piedade de outro. Eu não pude descobrir nada parecido à salvação por patrocínio, exceto no único caso do patrocínio do Senhor Jesus Cristo.

Eu encontro, na verdade, que devemos levar as cargas uns dos outros com respeito à simpatia, mas não no sentido da substituição. Cada ser humano
tem de levar sua própria carga, e tem de dar conta de si mesmo ante Deus.

Quando o homem é sepultado com Cristo, por exemplo, pelo ato público do batismo, não pode estar morto por outro ou ser sepultado por outro, nem pode ressuscitar no lugar de outro. Dá-se o ato pessoal de imersão para manifestar nossa morte pessoal para o mundo, nosso pessoal enterro com Cristo e nossa ressurreição pessoal com Ele. Assim também, na Ceia do Senhor, o ato individual de cada pessoa que come e bebe por si mesma, declara de maneira muito manifesta que nos apresentamos como indivíduos diante do Senhor, nosso Deus, em nosso vínculo com o Senhor Jesus Cristo.
Oh, ocioso membro da igreja, eu lhe suplico, sacuda-se do seu pó; não seja tão infame para apropriar-se dos trabalhos de outras pessoas. Diante do seu próprio Senhor, você se sustentará ou cairá sobre seu próprio serviço individual ou sua negligência individual, e se você não produzir nenhum fruto por si mesmo, todo o fruto dos outros ramos não lhe servirá de nada. “Toda árvore que não dá bom fruto é cortada e jogado no fogo”. “Todo galho que em mim não produz fruto será tirado”.

Acaso o Senhor não me diz: “Como me enviou o Pai, assim também eu os envio?
Agora notem, o Pai não enviou Cristo para que procurasse um delegado e fosse um Redentor nominal, mas que Jesus se entregou a si mesmo por nós em um serviço e um sacrifício pessoal; de igual maneira, Jesus nos envia para que o sirvamos. Vocês não podem se exonerar do seu chamado pessoal
não podem se liberar, em seu nome, de uma só partícula do que você deve pessoalmente ao seu Senhor. Lembrem que diante de Deus tem de ser avaliados pelo que vocês sentem, pelo que vocês conhecem, pelo que vocês têm aprendido e pelo o que vocês têm feito.

Um indivíduo deve nascer de novo, ou não é um filho de Deus. Um indivíduo deve ter uma fé viva no Senhor Jesus Cristo, ou do contrário não é  cristão.
Outros dizem: “minha mãe e meu pai professaram sempre essa religião, e portanto, eu estou obrigado a fazer o mesmo”. É um glorioso raciocínio apropriado, certamente, para os idiotas!
Pensa um homem que porque sua mãe foi pobre, ou seu pai foi um indigente, que ele mesmo tem que seguir sendo um mendigo? Se meu progenitor foi um cego, estou obrigado a jogar meus próprios olhos fora para ser como ele? Não, mas se contemplei a luz da verdade de Jesus Cristo, devo segui-la e não hei de ser desorientado pela ideia de que a superstição hereditária é menos perigosa ou errônea, porque uma dúzia de gerações foram enganadas por ela. Você tem que se apresentar diante de Deus, meu querido amigo, com seus próprios pés, e nem mãe nem pai podem tomar o seu lugar, portanto, julgue por si mesmo; busque a vida eterna; levante seus olhos para a cruz de Cristo pessoalmente, e que seja seu sério empenho que você mesmo seja capaz de dizer: “Ele me amou e se entregou por mim”.
Todos nascemos sozinhos; viemos a esse mundo como peregrinos para percorrer uma trilha que unicamente nossos próprios pés podem percorrer. Todos os nossos companheiros são apenas barcos que navegam ao nosso lado, barcos diferentes que levam, cada um deles, sua própria bandeira. Ninguém pode mergulhar na profundidade de nossos corações. Há armários na alcova da alma que ninguém pode abrir senão a própria pessoa. Temos que morrer sós; os amigos podem rodear o leito, mas o espírito que  parte tem de alçar voo sozinho.
