segunda-feira, 29 de março de 2010

Uma importante decisão!

O ciclo humano tem início a partir do momento de sua concepção e estende-se ao longo de sua vida. Deus nos formou dotados de inteligência, sentimentos e poder de decisão. Durante todas as fases da vida somos instigados a tomar decisões. Decidimos sobre várias coisas, dentre elas: gostos, opiniões, relacionamentos. A medida em que ocorre nosso crescimento, passamos a ter sonhos, começamos a traçar planos e objetivos. Então chega a hora... hora essa em que optamos por constituir uma família. Serão dois que se juntarão para formar uma só carne, e não serem mais dois e sim um. Não é uma decisão fácil para quem compreende a seriedade desse ato. Hoje o que vemos é uma sucessão de separações, lares despedaçados, corações feridos e famílias destruídas.
Então nos questionamos, como devemos agir para que não aconteça o mesmo conosco? Eu acredito que quando as pessoas tomam essa decisão, não a tomam para desfazer depois. Mas por que então existem tantas separações? Estive lendo um livro escrito pelo Pr Silas Malafaia que me ajudou a entender alguns dos motivos que levam um casamento ao fracasso. Tentei sintetizar o texto, embora o assunto seja de grande relevância. Seguem abaixo algumas de suas considerações:

Tópicos extraídos do livro “12 Principais motivos que levam o casamento ao fracasso” escrito pelo Pr “Silas Malafaia”.

“A família é a matriz social, a mais importante agência socializadora, que transfere para os filhos a herança biológica, psicológica, cultural e espiritual dos pais. A família é um projeto de Deus e alvo de seu amor. É nela que o ser humano aprende a amar e a relacionar-se consigo mesmo e com o outro. O início de uma nova família dá-se através do casamento.” Com base nessa realidade, é importante para o casal edificar um relacionamento profundo, harmônico, saudável e verdadeiro, com base na sólida e imutável palavra de Deus.
Existem vários motivos que levam um casamento ao fracasso mas dentre eles, destacamos 12, por considera-los mais graves e freqüentes, causando desgastes irreparáveis ao relacionamento conjugal e familiar.
*FALTA DE AMORPodemos definir o casamento como a união voluntária e estável de um homem com uma mulher, nas condições sancionadas pelo direito, de modo que se estabeleça uma família legítima; o vínculo conjugal entre um homem e uma mulher, para o qual se pressupõe haver uma convivência harmoniosa, respeito, diálogo, objetivos comuns entre as partes aliançadas. Biblicamente, o casamento é a união entre um homem e uma mulher maduros, que deixaram emocional e geograficamente os pais, para serem uma só carne e formar uma nova família, conforme a determinação de Deus em (Gênesis 2:24), ratificada por JESUS em (Mateus 19:5).
O amor é a essência de Deus e a base de todos os relacionamentos saudáveis, profundos e verdadeiros. Quando falamos de amor, não estamos referindo-nos meramente a um sentimento de bem-estar e bem-querer ao outro em relação ao qual temos empatia e simpatia, e sim algo profundo, enraizado em Deus e eterno como ELE. Estamos referindo-nos ao amor Ágape, descrito em (1 Corintios 13:4-7); um amor que nos faz ser benignos, misericordiosos, verdadeiros, e NÃO invejosos, murmuradores, facciosos, injustos; um amor que nos permite tratar o outro com carinho, consideração, respeito, longanimidade, e NÃO com leviandade, soberba, indecência, egoísmo, irritação; um amor que tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. É precisamente esse amor Divino, somado ao amor Eros , o amor conjugal, que mantém um casamento saudável, harmônico e feliz. Só o amor Ágape , nos faz ser altruístas, tolerantes e abnegados; buscar não o nosso interesse, mas o interesse e o bem-estar do outro; ter paz, equilíbrio e vencer as crises.
Se você deseja um casamento sólido, duradouro e feliz, cultive e demonstre o amor não apenas com palavras, mas com atitudes que atestem a veracidade do seu sentimento e compromisso com Deus e com quem você fez aliança, prometendo amar incondicionalmente.* FALTA DE COMPATIBILIDADE
Compatibilidade é a capacidade de pessoas ou grupos de pessoas de unir-se e funcionar em conjunto, promovendo o bem e o crescimento mútuo. Ser compatível com alguém é ter objetivos comuns e cooperar com esse outro em prol desses objetivos, para o bem comum.
