quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Seja praticante, não apenas ouvinte!

Não basta somente ouvir, é preciso praticar. A teoria precisa ser colocada em prática, caso contrário, não surtirá efeito algum.
Isso se aplica perfeitamente na vida com Deus. SUA palavra ensina como ter um relacionamento com ELE e uma vida abençoada, mas cabe a cada um a decisão de viver realmente aquilo que está sendo proposto.
Deus espera que você tenha atitude, que deseje com todo o coração viver os planos e propósitos DELE. Para tanto, você deve buscar viver a Verdade que tem ouvido, aplica-la em sua vida e observar as mudanças que ela produz.
“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.” (Hebreus 4:12)
Ela revela seu real estado e a necessidade de modificá-lo para que você alcance verdadeiramente uma intimidade com Deus.
Se ela atingir seu objetivo, haverá mudança, perceptível tanto aos seus olhos, quanto aos dos que estão a sua volta.
Você tem apenas ouvido a palavra de Deus ou tem buscado vivê-la?
Em um de seus sermões intitulado "Duas classes de ouvintes", Charles H. Spurgeon cita as mesmas. 
Em qual delas você se encaixa? Deus quer abençoar sua vida! Segue abaixo algumas de suas considerações:

Duas classes de ouvintes de C.Haddon Spurgeon

“Mas sejam praticantes da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se a si mesmos. Porque se alguém ouve a palavra, mas não a põe em prática, é semelhante ao homem que olha em um espelho o seu rosto. Porque ele se olha, vai embora e logo esquece sua aparência. Mas aquele que observa atentamente segundo a lei perfeita, que traz a liberdade, e persevera nela, não sendo ouvinte esquecido, mas praticante da obra, este será bem-aventurado no que faz” - Tiago 1:22-25

