quarta-feira, 29 de julho de 2015

A fé transforma

Existe uma questão que por vezes é levantada e tem sido argumento dos que não creem para atacar a fé.  A pessoa que crê em Jesus é imediatamente salva?  SIM, isso aconteceu com o ladrão crucificado ao lado de Jesus (Lucas 23:43). Porém gostaria de ressaltar algo, a fé é concedida por Deus e se veio DELE, obrigatoriamente deve ser verdadeira, sendo então verdadeira, produzirá  transformação. O ladrão acima citado mudou sua atitude quando reconheceu que ele era pecador, e JESUS inocente.
Quando alguém aceita a Salvação por meio do sacrifício de Cristo, e por meio da fé toma posse da graça de Deus, esse alguém não permanece da maneira como está.
Nasce no seu coração um desejo de mudança, pois seus olhos são abertos para que veja quanto mal o pecado tem causado a si mesmo e como ele entristece a Deus.
Quando você entende que foram seus pecados que pregaram JESUS na cruz e o expuseram de uma maneira tão dolorosa, vergonha e arrependimento tomam conta da alma.
Isso não vem de você mesmo, mas o Espírito Santo de Deus é quem convence do pecado, da justiça e do juízo. (João 16:8)
Ele age em sua consciência e faz você enxergar o que antes estava encoberto pelo pecado.
Algumas pessoas tem dificuldade em entender a salvação por meio da fé. Para elas, isso fere a moral, pois como poderia um homem que viveu sua vida de modo pecaminoso, ser salvo por meio da fé?
Gostaria de lembrar que a verdadeira fé traz consigo transformação. Você não será o mesmo quando a verdadeira  entrar em seu coração.
Estive lendo um sermão de Charles Haddon Spurgeon e separei alguns trechos que irão ajuda-lo a entender que a fé transforma.

Uma Defesa da Doutrina da Justificação pela Fé
Sermão Pregado por C. H. Spurgeon, no Tabernáculo Metropolitano, Newington

Fomos informados que a doutrina da “salvação imediata”, mediante a fé em Jesus Cristo, é muito perigosa. Dizem que certamente isso levará à degradação da moralidade pública, pois os homens não buscarão nem investirão nas virtudes práticas quando “somente a fé” é levantada a uma tão elevada posição. Dizem que se for assim, isso seria um erro grave e ai de quem levar os homens a esse erro!

Mas gostaria de informar que estamos todos prontos para definir o nosso “selo”, que é declarar da maneira mais clara possível que os homens são salvos pela fé em Jesus Cristo e salvos no momento em que crêem! Nós todos confessamos e ensinamos que esse é um tipo de conversão – e que quando os homens são convertidos tornam-se em “outros homens”, diferentes do que eram antes – e começa uma nova vida que culminará na glória eterna.
Algumas pessoas dizem: “Você diz à essas pessoas que elas serão salvas após elas acreditarem em Cristo.” Exatamente isso. “Mas, por favor, me diga o que você quer dizer por ser salvo, senhor?” Eu direi, com grande prazer. Não queremos dizer que essas pessoas vão para o céu quando morrerem, independentemente do seu caráter.  É necessário que haja transformação, portanto eles serão salvos de viver como viviam – de serem o que são agora – salvos da libertinagem, da desonestidade, da embriaguez, do egoísmo e qualquer outro pecado que eles possam ter vivido. A coisa pode ser facilmente posta à prova! Se puder ser mostrado que aqueles que creram no Senhor Jesus foram salvos de viver em pecado, nenhum homem racional deveria levantar qualquer objeção à pregação de tal Salvação!