“Daí a exortação de Paulo a que não nos prendamos a um jugo desigual em (2 Corintios 6:14-16). Deus nos aconselha a não aceitar um jugo desigual porque o peso do injusto recairá sobre o justo; ambos se estranharão e não conseguirão chegar a um lugar comum. “Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” (Amós 3:3)
Em outras palavras, biblicamente falta de compatibilidade é o conflito de interesses e propósitos, e não meras diferenças de personalidade e de opinião.
A palavra chave para definir incompatibilidade de gênios é o Egoísmo. O problema é que muitas pessoas casam para ser felizes, e não porque são felizes e querem fazer feliz a quem amam; assim, a maioria acaba decepcionada. “O amor não busca seus próprios interesses” (1 Corintios 13:5).
Quando há amor genuíno, os cônjuges prezam um ao outro, naturalmente cedem em favor do outro, toleram e superam suas diferenças, perdoam as faltas e seguem em frente, porque entendem que melhor é serem dois do que um, porque tem melhor paga do seu trabalho. Porque, se um cair, o outro levanta o seu companheiro [...] ;se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará? E, se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão... (Eclesiastes 4:9-12).
Eles caminham juntos, amadurecem emocionalmente e crescem em todas as áreas; afinal, não se acham superior ao outro; antes, sabem que são diferentes um do outro, e usam essa diferença a seu favor. Isto quando o homem e a mulher são emocionalmente maduros para compreender que não se casaram com um espelho, que refletirá a imagem narcísica deles, nem com a sua mãe ou seu pai, que continuará a adivinhar e a fazer todas as suas vontades. Ambos os cônjuges precisam conhecer os pontos fortes e os fracos um do outro, ser pacientes, humildes, generosos e estar dispostos a ceder, a fim de preservar o bom relacionamento. Até porque, quando apenas um cede, há desequilíbrio emocional, que posteriormente pode levar a união à ruína.
*FALTA DE COMUNICAÇÃOA falta de diálogo, de comunicação entre os cônjuges, devido ao excesso de trabalho, as divergências em casa ou simplesmente porque os cônjuges não criaram o hábito de dialogar, compartilhando seus sentimentos, sonhos, sua vontades e predileções um com o outro é um sério problema. Assim muitos mal-entendidos vão acontecendo, a distancia entre os dois vai aumentando e o amor vai esfriando, podendo por fim ao casamento.
Quem se comunica tem o poder de transformar, influenciar, convencer, comover, sensibilizar, esclarecer e marcar sua presença no mundo. Mas como alguém conseguirá sensibilizar, comover e convencer seu cônjuge, se não dialogar com ele?
Abra o coração para ouvir o outro e aprenda a compartilhar o que pensa, sente e deseja com ele, com sinceridade e na hora certa, pois como nos ensina a Palavra de Deus, “como maças de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita a seu tempo” (Provérbios 25:11)
Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com seus feitos. (Colossenses 3:9)
Quando um relacionamento encontra mentiras e/ou omissão sobre coisas essenciais, ele é minado com a desconfiança. A mentira fere, desnuda e afasta.
A verdade é um dos atributos de Deus e uma das bases que sustenta o seu Reino; é também uma arma espiritual importantíssima a ser usada com sabedoria pelo cristão.
* VIOLENCIA VERBAL E FISICAHá casais que além de não dialogarem; só se falam para provocar e agredir um ao outro com palavras hostis e depreciativas que, por vezes, descambam em agressão física também.
E depois de ultrapassado esse limite, dificilmente um cônjuge terá respeito pelo outro e confiança para abrir seu coração. As nossas palavras podem destruir ou construir um relacionamento. Nos momentos de nervosismo, os cônjuges devem lembrar-se que a resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira. (Provérbios 15:1)
Marido e mulher devem ter grande cuidado com o que falam durante uma discussão, pois uma única palavra pronunciada de forma errada pode magoar o coração de quem tanto amam, criar uma barreira e afasta-lo para sempre. Palavras impensadas causam traumas. Se há mágoa ou algum mal-entendido, não durma sem conversar com seu cônjuge a respeito. Não espere muito tempo para resolver problemas conjugais, pois pode ser tarde demais.
