terça-feira, 18 de julho de 2017

A pedra removida

Se um dia me perguntarem o que é o amor, direi o teu nome JESUS!
A maior, mais pura e verdadeira expressão de amor veio de DEUS quando ofereceu JESUS CRISTO, SEU FILHO amado como cordeiro santo para tirar o pecado do mundo!  (João 1:29)
O PAI enviou SEU FILHO, e o FILHO obedeceu SEU PAI e SE OFERECEU em sacrifício VIVO.
Você tinha muitos motivos para temer: o pecado, a morte, a condenação... Mas o SALVADOR veio para lhe dar esperança e acalmar as aflições de sua alma.
Quais são seus temores? O que aflige seu coração?
A morte é algo que assombra a maioria das pessoas. Para onde eu irei? É o fim de tudo? O que aconteceu com as pessoas que eu amava e que foram levadas pela cruel morte?
São questionamentos que aterrorizam mentes e perturbam o espírito humano.
Porém DEUS, por meio de SUA VIVA expressão de amor, faz a você uma promessa: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (João 3:16)
No sermão A pedra removida,  pregado na manhã de Domingo de 28 de março de 1869, por Charles Haddon Spurgeon, no Tabernáculo Metropolitano, Newington em Londres, o ministro fala sobre a pedra do sepulcro de Jesus que foi removida pelo anjo e seu significado sobre a vida do cristão.
A minha oração é que traga edificação à sua vida! Seguem trechos:

A pedra removida – Charles H.Spurgeon

“E eis que houvera um grande terremoto, porque um anjo do Senhor, descendo do céu, chegou, removendo a pedra da porta, e sentou-se sobre ela.” (Mateus 28:2)

Enquanto as mulheres se dirigiam ao sepulcro na penumbra da manhã, desejosas de embalsamar o corpo de Jesus recordaram que havia uma imensa pedra colocada na entrada da tumba que lhes impediria de entrar, e se perguntavam entre elas: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro? (Marcos 16:3) Essa pergunta encerra em si a fúnebre interrogação do universo inteiro: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro?‖Existe uma imensa rocha colocada na trilha de felicidade do homem que bloqueia o caminho por completo. Quem, entre os valentes, tirará a barreira?
A pedra da dúvida, da incerteza e a incredulidade, detiveram todo o progresso na subida à imortalidade. Quem poderá alçar essa terrível mola e sacar a vida e a imortalidade à luz?
Os seres humanos – uma geração trás outra – enterraram a seus semelhantes; o sepulcro que a tudo devora tragou a suas miríades de mortos. Quem poderia dar uma esperança mais além da tumba?
Em escuridão e penumbra, com muitos temores e escassas conjecturas sobre a verdade, os homens seguiriam perguntando-se: ―Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro?
Os seres humanos tinham o confuso sentimento de que esse mundo não pode ser tudo, que tem que existir outra vida. Tinha que haver, em verdade, uma via de saída do sepulcro.
A pergunta estava sempre importunando o coração: Onde está o libertador predestinado? Onde está, e quem é o que nos removerá a pedra?
A morte mesma era uma pedra gigantesca que não podia ser removida por nenhuma força conhecida pelos mortais: a morte era evidentemente enviada por Deus como um castigo pelas ofensas contra Sua lei. Portanto, como poderia ser apartada, como poderia ser removida?
Tratava-se de uma agonizante pergunta: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro? Viverão esses ossos secos? Nos serão restaurados nossos seres queridos que partiram?
As mulheres que amavam o Salvador receberam a resposta. Chegaram ao sepulcro de Cristo, mas esse estava vazio, pois Jesus havia ressuscitado. Aqui está a resposta à pergunta do mundo: há outra vida; os corpos viverão outra vez, pois Jesus vive. Oh Raquel, tu que se lamentas e recusas ser consolada,  “Reprime a tua voz de choro, e as lágrimas de teus olhos; porque há galardão para o teu trabalho, diz o SENHOR, pois eles voltarão da terra do inimigo.” (Jeremias 31:16).