Esperamos nos apresentar diante do tribunal em meio a uma grande assembleia, mas ainda para ser julgados como se ninguém mais estivesse ali. Se toda essa multidão é condenada, e nós estamos em Cristo, seremos salvos, e se todos eles forem salvos, e nós encontrados em falta, seremos descartados.
Cada um de nós será colocado só nas balanças.
Na ressurreição, cada semente receberá seu próprio corpo. Haverá uma individualidade no corpo do ressuscitado naquele dia de prodígios, uma individualidade extremamente marcada e manifesta. Se eu sou condenado ao final, ninguém pode ser condenado pelo meu espírito; nenhuma alma pode entrar nas câmaras de fogo em meu nome para suportar por mim a indizível angústia. E, bendita esperança, se sou salvo, serei eu quem verá o Rei em sua formosura; meus olhos o verão, e não outro em meu lugar.
Os gozos do céu não serão gozos através de um substituto, mas os desfrutes pessoais daqueles que tiveram uma união pessoal com Cristo.
Nenhum homem sensato pensa que outro pode comer por ele ou beber por ele, ou se vestir por ele, dormir por ele ou acordar por ele.
Os homens anseiam possuir eles mesmos as riquezas; desejam ser felizes e reconhecidos pessoalmente. Oh, não façamos papel de tolos com as coisas eternas, mas desejemos ter um interesse pessoal por Cristo, e logo aspiraremos dar a Ele, que merece tanto, nosso serviço pessoal, entregando espírito, alma e corpo à Sua causa.
Leiam o texto de novo: “Com Cristo estou juntamente crucificado, e já não vivo eu, mas Cristo que vive em mim; e o que agora vivo na carne, vivo na fé do Filho de Deus, aquele que me amou e se entregou por mim”. Aí está o homem, mas aí está o Filho de Deus de maneira facilmente percebida, e as duas personalidades estão singularmente entrelaçadas. Parece que vejo duas árvores à minha frente. São plantas individuais que crescem uma junto à outra, mas ao analisar sua parte inferior, observo que as raízes estão tão entrelaçadas e entrecruzadas que ninguém pode separar as árvores individualmente e atribuir os membros de cada uma a sua própria unidade. Assim são Cristo e o crente.
Entrelaçadas com nossa história e personalidade estão a história e a personalidade do homem Jesus Cristo, e nós somos um com Ele para sempre.
Observem os pontos de contato. Primeiro Paulo diz: “Com Cristo estou juntamente crucificado”; o que pretende dizer? Que ele acreditava na representação de Cristo na cruz; que quando Jesus Cristo foi cravado na cruz, não pendeu de lá como uma pessoa privada, mas como o representante de Seu povo escolhido.
O apóstolo dos gentios se deleitava pensando que como um membro do povo escolhido de Cristo, ele morreu na cruz em Cristo. Fez algo mais que crer nisso doutrinalmente, pois o aceitou confiadamente, depositando sua esperança nisso. Acreditava que em virtude da morte em Cristo, ele mesmo havia pago à lei o que devia, que havia satisfeito à justiça divina, e que havia encontrado a reconciliação com Deus. Amados, quão bendito é quando a alma pode, por dizer assim, estender-se sobre a cruz de Cristo e sentir: “estou morto; a lei me matou, maldisse-me, imolou-me e, portanto, sou livre do seu poder porque em minha Fiança levei a maldição, e na pessoa de meu Substituto foi executado contra mim tudo o que a lei podia fazer como condenação, pois estou crucificado com Cristo”. Oh! Quão bendito é quando a cruz de Cristo é posta sobre nós: como nos ressuscita!
A união com o Salvador sangrento e sofredor e a fé no mérito do Redentor,
são coisas que reanimam a alma. Paulo quis dizer que não somente acreditava na morte de Cristo e confiava nela, mas que efetivamente sentia em sua pessoa o seu poder, o qual gerava a crucificação de sua velha natureza corrupta.