*FALTA DE INTIMIDADEA expressão uma só carne faz referencia a união sexual, a geração de filhos, a intimidade espiritual e emocional, a demonstração de respeito mútuo. Além disso, na união conjugal, o caráter de deus é manifestado pela submissão mútua dos cônjuges em amor.
1- O marido deve ser benevolente com a mulherOs dois devem se satisfazer sexualmente.
2 - Os cônjuges não podem vedar seu corpo um ao outroO corpo da mulher pertence ao marido, e o corpo do marido pertence a mulher. (1 Corintios 7:4)
3 - A sexualidade não deve ser suprimida na vida do casalNão vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes a oração; e depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência. (1 Corintios 7:5) Abstinência pode ser feita, mas não por muito tempo e nunca sem o consentimento dos dois.
4 - Ninguém pode ditar regras na intimidade do casal além dele próprio.
Somente os cônjuges podem decidir o que pode ser feito na intimidade do casal.
A bíblia nos diz que o leito deve ser sem mácula, ou seja, um leito onde haja fidelidade e a única condição imposta por Deus para a relação sexual é o compromisso do casamento heterossexual e monogâmico.
5 - A mulher tem preferência na relação íntima.
Em (1 Pedro 3:7), o apóstolo diz que a mulher tem preferência na relação intima, recebendo honra como vaso mais fraco. Esse princípio é enfatizado para que o homem não use de violência e diga a esposa: “Eu quero fazer isso com você; se não concordar, vou fazer a força, porque seu corpo me pertence”. Por isso Deus sabiamente estabeleceu um limite, dando preferência a mulher, e não ao homem, durante a relação sexual.* A INFIDELIDADE
O adultério é tão abominável aos olhos de Deus que, em toda a bíblia, há severos juízos para quem cometo este ato pecaminoso. No Antigo Testamento, o adúltero era punido com a morte (Levítico 20:10; Deuteronômio 22:22). No Novo, Jesus oferece perdão aos adúlteros arrependidos, advertindo-os a não cometerem mais tal pecado. (João 8:3-11)
Se você ainda não casou, ore, consagre sua vida, busque a vontade do Senhor. Não se precipite em tomar decisões carnais, deixando-se influenciar apenas pela beleza física, pelos talentos ou pela riqueza de alguém na hora de escolher seu cônjuge, para depois não se arrepender e tentar desfazer a união por falta de amor ou de compatibilidade. Se você é casado e está passando por problemas com seu cônjuge, não desista de lutar por seu matrimônio nem ceda as tentações que o cercam.
*INVERSÃO DE PAPÉISDe um modo geral, podemos afirmar que o homem é mais lógico e racional do que a mulher.
O papel social designado por Deus para o homem em (Gênesis 2:15), é o de proteger, prover e liderar. O Senhor o capacitou para lavrar, cuidar e proteger o jardim do Éden. Todas as regras foram dadas a ele por Deus. Por isso, após a queda, o Senhor não cobrou essa responsabilidade da mulher. Quando Adão e Eva desobedeceram a ordem de Deus, Deus dirigiu primeiro a palavra ao homem (Gênesis 3:9), pois pesava sobre este a responsabilidade de desempenhar bem seu papel como líder, protetor e provedor do jardim.
Assim até hoje quando o homem não cumpre suas atribuições, transferindo para a esposa a responsabilidade dele como líder e provedor, enfrenta problemas em casa.
Biblicamente falando, compete a mulher ser adjuntora, ou seja, auxiliar na proteção, na provisão e na liderança do lar. A mulher foi criada com intuição e sensibilidade mais aguçadas que as do homem, para equilibrar os relacionamentos familiares, agindo como uma sábia mediadora, trazendo equilíbrio e harmonia ao lar. Por isso em (Provérbios 14:1) é dito que toda mulher sábia edifica a sua casa. A mulher edifica a casa, mas compete ao homem fornecer o material para sua edificação. O esposo coopera com ela.
A lei da reciprocidade é impressionante e precisa ser observada no casamento. O homem não deve aproveitar-se de sua função de provedor, protetor e cabeça da família para “pisar” a mulher. Em vez disso, precisa reconhecer a sensibilidade feminina e conquistar sua esposa com amor. A mulher vai refletir e dar aquilo que recebe. Se ela receber carinho, se for elogiada, valorizada, devolverá da mesma forma ao marido.