Não se afligem mais os que estão de luto em torno do sepulcro, como os que estão sem esperança; pois como Jesus Cristo ressuscitou, os mortos em Cristo ressuscitarão também. Enxuguem essas lágrimas, pois a tumba do crente já não é mais um lugar para lamentações, mas sim a passagem à imortalidade; não é mais que um armário em que o espírito pendurará suas roupas, cansado depois de sua viagem terrena, para vesti-las de novo em uma manhã mais resplandecente, quando serão brancas e formosas como nenhum lavador teria podido branquear.
A pedra rodada deve ser considerada, de maneira muito evidente, como a porta do sepulcro retirada. A morada da morte estava firmemente assegurada por uma gigantesca pedra; o anjo a retirou, e o Cristo vivente saiu. A imensa porta, vocês observarão, foi removida do sepulcro. Não foi meramente aberta, mas desencaixada, arrastada a um lado, removida, e a partir de então, a antiga prisão da morte ficou desprovida de uma porta. Os santos entram, mas não ficam presos. Ficam ali como em uma caverna aberta, porem não há nada que lhes impeça sair dela a seu devido tempo.
Nosso Senhor, tendo dormido no sepulcro três dias com suas noites, conforme o decreto divino ressuscitou na grandeza de Seu poder, e arrancou as portas de ferro do sepulcro, arrancando cada uma de suas vigas do seu lugar.
A remoção da pedra opressora sinalizava que o Senhor havia exposto essa velha fortaleza da morte e do inferno, deixando-a como uma cidade tomada por assalto e, a partir desse momento, desprovida de poder.
Lembrem que nosso Senhor foi depositado no sepulcro como um refém. “morreu por nossos pecados. Foram-lhe imputados como uma dívida. Ele saldou no madeiro a dívida que tínhamos pendente para com Deus; sofreu até o limite e de maneira substitutiva o que correspondia a nosso sofrimento, e logo foi confinado na tumba, como um refém, até que Sua obra fosse plenamente aceita. Essa aceitação seria notificada a Sua saída do vil cativeiro; e essa saída se converteria em nossa justificação: Foi ressuscitado para nossa justificação. Se Ele não tivesse pago a totalidade da dívida, teria que permanecer no sepulcro. Se Jesus não tivesse feito uma expiação eficaz, total e final, teria que continuar sendo um cativo. Porém, tinha feito tudo. O “Está consumado”, que brotou de Seus próprios lábios, foi estabelecido pelo veredito do SENHOR e Jesus saiu livre.
Observem-No quando ressuscita: não escapa da prisão como um criminoso que escapa da justiça; mas sai com tranquilidade como alguém que cumpriu sua sentença em prisão; ressuscitou, é verdade, por Seu próprio poder, mas não deixou a tumba sem uma permissão sagrada: o oficial celeste da corte do céu é delegado para abrir-lhe a porta, removendo a pedra, e Jesus Cristo, completamente justificado, ressuscita, para demonstrar que todo Seu povo é completamente justificado Nele, e a obra de salvação é perfeita para sempre.
A pedra é removida da porta do sepulcro para mostrar que Jesus fez tão eficazmente a obra, que nada pode nos reter no sepulcro outra vez. O sepulcro foi completamente aniquilado, e eliminado como cárcere, de tal forma que a morte, para os santos, já não é mais um castigo pelo pecado, mas sim uma entrada para o descanso.
Vamos, irmãos, nos alegremos por isso. Na tumba vazia de Cristo vemos que o pecado foi removido para sempre: vemos, portanto, que a morte foi destruída eficientemente. Nossos pecados eram a grande pedra que fechava a boca do sepulcro, e nos retinham cativos na morte, na escuridão e na desesperação. Nossos pecados são agora tirados para sempre, e a morte já não é mais um calabouço, a antessala do inferno, mas é agora uma perfumada alcova, um gabinete, o vestíbulo do céu. Pois, tão certamente como Jesus ressuscitou, Seu povo tem que abandonar os mortos; não existe nada que impeça a ressurreição dos santos. A pedra que podia nos reter em prisão foi removida. Quem poderia prender-nos quando a própria porta desapareceu? Quem poderia nos confinar quando toda a barricada foi suprimida?