Se você se concebe como um homem executado, de imediato percebe que sendo executado pela lei, a lei não tem nenhuma reclamação adicional sobre você e resolve, ademais, que tendo provado uma vez a maldição do pecado pela sentença ditada sobre você, não cairá novamente nessa mesma ofensa, mas a partir de agora, sendo liberado milagrosamente da morte à que a lei lhe levou, viverá em vida nova. Quando via os prazeres do pecado, dizia: “não posso desfrutá-los; estou morto para eles”.
Notem, em continuação, outro ponto de contato. Paulo disse: “Contudo vivo”, mas logo corrige a si mesmo: “e já não vivo eu, mas Cristo que vive em mim”. Vejam vocês o estado morto de um crente: está surdo, mudo, cego e sem sentimento quanto ao mundo pecador, e não obstante, acrescenta: “Contudo vivo”. Explica qual é a sua vida: sua vida é produzida nele em virtude de que Cristo está nele e ele está em Cristo. Jesus é a fonte da vida do cristão. A “alma” da videira vive inclusive nos minúsculos raminhos.
Não importa quão diminuto possa ser o nervo, o especialista em anatomia dirá que a vida cerebral palpita na extremidade mais distante. A vida que mantém em existência sua fé, sua esperança e seu amor, provêm de Jesus Cristo e unicamente Dele. Nós cessaríamos de ser santos se não recebêssemos
diariamente uma graça proveniente do Cabeça da Aliança. Como a força da nossa vida vem do Filho de Deus, então Ele é o governador e o poder matriz em nosso interior. Como pode ser cristão alguém que é governado por qualquer coisa que não seja Cristo? Se chama Cristo “Mestre e Senhor”, você tem que ser Seu servo; tampouco podes render obediência a nenhum poder rival, pois ninguém pode servir a dois senhores.
Tem que haver um espírito orientador no coração, e a menos que Jesus Cristo seja para nós esse espírito que orienta, não somos salvos. A vida do cristão é uma vida que brota de Cristo, e é controlada por sua vontade.
Um cristão deveria ser uma fotografia vivente do Senhor Jesus Cristo, ser uma impactante semelhança do seu Senhor. Quando os homens o olham deveriam ver não só o cristão, mas o Senhor do cristão, pois deveria ser como seu Senhor. Você sente no interior da sua alma que Cristo olha por seus olhos para os pobres pecadores e considera como poderia ajudá-los; que Cristo palpita em seu coração, sentindo pelos que perecem, tremendo por aqueles que não querem tremer por eles mesmos?
Vocês sentem que Cristo abre as suas mãos em generosa caridade para ajudar os que não podem ajudar a si mesmos? Sentiram alguma vez que algo diferente de você mesmo estava em você, um espírito que algumas vezes luta para fazê-lo melhor, e o ajuda a destruir seu egoísmo pecaminoso; um espírito nobre que põe seu pé sobre o peito da ganância, que leva ao solo o seu orgulho, um espírito ativo e fervente que queima sua ociosidade? Você nunca sentiu isso? Certamente nós que vivemos para Deus sentimos a vida de Deus em nosso interior e desejamos ser submetidos cada vez mais ao espírito dominante de Cristo, para que nossa humanidade possa ser um palácio para o Bem Amado.
Prosseguindo, o apóstolo diz: E o que agora vivo na carne, vivo na fé do Filho de Deus. A vida do cristão deve ser em cada momento uma vida de fé. Cometemos um erro quando procuramos caminhar guiados pelo sentimento ou pela vista.
Entendi que o caminho da vida seria sempre de tal maneira que nenhuma experiência poderia substituir minha dependência de Deus.
O Senhor nos guia se estivermos dispostos a fazer simplesmente o que Ele nos pedir. Apoiem-se Nele, então.