*INDEPENDENCIA TOTAL DOS CONJUGES
A partir do momento que se opta pelo casamento não existe mais “meu” ou “seu”, existe o “nosso”. Quem não quer dar satisfações de onde vai, com quem vai, ou a que horas retorna ao seu cônjuge deveria ter permanecido solteiro, pois a vida a dois exige satisfações e decisões em comum acordo com o cônjuge. Se não houver isso, entra a desconfiança, minando o relacionamento e contribuindo para o fracasso do casamento.
*A MÁ ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
O descontrole das finanças é outro problema que tem levado muitos casamentos a crise e a dissolução, pois sempre querem saber de quem é a culpa. É algo que o casal deve tomar cuidado. Deus criou a mulher com estrutura emocional diferente da do homem, para que ela se sinta protegida e segura ao lado dele.
* O DESRESPEITO E AS INTERFERÊNCIAS EXTERNAS
O desrespeito ocorre quando os cônjuges não acatam os direitos de cada um ou não consideram e criticam a opinião um do outro. E as interferências externas, normalmente, acontecem quando um pai, mãe, familiar ou um amigo dos cônjuges quer intrometer-se em assuntos que dizem respeito apenas ao casal. O desrespeito dentro de casa começa quando um diz: “não quero” e outro insiste: “mas eu quero e vai ser assim”. Se o cônjuge não gosta de um tipo de alimento, filme, passeio, não queira impor-lhe isso, pois o direito e a opinião dele precisam ser considerados e respeitados, afim de que os seus também sejam e a união conjugal não seja prejudicada. Se tentar impor seus gostos e pontos de vista, estará demonstrando desrespeito pela opinião do outro e comprometendo a sua harmonia conjugal.
*A PREFERÊNCIA POR UM DOS FILHOSQuando existe preferência por um dos filhos, normalmente um dos pais diz não para tudo que o filho faz, enquanto o outro diz sim. Os cônjuges começam a discutir, alegando que um está tirando a autoridade do outro. Em vez de discutir na frente dos filhos o casal deve procurar a melhor maneira de educa-los criando-os no temor do Senhor e evitando problemas. Existem pais que tratam os filhos de forma tão diferenciada, que nem se importam em deixar transparecer isso, ignorando que os filhos sofrem muito quando percebem que o pai prefere um filho, a mãe outro, passando a nutrir sentimentos de menos valia, ódio, rancor, vingança, que podem desembocar em dissimulação, mentiras, incapacidade de expressar amor, predisposição ao isolamento, fuga da realidade, amizades com pessoas perigosas, uso de álcool e drogas. Isso acontece porque os filhos passam a abrigar sentimentos e rejeição e injustiça, que deixarão marcas terríveis em sua personalidade ainda em formação.
*NÃO PRIORIZAR DEUS E AS COISAS ESPIRITUAISOutro fator que tem levado muitos casamentos ao fracasso é o casal não priorizar Deus e as coisas espirituais, permitindo que o mundo dite os padrões e valores que regem sua vida conjugal e familiar. No (Salmo 127:1) diz: “Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que edificam”. Se Deus sair de nossa rotina, não conseguiremos superar os inúmeros desafios da vida e do casamento. Só Deus pode edificar nossa casa. Para que ela seja um pedacinho do céu e um lugar de felicidade, benção e harmonia, temos de dar ao Senhor o primeiro lugar em nosso coração.
Não faça do divórcio um atalho para tentar fugir dos problemas. O divórcio é uma ruptura violenta e dolorosa entre duas pessoas que viviam como uma só carne; ruptura que traz um trauma terrível aos separados e aos filhos. Faça de Deus a prioridade em sua vida, em seus relacionamentos, em seu lar.
Que o Senhor abençoe sua casa e seu casamento! Que este motive outros a casarem-se e sirva de referencial para muitos! Que seu lar seja um pedacinho do céu! Que seus filhos sejam saudáveis, obedientes e felizes, e a sua geração seja poderosa nesta terra, em nome de Jesus!

Nenhum comentário:

Postar um comentário