Salvação do pecado é uma coisa que todo moralista deveria recomendar e não censurar – e essa é a salvação que nós pregamos. Receio que alguns imaginam que eles só têm que acreditar em uma coisa ou outra, e irão para o céu quando morrer. E que precisam apenas sentir uma certa emoção singular e está tudo certo com eles. Agora, se algum de vocês tem caído nesse erro, que Deus, em Sua misericórdia, tire-o daí, pois não é todo tipo de fé que salva, mas somente a fé dos eleitos de Deus. Não é qualquer tipo de emoção que muda o coração, mas a obra do Espírito Santo.
Se você verdadeiramente acreditou em Jesus Cristo, vai se tornar, a partir daquele momento, um homem diferente do que era. Haverá uma mudança em seu coração e alma, na sua conduta e na sua conversa. E, vendo que você mudou dessa maneira, aqueles que foram honestos opositores deixarão rapidamente as suas acusações, pois eles estarão na condição de quem viu o homem que foi curado com Pedro e João e, portanto, não podia dizer nada contra eles.
O mundo exige fatos e é isso que estamos fornecendo! É inútil gritar nosso remédio com palavras – devemos apontar para a cura. Sua mudança de vida será o argumento mais grandioso do Evangelho, se essa vida é para mostrar o significado do meu texto – “E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências.”

Observe, em primeiro lugar, que O RECEBER JESUS CRISTO PELA FÉ É, EM SÍ, É UMA CONFISSÃO DE QUE TEMOS CRUCIFICADO A CARNE COM SUAS PAIXÕES E CONCUPISCÊNCIAS. Se a fé é como uma confissão, porque dizer que não está relacionado com uma vida santa? Deixe-me mostrar que esse é o caso. Fé é a aceitação de Jesus Cristo. Em que aspecto? Bem, principalmente como um Substituto. Ele é o Filho de Deus e eu sou um culpado pecador. Eu mereço morrer – o Filho de Deus fica no meu lugar e sofre por mim. E quando eu creio NELE eu O aceito permanentemente.

Crer em Jesus era de uma forma muito bonita estabelecida na velha cerimônia da Lei, quando a pessoa trazia um sacrifício, colocava as mãos sobre a cabeça do novilho ou cordeiro e assim aceitava que a vítima ficasse em seu lugar, de modo que o sofrimento da vítima deveria ser seus sofrimentos. Agora, nossa fé aceita a Jesus Cristo como permanente em nosso lugar. O núcleo e coluna da confiança da fé reside no seguinte:
“Ele carregou, o que eu nunca poderia suportar.

Cristo para mim, Cristo em meu lugar. Agora, tente captar o seguinte pensamento. Quando você crê, você aceita Cristo estando em seu lugar e professa que o que Ele fez, Ele fez por você – E o que Cristo fez em cima daquele madeiro? Ele foi crucificado e morto. Acompanhe o pensamento e perceba bem que pela fé você se considera como morto com Ele – crucificado com Ele.

Você está agora nEle – crucificado com Ele, morto com Ele, sepultado com Ele, ressuscitado com Ele e glorificado com Ele – porque Ele representa você e sua fé aceitou a representação.
A conversão começa com o concordar em ser considerado morto com Cristo para o pecado – não temos nós, aqui, a pedra fundamental da santidade?
Observe, também, que se seguir os mandamentos de Cristo, o primeiro passo que um cristão tem a dar depois que aceitou a posição tomada pelo Senhor Jesus, é outra confissão mais pública do que o primeira, ou seja, o seu batismo. Pela fé, ele aceitou a Cristo como morto em seu lugar, e refere a si mesmo como estando morto com Cristo. Agora, cada homem morto deve ser enterrado, mais cedo ou mais tarde. E assim, quando vamos para a frente e confessamos a Cristo, somos “sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.” (Romanos 6:4)

E a essência do batismo é ser enterrado com Cristo, porque eu estou morto com Ele.
Aquele que realmente acredita e sabe o que é ser sepultado com Cristo, começou – na verdade, ele já tem, em certo sentido, efetuado completamente – o que o texto descreve como a crucificação da carne com as suas paixões e concupiscências. Porque, caros amigos, nunca devemos nos esquecer  que o grande objetivo pelo o qual nos lançamos a Cristo é a morte do pecado!
Ele vem para dar o perdão, mas nunca o dará, sem dar arrependimento junto!