Vocês devem seguir em frente, crendo em Cristo a cada instante, crendo que os pecados de vocês são perdoados ainda quando em sua negrura, crendo que estão seguros, mesmo quando parecer que estão no maior perigo, crendo que estão glorificados com Cristo, quando sentem como se estivessem fora da presença de Deus, esta é a vida da fé. Ademais, Paulo nota outros pontos de unidade. O qual me amou”. Bendito seja Deus porque antes que os montes alçassem seus picos coroados de neve até as nuvens, Cristo havia posto Seu coração em nós.
O todo glorioso Filho de Deus o escolheu, e o desposou, para que pudesse ser seu por toda a eternidade. Temos aqui uma bendita união em verdade.
Observem o que segue: “e entregou a si mesmo por mim”; não só deu tudo o que tinha, mas entregou a si mesmo; não deixou simplesmente de lado Sua glória, Seu esplendor e Sua vida, mas entregou Sua própria pessoa. Oh, herdeiro do céu, Jesus é seu neste momento. Havendo se entregado uma vez por você sobre o madeiro para quitar seu pecado, entrega-se a você neste momento para ser sua vida, sua coroa, seu gozo, sua porção, seu todo em tudo. Você descobriu que é uma personalidade única, e uma individualidade, mas essa personalidade está ligada com a pessoa de Cristo Jesus de maneira que você está em Cristo e Cristo em você; por uma bendita união indissolúvel, vocês estão entrelaçados pelos séculos dos séculos. Quando um homem descobre e se reconhece ligado a Cristo, sua vida é completamente uma nova vida.
Crente, sobre sua velha vida foi pronunciada a sentença de morte. A mente carnal, que é inimizade contra Deus, está condenada à morte. Você pode dizer: “morro diariamente”. Oxalá que a velha natureza estivesse completamente morta. Mas a vida que você tem não lhe foi dada até que entrasse em união com Cristo.
Você recebeu uma vida do alto, uma vida que o Espírito Santo operou em você na regeneração. O que é nascido da carne, carne é, mas sua vida de graça não provém de você mesmo; você nasceu de novo do alto.
A vida do cristão é um enigma. Nenhum mundano pode compreendê-la.
Não espere que o mundo o entenda, pois não entendeu seu Senhor. Quando suas ações são incompreendidas e seus motivos ridicularizados, não se surpreenda. “Se fosses deste mundo, o mundo amaria o que é seu; mas porque não é deste mundo, antes eu os escolhi do mundo, por isso o mundo os aborrece”. Se pertencesse à aldeia, os cachorros não latiriam para você. Se os homens pudessem ler você, não se surpreenderiam; porém você estar escrito numa língua celestial que os homens não podem compreender e pensam que você não vale nada. Sua vida é nova; sua vida é diferente.
Esta vida maravilhosa, resultante na mescla da personalidade do Filho de Deus e do crente, é uma vida verdadeira.
Isto é expresso no texto, “No entanto, vivo”, sim, vivo como nunca antes vivi.
Quando uma alma se sobressalta com os trovões da convicção e depois recebe o perdão em Cristo, começa a viver.
Não há que desperdiçar nem gastar mal o tempo. Vivam de tal maneira que demonstrem que vocês possuem a mais nobre forma de vida. É claro também, que a nova vida que Cristo nos traz é uma vida de abnegação, pois agrega “e vivo, já não eu”. A humildade mental é parte e porção da piedade. Quando o crente ora melhor, diz: “Sem dúvida, não eu, mas o Espírito de Deus intercedeu em mim”. Se ganhou almas para Cristo, diz: “Não eu; foi o Evangelho; o Senhor Jesus operou poderosamente em mim”. “Não a nós, SENHOR Jeová, não a nós, mas a seu nome a glória. A humilhação de si mesmo é o espírito inato do filho de Deus verdadeiramente nascido de novo.