Ouvir é, com frequência, meramente um exercício crítico, e a pergunta depois de um sermão não é “como se adapta essa verdade ao seu caso?” Mas “o que você acha dele?”, Como se isso tivesse algo relacionado a verdade. Quando você escuta uma música, acaso pergunta “o que você achou da trombeta?” Não, sua mente pensa na música, não no instrumento; não obstante, as pessoas consideram sempre o ministro  antes da sua mensagem.
Gostam de dizer que escutaram a pregação de alguém que ficou famoso, mas não lhes ocorre pôr em prática o que escutam. Escutaram um sermão sobre o arrependimento, mas não se arrependeram. Escutaram o clamor do Evangelho dizendo: “Creia!”, mas não creram. Eles sabem que aquele que crê é purificado de seus antigos pecados, mas eles não têm experimentado nenhuma purificação, seguem sendo como eram.
Ouvir falar de um banquete não os saciará; ouvir falar de um córrego não acabará com sua sede. A informação de que há ouro no Banco não os enriquecerá, para isso precisam de dinheiro de verdade no seu bolso.
Saber que há refúgio para a tormenta não salvará o barco da tempestade. A informação de que há uma cura para uma doença, não curará o doente. Não, temos que perseguir o que está à nossa disposição, devemos nos apropriar das bênçãos e fazer uso delas, se é que têm algum valor para nós.
Esses ouvintes são descritos como aqueles que estão enganando-se a si mesmos.
Pensam que por serem ouvintes são consideravelmente melhores; que isso é algo a ser muito elogiado e que, seguramente, receberão uma bênção.
Sem dúvida, vocês enganam a vós mesmos com a ideia de que simplesmente ouvir acerca de Jesus e de sua grandiosa Salvação os têm feito homens melhores.
Arrependimento? A maioria das pessoas deve se arrepender, mas você não vê nenhuma razão para que deva se arrepender.
A palavra de Deus é “viva e eficaz... e penetra partindo desde a alma e o espírito, as articulações e a medula”. Ela abre o homem e o conduz a ver-se a si mesmo.
Muito do que se ouve não vem acompanhado da reflexão, de maneira que é ineficaz.
Obtemos mais da meditação que da audição. Devemos ruminar igual ao gado, se quisermos obter nutrição do alimento espiritual; mas poucos fazem isto.
Você pode até esquecer as palavras em que a verdade foi abrigada, se quiser, mas deixe que ela purifique sua vida.
Mas aquele que observa atentamente segundo a lei perfeita, que traz a liberdade, e persevera nela, não sendo ouvinte esquecido, mas praticante da obra, este será bem-aventurado no que faz.”
Assim acontece com o ouvinte que obtém a bênção. Ele ouve o Evangelho e diz: “Vou olhar para isso. Há algo aqui que merece a atenção.” O explora como o fazem os homens que estão buscando diamantes ou ouro. “Vou ver o interior disto”, diz.
Tal indivíduo escuta com muita atenção e aplicação, abrindo sua alma às influências da verdade e desejando sentir seu santo poder para pôr em prática seus divinos mandamentos. Assim deve ser um ouvinte, um ouvinte atento cujos sentidos estão despertos para receber e reter tudo o que possa ser aprendido.
O ouvinte que obtém uma benção, primeiro põe toda a atenção do seu coração, e posteriormente mantém seu coração saturado com a verdade, graças a um devotado e diligente estudo investigativo dela, e assim, mediante o ensino do Espírito, descobre qual é o plano de Deus para sua alma.
Não há liberdade como a liberdade da santidade, a liberdade de aproximar-se de Deus.
Quem escuta o Evangelho retamente, logo descobre que há algo nele que removerá cada grilhão de sua alma. Olha, e olha, e ao fim ama essa perfeita lei de liberdade que libera a sua alma para correr no caminho dos mandamentos de Deus.
Se sua alma é conduzida a sentir que irá buscá-Lo em todo o céu e em toda a Terra, se for necessário, mas que encontrará o Salvador, esse Salvador logo aparecerá diante de você. O ouvinte que ganha a salvação “olha atentamente para a perfeita lei, a da liberdade”, e persevera nela.
Por último, se acrescenta que este homem não é um ouvinte esquecido, mas um praticante da palavra, e que será bem-aventurado no que faz. A palavra indica que ele ore? Ele ora da melhor maneira que pode. Ordena que ele se arrependa? Então ele pede a Deus que o capacite para arrepender-se. Ordena-se que ele creia? Ele diz: “Senhor, creio; ajuda minha incredulidade”. Ele põe em prática tudo o que ouve.
O feliz resultado nos chegará no ato de obediência.
O Evangelho diz: “Crê no Senhor Jesus Cristo”, o que em outras palavras significa, “Confia Nele”. Arrependa-se; confesse seu pecado, abandone-o e olhe para Cristo a fim de ficar limpo. Esse é o caminho da salvação, “aquele que crer e for batizado, será salvo”. Você sabe tudo acerca do caminho da vida. Estou lhe contando uma história que você já ouviu um milhão de vezes, mas a pergunta é: quando você irá praticá-lo? “Em breve, amigo”, você diz. Mas a quanto tempo você tem dito isso? Um dia você disse: “em breve”, e agora diz de novo: “em breve”. Creio que dirá “em breve” até que esta palavra se encontre com a pesada sentença, “tarde demais, tarde demais; não pode entrar agora”. Tome cuidado para que este não seja o seu caso antes que este dia tenha acabado. Alguns homens morrem de repente. Uma irmã veio a mim esta manhã e me disse: “meu pai está morto: estava bem de manhã, voltou pra casa da oficina, parecia um pouco doente e morreu de repente”. Vendo que a vida é tão precária, não seria melhor que buscasse imediatamente o Senhor enquanto pode ser encontrado, e que o invoque enquanto está perto?
É hora de viver realmente o que tem ouvido de Deus. Não existe tempo para retardar o que precisa ser feito. Se entregue a Deus por completo, ouça e pratique o que o Senhor tem ensinado! Ele quer abençoa-lo!
Pense nisso!
Deus abençoe sua vida!