Ele vem para justificar, mas não justifica sem também santificar. Ele veio para nos libertar, não somente de ti, oh morte! Nem somente de ti, oh inferno! Mas de você, oh Pecado, a mãe da Morte, o progenitor do inferno!
Quando eu acreditei que Jesus era o Cristo [O Salvador] e descansei minha alma nEle,  senti em meu coração, a partir desse momento, um intenso ódio ao pecado.
Eu o tinha amado antes, alguns pecados particularmente, mas esses tornaram-se, a partir daquele momento, os mais detestáveis para mim e, embora a propensão para eles ainda esteja lá, o amor para eles não existia mais.
E quando eu, em qualquer momento pecava, sentia uma dor interior e horror em mim mesmo por fazer as coisas que antes eu concordava e gostava. Meu prazer para com o pecado tinha desaparecido.
Antes de aceitar a Cristo, não percebia o pecado pois ele estava escondido em meio à escuridão da minha alma. Eu era ignorante e não sabia o que era pecado, pois era noite como em qualquer alma, mas, sendo encorajado a destruir o mal, meu espírito arrependido pegou emprestado lanternas e tochas, e saiu como se estivesse perseguindo um ladrão.
E eu busquei a Deus para me ajudar, dizendo: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece os meus pensamentos” [Salmos 139.23]. Não cessei até encontrar  as minhas transgressões secretas. Essa busca interior é uma das minhas ocupações mais constantes. Desperte para um exame rigoroso da sua natureza e não mais tolere que seu coração seja esconderijo para o mal!

Olhei para o meu pecado diante de Deus e abominava-me no pó e nas cinzas (Jó 42.6). Meu pecado era vermelho como o carmesim diante dEle e diante de mim também. Julguei-o e o condenei  como a um criminoso para morrer.
E nada podia abalar meu coração desse propósito, que eu deveria matar todos os assassinos de Cristo.
Oh pecado, quão vergonhoso uma coisa pode ser por sua causa! Eu vi que tudo é baseado, intermediado, e desprezívelmente concentrado em você! Meu coração machucou o pecado através do arrependimento, feriu-o com censuras e o golpeou negando a mim mesmo.
“Oh, como eu odeio os meus desejos que crucificaram o meu Deus!
Aqueles pecados que perfuraram e pregaram sua carne rapidamente, no madeiro mortal! Sim, meu Redentor, eles devem morrer!
Meu coração assim decretou: Não vou poupar os culpados pelos quais meu Salvador sangrou”.

Ele expôs meu pecado diante de meus olhos, até mesmo o secreto ficou diante da luz da Sua Face! Eu fiquei bem perto de entrar em desespero! Mas o meu espírito se ergueu, porque eu sabia que estava perdoado, e disse: “Jesus Cristo me perdoou, porque eu acreditei nEle. E eu vou levar minha carne à morte crucificando-a na Sua Cruz“.
Portanto cada homem que crê em Jesus imediatamente se esforça para  livrar-se do pecado. E você pode se certificar que acreditou em Jesus Cristo ou não, vendo se há uma mudança em suas motivações, sentimentos, vida e conduta.
O fenômeno da conversão é único, mas o efeito da conversão é mais singular ainda! E não é uma coisa escondida – pode ser visto a cada dia. Se for simplesmente uma emoção na qual o homem sentiu uma aflição de espírito e, em seguida, pensou que estava em paz e ficou feliz porque se auto satisfez, eu não verei qualquer bem particular nele. Mas se é verdade que a regeneração altera os gostos e afetos dos homens, no final, as alterará radicalmente, transformando-as completamente em novas criaturas!
Podemos então ir um passo adiante e dizer que A RECEPÇÃO DE JESUS CRISTO NO CORAÇÃO PELA FÉ SIMPLES É CALCULADA PELA CRUCIFICAÇÃO DA CARNE. Quando um homem crê em Jesus, a primeira força que o ajuda a crucificar a carne é que ele tem visto a maldade do pecado, na medida em que viu Jesus, seu Senhor, morrer por causa disso.
O pecado cobriu o mundo com opressão e por isso tem esmagado o animo de muitos, e quebrado o coração de milhares! O pecado gerou a escravidão, a tirania, revolta, calúnia e perseguição! O pecado tem sido o fundamento de todos os sofrimentos humanos.
“Ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades, o  castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”.
(Isaías 53.5)
Contudo, Ele nos amou, ainda nos amou! As muitas águas não poderiam apagar Seu amor, nem as inundações poderiam afogá-lo. Quando eles O pregaram no madeiro, Ele ainda nos amou. Quando cada osso foi deslocado, Ele chorou em monólogo triste, “Como água me derramei, e todos os meus ossos se desconjuntaram; (Salmo 22.14)” Ele nos amou ainda! Quando os cães O cercaram e os touros de Basã O rodeavam (Salmo 22.12), ainda nos amou.