Cristo tem que ser o único pensamento, a única ideia, o único pensamento condutor na alma do crente. Quando se desperta na manhã, o crente saudável se pergunta: “Que posso fazer por Cristo?” Quando está realizando seu trabalho se pergunta: “Como servirei ao meu Senhor em todas as minhas ações?”
Quando ganha dinheiro, se pergunta: “Como posso usar meus talentos em favor de Cristo?” Se adquire educação, a pergunta é: “Como posso inverter meu conhecimento em favor de Cristo?”.
A vida de Cristo na terra foi o divino fundido com o humano; assim é a vida do cristão; há algo divino nela; é uma semente viva e incorruptível, que permanece para sempre. Somos feitos partícipes da natureza divina, havendo escapado da corrupção que está no mundo graças à lascívia; sem dúvida, nossa vida é uma vida plenamente humana.
Visualizem a vida de Cristo na terra, amados, e isso é o que a vida de Deus em nós deveria ser, e o será na medida em que estejamos sujeitos ao poder do Espírito Santo.
Não devemos pensar em nos manter afastados de nossos semelhantes como se nos degradássemos ao nos misturar com eles. O sal da terra deve ser misturado aos alimentos, e de igual maneira o cristão deve se misturar aos seus semelhantes, buscando seu bem para a edificação.
Nossa religião não nos faz nem mais nem menos humanos, ainda que nos coloque na família de Deus. Contudo, a vida cristã é uma vida de fé. “O que agora vivo na carne, vivo na fé do Filho de Deus”. A fé não é uma peça de decoração que deve ser colocada sobre as mesinhas da sala, ou um vestido que deve ser usado nos domingos; é um princípio de trabalho, que deve ser usado no estábulo e no campo, na oficina e na casa de cambio; é uma graça para a ama da casa e para o servo; e para a Câmara dos Comuns e para a oficina mais pobre. “O que agora vivo na carne, vivo na fé”.
Qualquer que seja o ofício, a fé deve ser incorporada em seus chamados cotidianos, e essa é unicamente a fé viva e verdadeira que passará na prova prática.
Para concluir: a vida que provém da personalidade enraizada de Cristo e o crente é uma vida de perfeito amor.Ele se entregou por mim”. Portanto, minha pergunta é: o que posso fazer por Ele? A nova vida é uma vida de santa segurança, pois, se Cristo me amou, quem poderia me destruir?
É a vida do céu, pois, se tenho a Cristo, tenho o que é a essência e a alma do céu.
Vá para casa e viva da verdade, pratique o que for praticável, alimente-se da palavra, regozije-se em Cristo Jesus, porque você é um com Ele, e então, em sua própria pessoa, ande e sirva ao seu Senhor com todo o esforço que lhe for possível e que o Senhor lhe envie Sua abundante bênção.


Deus abençoe sua vida!

sexta-feira, 17 de março de 2017

Marcas da verdadeira conversão!

Mateus 18:3 – “E disse: Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos fizerdes como meninos, de modo algum entrareis no reino dos céus”.

Quando alguém  é convidado a viver debaixo da maravilhosa graça de CRISTO, o Espírito Santo vai aprimorando sua obra no coração dessa pessoa até o dia da redenção.
ELE introduz um desejo de mudança, e a cada percepção do pecado ou falha, esse desejo cresce na alma daquele que deseja servir a DEUS.
Quando há um vislumbre do Deus SANTO que chama o pecador, o homem percebe que está imundo e precisa ser limpo.
Sentimentos são substituídos, pensamentos alterados e desejos mudados.
Quando se depara com a BELEZA da SANTIDADE de DEUS, o homem  entende que precisa ser moldado em seu caráter para ser semelhante a CRISTO.
Sobre essas considerações e a respeito de alguns atributos que uma verdadeira conversão provoca no homem, seguem trechos do sermão de George Whitefield - Marcas de uma verdadeira conversão. Confio a Deus o trabalhar em cada coração e a expansão do entendimento daquele que discorrer sobre essas palavras.

