quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Falando sobre o amor...

Falar de amor é muito mais fácil do que praticá-lo. Amar é uma dádiva que recebemos, e quando exercitada faz resplandecer o melhor de nós sendo ofertado a nosso semelhante. O amor não é algo que dependa de reciprocidade. O amor é doação, abnegação...O amor é renúncia, é compaixão e principalmente perdão.
O amor é a força que persevera, é o que tudo suporta e tudo espera. O amor não trata com leviandade, é uma viva expressão da verdade. O amor é benigno, sofredor...O amor sempre permance ainda que ferido pela dor. Nunca se ensoberbece o puro amor! Ele não busca seus próprios interesses, não se porta com indecência pois tem na bondade sua essência. O amor não supeita mal, não se irrita e nem folga com a injustiça. O amor não é invejoso e nunca falha...O amor nunca falha...
O amado escritor Jonathan Edwards, em uma de suas obras fala sobre o amor como "O Dom Maior".  Algumas  de suas considerações:
Uma característica do amor, pela qual sua excelência é demonstrada, é, que ele é incessante e eterno — "O amor jamais acaba".
A durabilidade do amor, aparece na sua resistência ao choque de toda a oposição feita contra ele no mundo, ele (o amor) tudo suporta. O amor não somente dura até o fim do "tempo", mas também por toda a eternidade — "o amor jamais acaba".
Quando todas as coisas temporais tiverem cessado, ele ainda permanecerá, e permanecerá para sempre.
A maior expressão de amor  que podemos entender e sentir é o sacrifício feito por Jesus Cristo na cruz do Calvário e a percepção de um Deus Todo Poderoso entregando o seu melhor.
"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna." (João 3:16)
Através do seu ato de amor, Deus nos proporcionou incontáveis benefícios.
Passamos a ser a  própria habitação do Deus Eterno.
O Espírito de Cristo é eternamente dado à sua igreja e povo, para influenciar e habitar neles. Isso como prova de amor.
Quando comunicamos o GRANDE amor de Deus a nosso semelhante, o fazemos por meio do Espírito Santo, porque somos tomados pelo amor. 
O Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê, nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós" (João 14:16,17).
Toda fé e esperança salvadora tem o amor em si como ingrediente, e como sua essência; e se este ingrediente for tirado, nada há que é deixado senão o corpo sem o espírito.
O amor, o divino amor, é aquele fruto que o Espírito, ao comunicar, nutrir e exercitar, manifesta as suas eternas e incessantes influências.
O princípio e o exercício do divino amor no coração, os frutos dele na conduta, a felicidade em que ele consiste e que jorra dele fazem com que sejamos mais benevolentes e compreensivos.
O amor cristão é a soma de toda santidade, e seu crescimento é o crescimento do reino de Cristo na alma.
Devemos amar o Senhor Jesus Cristo em sinceridade, e amar uns aos outros como Cristo nos amou. Desta forma, possuiremos o mais rico de todos os tesouros. Tendo em nós aquele amor que é imortal em sua natureza, nós teremos a mais segura evidência que nossa imortalidade será abençoada e que nossa esperança de vida eterna é aquela boa esperança que nunca nos desapontará. O amor nutrido na alma aqui na terra será para nós o antegozo de, e uma preparação para, aquele mundo que é um mundo de amor, e onde o Espírito de amor reina e abençoa sempre.

Deus te abençoe!

Nenhum comentário:

Postar um comentário