Até quando bebeu a última gota da bebida indizivelmente amarga, Ele nos amou! E quando a luz brilhou em Seu rosto e Ele pôde dizer: “Está consumado”, aquela luz brilhou sobre a face daquele que ainda assim nos amou! Agora, cada homem a quem foi concedido o crer em Jesus e conhecer o Seu amor, diz: “Como posso ofendê-LO? Como posso entristecê-LO? Há ações nesta vida que eu poderia fazer de outra maneira, mas agora não me atrevo, pois tenho medo de maltratar meu Senhor”.
Eu não posso me rebelar contra tamanha bondade. Seu amor ensanguentado me acorrenta. Como posso fazer tão grande maldade como colocar o meu sofrido Senhor na vergonha?”
Jesus olha para você e Ele pode, com um olhar, expulsar o egoísmo, a covardia, e tudo o que nos impede de nos oferecermos como um sacrifício a Ele!
Quando estamos mais uma vez cheios de amor a Ti, Oh Jesus, o pecado torna-se o dragão contra o qual temos uma guerra ao longo da vida! A santidade se torna a nossa mais nobre aspiração e a buscamos com todo nosso coração, alma e força!  
O ESPÍRITO SANTO ESTÁ COM O EVANGELHO E ONDE ELE ESTÁ, A SANTIDADE SERÁ PROMOVIDA.
Nunca há um sermão sobre o Evangelho pregado por um coração sincero sem que o Espírito Santo esteja lá, tomando as coisas de Cristo e as revelando aos homens.
Agora, se você for para o terceiro capítulo do Evangelho de João e também em suas epístolas, comprovará que a fé está sempre ligada com a regeneração, e o  novo nascimento, novo nascimento que é obra do Espírito de Deus. Esse mesmo capítulo de João nos diz: “Necessário é nascer de novo“, e continua a dizer: “E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do homem seja levantado; Para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” (João 3.14,15). Onde quer que haja fé em Jesus Cristo, um milagre de purificação foi feito no coração! O poder do Espírito Santo, mudou o curso de seus desejos e os fez amar as coisas que são santas, justas e verdadeiras.
Olhe para Jesus e as paixões que você não pode vencer serão entregues ao Seu poder de limpeza! Creia em Jesus e as loucuras que se agarram a você, e o esmagam , lhe deixarão livre!
Deus abençoe sua vida!

FONTE
Todo direito de tradução protegido por lei internacional de domínio público e com permissão
Sermão nº 1239—Volume 21 do The Metropolitan Tabernacle Pulpit,
Original em inglês: MESSRS. MOODY AND SANKEY DEFENDED—OR, A VINDICATION OF THE DOCTRINE OF JUSTIFICATION BY FAITH
Tradução: Francisco Rodrigues da Silva Neto
Revisão e diagramação: Armando Marcos


Nenhum comentário:

Postar um comentário