Marcas de uma verdadeira conversão – George Whitefield

A todos os homens é ordenado morrer uma só vez (Hebreus 9:27) e vós todos devem realmente acreditar que após a morte vem o juízo, e que as consequências deste julgamento serão: que deveis ser condenados a habitar na escuridão e trevas, ou ascender e habitar com o Deus bendito, eternamente.
Nosso Senhor diz que “pelos seus frutos os conhecereis” (Mateus 7:16), eu receio que aqueles milhares e dezenas de milhares, que esperam ir para este bendito lugar após a morte, não estão agora em um caminho para ele [o céu], enquanto vivem.
Embora nós chamemos a nós mesmos de Cristãos, e poderíamos considerar uma afronta, se alguém duvidasse se somos Cristãos ou não; ainda há muitos, que carregam o nome de Cristo, e não agem de acordo com o que pede o verdadeiro Cristianismo.
Há muitos caminhando em um rol de deveres, em um modelo de performances, que pensam estar indo para o céu; mas se você os examinar, embora tenham um Cristo em suas cabeças, não têm a Cristo em seus corações.
O Senhor Jesus Cristo sabia disto muito bem; sabia quão desesperadamente corrupto e ímpio eram os corações dos homens; sabia muito bem quantos poderiam ir para o inferno mesmo diante dos portões do céu, e quantos poderiam subir às portas, chegar tão perto como a bater nela, e ser rejeitado com um “em verdade eu não vos conheço” (Mateus 25:12). O Senhor, portanto, claramente nos relata que grande mudança deve ocorrer em nós, e o que deve ser feito por nós, antes de termos quaisquer esperanças de entrar no reino do céu. Por isso, Ele diz a Nicodemos “aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus”(João 3:5).
Se vocês observarem o 1º versículo desse texto, foi dirigido também aos discípulos; pois é-nos dito: “Naquela mesma hora chegaram os discípulos ao pé de Jesus”( Mateus 18:1). E, eu penso isto é claro a partir de muitas porções da Escritura, que estes discípulos, para quem nosso Senhor dirigiu-se  neste momento, eram, de certa forma, anteriormente convertidos. Nosso Senhor quer dizer que, embora eles já houvessem provado a Graça de Deus, ainda havia tanto do velho homem, tanto pecado interior, e corrupção, permanecendo em seus corações, que a menos que fossem mais convertidos do que eram, ou seja, sem uma grande mudança em suas almas, além de santificação contínua, eles dariam apenas mui pequena evidência de pertencer ao Seu reino.  O Reino de Deus não devia ser estabelecido em grandeza exterior, como eles supunham, mas era para ser um reino espiritual, começado ali, mas completado no reino de Deus vindouro.
Antes que eu ou vocês possamos ter qualquer bem fundamentada esperança bíblica, de ser feliz em um estado futuro, deve haver alguma grande, notável, e maravilhosa mudança em nossas almas.
Nossas almas consideradas em um sentido físico ainda são as mesmas, não existe mudança filosófica forjada nelas. Mas existe mudança no nosso temperamento, hábito e conduta. Nós devemos ser tão transformados e modificados, que aqueles que nos conheceram noutro tempo, quando em estado de pecado, e antes que conhecêssemos a Cristo, agora devem visualizar uma tal mudança, que possam ficar tão admirados disto, como uma pessoa diante da alteração ocorrida em alguém que não vê a anos, desde a sua infância.
Jeremias falando sobre o coração de todos, diz: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso”(Jeremias 17:9). Os servos de Deus de forma unânime declaram, (e Paulo cita isto a partir de um deles), que “todos se desviaram, tornaram-se juntamente inúteis; não há ninguém que faça o bem, não há nem um sequer”(Salmos 14:3).
Quando o nosso Senhor diz: “se não vos converterdes e não vos fizerdes como meninos,”(Mateus 18:3) devemos entender que o Senhor indica a inocência das crianças que os adultos geralmente não possuem.
Nosso Senhor quer dizer que quanto à ambição e luxúria após o mundo, nós devemos, neste sentido, nos tornar como criancinhas.
Pergunte a uma pequena criança, que apenas possa falar, sobre coroa, cetro, ou reino, ela não tem noção disto: dê a um menininho ou menininha uma pequena coisa para brincar e ele deixa o mundo para outras pessoas. Neste sentido, nós devemos ser convertidos, e nos tornar como meninos, viver no mundo, mas não ser do mundo.
Não me entenda mal, não estou persuadindo-os a fechar suas vendas, ou deixar seus negócios; não os estou persuadindo, que deveis vos tornar eremitas, e retirar-vos do mundo. Não podeis deixar seus ímpios corações para trás de vós, quando deixais o mundo; pois eu o encontro, quando estou sozinho, meu ímpio coração me seguiu, indo comigo, onde eu vou.
Embora estejamos envolvidos no mundo, e sermos obrigados a trabalhar, seguir comércios e negócios, e ser úteis à sociedade, se realmente somos cristãos, devemos estar no mundo, mas não pertencer ao mundo.  Não pretendo com isso dizer que todos os Cristãos verdadeiros atingiram o mesmo nível de mentalidade espiritual.
Quando nosso Senhor diz que devemos nos converter e nos fazer como meninos, eu suponho que Ele intencione também, que sejamos sensíveis às nossas fraquezas, comparativamente falando, como uma pequena criança que deve ir à escola e aprender alguma nova lição todos os dias; alguém que não aprendeu a abominável arte chamada dissimulação.
Nós devemos sentir nossas misérias e como uma criancinha ceder nossa mão para ser guiada por um PAI protetor. Assim aqueles que são verdadeiramente convertidos, e cristãos verdadeiros, entregarão o seu coração, seu entendimento, suas vontades, afeições, para serem guiados pela palavra, providência, e pelo Espírito de Deus. Por isso é que, o Apóstolo, falando sobre os filhos de Deus, diz: “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus esses são (e esteja certo de que ele quer dizer que somente esses são) filhos de Deus”(Romanos 8:14). E como pequenas crianças pensam de si mesmas que precisam de instruções, assim aqueles que são convertidos, consideram o mesmo, desejando aprender com o SANTO ESPÌRITO DE DEUS.
Quanto mais obtendes da graça de Deus, e quanto mais sois participantes da vida divina, mais vereis a vossa própria mediocridade e vileza, e serão menores aos seus próprios olhos.
E como uma criancinha é vista como uma criatura inocente, e comumente fala a verdade; assim se somos convertidos, e nos tornamos como meninos, nós devemos ser sinceros e inocentes.
Quando digo que um Cristão deve ser inocente, não quero dizer, que ele deva expor a si mesmo, e descansar desprotegido ao ataque de todos, ao contrário, deveríamos orar pela sabedoria da serpente; embora geralmente aprendamos esta prudência por nossos erros e imprudências.
Alguns cristãos são frequentemente iludidos; pois julgam as outras pessoas por si mesmos, tendo um coração honesto, pensa que todos são tão honestos quanto ele sendo, portanto, uma vítima para qualquer um.
Peça a Deus em oração: “Senhor, sonda-me e conhece-me, examine meu coração, e deixe a minha consciência falar: Oh, deixe-me saber se eu sou convertido ou não!”
Se Deus agora me levasse embora, de acordo com o habitual temperamento de minha alma, eu poderia dizer Senhor, estou pronto?
Vós sois sensíveis à vossa iniquidade? Sentis que sois pobres, miseráveis, cegos e nus, por natureza? Concedereis os seus corações, suas afeições, suas vontades, seus entendimentos, para serem guiados pelo Espírito de Deus, como uma pequena criança concede a sua mão para ser guiada pelos seus pais? Vós sois pequenos aos seus próprios olhos? Vós pensais miseravelmente de si mesmos? Querem aprender algo novo a cada dia?
Se o Senhor Jesus Cristo te esvaziou, e se Ele está concedendo a ti que veja e saiba que sem ELE você não pode fazer nada; ainda que não esteja crescendo para cima, você está crescendo para baixo, criando raízes; e embora não tenhas tanto gozo, teu coração está sendo esvaziado para ser progressivamente mais abundantemente preenchido. Então, dê graças a Deus, e tenha consolo nisto.
Se Deus é seu pai, obedeça-O: se Deus é o seu pai, sirva-O; ame-O de todo o seu coração, ame-O com todo o seu entendimento, com toda a sua alma, e com toda a sua força.
Se Deus é seu pai, fuja de tudo o que possa desagrada-Lo; e ande dignamente diante deste Deus, que o chamou para Seu reino e glória. Se vós sois convertidos e feitos como pequenas crianças, então comportem-se como filhinhos.
Vós sois bebês recém-nascidos? Então, desejem o verdadeiro leite da palavra, para que vós possais crescer por meio dela.
Cresçam na graça, e no conhecimento de vosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Aflige-vos ver uma criança que não cresce? Tanto mais deve afligir o coração de Cristo vê-los crescer tão pouco! Serão para sempre crianças? Estarão sempre aprendendo os princípios do Cristianismo, e nunca avançarão em direção ao alvo, pelo preço da alta chamada de Deus em Cristo Jesus? Deus não permita.
Que a linguagem de seu coração seja: “Senhor, ajude-me a crescer, ajude-me a aprender mais, ensina-me a viver de modo que meu progresso possa ser conhecido por todos!”
Vós sois filhos de Deus? O Diabo os incomoda? O mundo os perturba? Vá contar ao seu pai sobre isto, vá diretamente e lamente-se a Deus. Talvez, você possa dizer: eu não consigo pronunciar belas palavras. Mas algum de vocês espera belas palavras de seus filhos? Se eles veem chorando, e podem falar apenas meias palavras, os seus corações não se apiedam deles? E Deus não é mais inefavelmente piedoso que vocês? Se vós conseguis fazer apenas gestos para Ele: “Assim como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem”(Salmos 103:13).
Se orarem ao seu Pai, dizendo: “Aba, Pai”, Satanás me atormenta, o mundo me perturba, os filhos de minha própria mãe estão com raiva de mim; Pai celestial, peleje a minha causa! O Senhor, então, falará com você, de uma forma ou de outra.
Sois convertidos, feitos como criancinhas e entraram para a família de Deus? Então, se assegurem, que o vosso Pai celestial irá corrigi-los agora e depois: “porque, que filho há a quem o pai não corrija?  Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos”(Hebreus 12:7-8).
Não blasfeme contra seu Pai celestial, mas culpe a si mesmo; Ele é um Deus amoroso, e um terno Pai.
Tenham cuidado para não fazer o que as crianças costumeiramente fazem; elas são muito hábeis a brigar umas com as outras. Antes, ameis uns aos outros: “e quem está em amor está em Deus, e Deus nele”(1 João 4:16).
Vós sois filhos do mesmo Pai e estais indo para o mesmo lugar; por que iríeis diferir? Oh, o mundo tem o suficiente contra nós, o Diabo tem o suficiente contra nós, sem nossa disputa um contra o outro; Oh, andem em amor.
Ore a Deus, e deixe que a linguagem do teu coração seja: “Senhor, converta-me, faça-me uma pequena criança, não permita que eu seja banido de Teu reino!”
Almas preciosas, por causa de Deus pensem no que acontecerá convosco ao morrer, se vocês morrem sem ser convertidos.
Que Deus possa nos moldar a cada dia para que possamos nos encontrar na Glória e nunca mais nos separarmos de CRISTO.

Deus abençoe sua vida!