Considerem a pedra como um troféu erigido. Como os homens antigos erigiam pedras memoriais, e como erigimos colunas nesses dias para comemorar grandes proezas, assim essa pedra foi removida, por assim dizer, diante dos olhos de nossa fé, e foi consagrada naquele dia como um memorial da vitória eterna de Cristo sobre os poderes da morte e do inferno.
Pensaram que lhe haviam vencido; consideraram que o Crucificado estava derrotado. Sorriam espantosamente, em verdade, quando viram Seu corpo inerte envolto em um lençol e depositado em um sepulcro novo de José; porém, sua alegria foi passageira; suas jactâncias foram breves, pois no momento designado, Aquele, que não devia ver a corrupção, ressuscitou e saiu do domínio da morte. Seu calcanhar foi ferido pela antiga serpente, porém na manhã da ressurreição, Ele esmagou a cabeça da serpente.
Amados irmãos em Cristo, ao olhar aquela pedra, com o anjo sentado sobre ela, se levanta diante de nós um monumento à vitória de Cristo sobre a morte e o inferno, e é conveniente que recordemos que Sua vitória foi obtida em nosso favor, e seus frutos são todos nossos. Nós temos que combater o pecado, mas Cristo o venceu. Nós somos tentados por Satanás: porém Cristo o derrotou . Logo deixaremos esse corpo; a menos que o Senhor venha logo, podemos esperar que encolheremos nossos pés na cama como nossos pais, e nos encontraremos com nosso Deus; porém, a morte é vencida em nosso nome por Cristo, e não temos nenhuma razão para temer.
Animo soldados cristãos, vocês estão enfrentando um inimigo vencido; relembrem que a vitória do Senhor é uma garantia para vocês. Se a Cabeça venceu, os membros não serão derrotados. Não permitam que a aflição ofusque seus olhos; não deixem que os temores perturbem seus espíritos; pois Cristo já venceu por vocês. Lutem diante do conflito, e revigorem-se com a esperança da vitória. Se houvessem visto seu Senhor derrotado, então poderiam esperar que fossem soprados como palha no vento; porém, Ele venceu. O Espírito Santo está em vocês; o próprio Jesus prometeu estar sempre com vocês, até o fim do mundo, e o Deus poderoso é seu refúgio. Vocês vencerão certamente por meio do sangue do Cordeiro. Coloquem essa pedra diante do olho de sua fé nesse dia, e digam: Aqui meu Senhor venceu o inferno e à morte, e em Seu nome e por Sua força, eu serei coroado também, quando o último inimigo for destruído.
Observem que aqui foi posto um cimento. Essa pedra removida do sepulcro, que tipifica e certifica a ressurreição de Jesus Cristo, é o cimento da fé cristã.
Toda nossa esperança gira sobre esse grandioso ato. Se Jesus ressuscitou, então esse Evangelho é o que professa ser.
Abundaram as testemunhas de todas as classes e condições. Nenhuma delas jamais confessou que estava enganada ou equivocada. Estavam tão persuadidas desse fato, que a maioria delas morreu por testemunhá-lo. Não tinham nada a ganhar por dar esse testemunho; não ganharam maior poder ou riquezas; eram homens verazes e de mente simples, que testificavam do que tinham visto, e davam testemunho do que haviam contemplado.
Nós confiamos Nele; cremos Nele. Se não houvesse ressuscitado, seriamos os mais dignos de comiseração de todos os homens por termos sido Seus seguidores. Se não houvesse ressuscitado, Seu sangue não seria eficaz para tirar nosso pecado; porém como Ele ressuscitou, edificamos sobre essa verdade; toda nossa confiança se apoia nisso, e estamos persuadidos que:

“Ressuscitado dentre os mortos, Ele vai adiante;
Ele abre a porta eterna do céu;
Para dar a Seus santos uma mansão bem aventurada
Próxima de seu Redentor e seu Deus.”

Vocês estão colocando toda sua dependência sobre o mérito de Seu sangue, certificado pelo fato de Sua ressurreição? Se é assim, possuem um fundamento de verdade contra o qual as portas do inferno não prevalecerão; porém, se vocês estão edificando sobre qualquer coisa que tenham feito, ou que as mãos sacerdotais poderiam fazer por vocês, estariam construindo sobre a areia que será levada pela corrente que tudo devora. Oh, edifiquem-se sobre a pedra viva que é Cristo Jesus!
Existe provisão de descanso. O anjo parece que nos ensina isso quando se senta sobre a pedra. Quão sossegadamente foi efetuada toda a ressurreição! Quão silenciosamente, também! Que ausência de pompa e de ostentação! O anjo desceu e tirou a pedra, Cristo ressuscitou, e então o anjo se sentou sobre ela. Sentou-se ali silenciosa e airosamente, com ar de desafio aos judeus e ao selo que tinham posto, e aos legionários romanos e suas lanças, à morte, à terra e ao inferno.
Aquele anjo que descansa sobre a pedra nos sussurra suavemente: Venham aqui, e descansem também. Não há descanso mais pleno, certo e seguro para a alma, que no fato de que o Salvador, em quem confiamos, ressuscitou dos mortos.
Vocês hoje guardam luto por amigos que partiram? Oh, vem e sente-se sobre essa pedra, que lhe diz que eles ressuscitarão outra vez. Esperam morrer logo? O verme está na raiz do arbusto? Tem o câncer formado em seu corpo? Oh, vem e sente-se sobre essa pedra, e considera que a morte perdeu agora seu terror, pois Jesus ressuscitou do sepulcro.
O anjo deixará livre seu assento para que se sentem diante do olhar do inimigo. Ainda que seja só uma humilde mulher, ou um homem quebrantado, pálido e abatido, oprimido pelos largos anos de persistente enfermidade, você bem pode desafiar todas as hostes do inferno, enquanto descansa sobre essa preciosa verdade: Não está aqui, mas sim ressuscitou: deixou os mortos, para não morrer mais.”
A pedra é um limite estabelecido. Não o veem? Contemple-o então, ali está, e o anjo está sobre ele. Podem ver, então, que essa pedra se converteu na fronteira entre os vivos e os mortos, entre os buscadores e os aborrecedores, entre os amigos e os inimigos de Cristo. Para Seus inimigos, Sua ressurreição é Pedra de tropeço, e rocha que faz cair, porém para Seu próprio povo, a ressurreição é a pedra angular. A ressurreição de nosso Senhor é nosso triunfo e deleite.
Eu queria que se perguntassem essa manhã, de que lado estão dessa pedra agora. Possuem vida em Cristo? Ressuscitam com Cristo? Confiam unicamente Naquele que ressuscitou dos mortos? Se for assim, não tenham temor: o anjo lhes consola, e Jesus lhes dá ânimos; porém, oh, se não possuem vida em Cristo, se estão mortos enquanto vivem, o mesmo pensamento de que Jesus ressuscitou há de sobrecarregá-los de medo, e fará vocês tremerem, pois bem haveriam de tremer diante daquilo que lhes espera.
Essa pedra também pode ser usada, e muito adequadamente, como prefiguração de ruína.
Nosso Senhor veio a esse mundo para destruir todas as obras do demônio.
Irmãos, essa pedra removida da porta do sepulcro me dá uma gloriosa esperança. O mal é ainda poderoso, mas ele será demolido. A perversidade espiritual ainda reina; a multidão ainda clama atrás do mal; as nações ainda estão imersas em densa escuridão; muitos adoram a mulher de Babilônia vestida de escarlate, outros se inclinam diante de Baal, e milhões se prostram diante de blocos de madeira e pedra; os lugares escuros e as habitações da terra ainda estão cheios de crueldade; porém, Cristo provocou um abalo ao conjunto inteiro do mal  que, podem estar seguros disso, cada pedra com certeza cairá. Só temos que continuar trabalhando, usando o aríete do Evangelho, guardando cada um seu lugar, e como os exércitos ao redor de Jericó, temos que soar a trombeta, e virá o dia em que todo mal será abatido e nivelado ao solo, e se cumprirá a profecia:  “Ao revés, ao revés, ao revés porei aquela coroa, e ela não mais será, até que venha aquele a quem pertence de direito; a ele a darei (Ezequiel 21:27)
Essa pedra separada sobre a que se senta o anjo, é o prognóstico seguro da condenação vindoura de tudo que é vil e ruim.
A mensagem evangélica é ―Ouvi e viverás; ―Inclina teus ouvidos, e vem e Mim. Essa é a mensagem doadora de vida: ―Crê no Senhor Jesus Cristo, e serás salvo.
Agora escutemos o sermão do anjo em palavras. Unicamente assim o verdadeiro Evangelho é pregado. Cristo é a Palavra, e o Evangelho é de palavras e pensamentos. Não se dirige ao olho; se dirige ao ouvido, ao intelecto e ao coração. É algo espiritual, e só pode ser captado por aqueles cujos espíritos são despertados para compreenderem uma verdade espiritual.
A primeira palavra que o anjo disse foi: ―Não vos assusteis.  Oh, esse é o próprio Espírito do Evangelho de nosso Senhor ressuscitado: ―Não temais. Vocês, que querem ser salvos, vocês, que querem seguir a Cristo, não devem temer. Tremeu a terra? Não tremam: Deus pode preservá-los ainda que a terra arda com fogo. O anjo desceu em terrores? Não temais: não há terrores no céu para o filho de Deus que se aproxima da cruz de Jesus, e confia sua alma Àquele que ali sangrou.
Temerosas mulheres, acaso a escuridão é o que as alarma? Não temais: Deus enxerga no escuro e as ama lá, e não existe nada na escuridão ou na luz que esteja além de Seu controle. Tem medo de ir a uma tumba? O sepulcro as alarma? Não temais: vocês não podem morrer. Posto que Cristo ressuscitou, ainda que morram, viverão.
Não devem temer o passado, pois lhes é perdoado; não temerão o presente, pois está devidamente providenciado; o futuro também está assegurado pelo poder vivente de Jesus. ―Porque que vivo –Ele diz  ―vós também vivereis.
Temes a seus pecados? Todos seus pecados foram apagados, pois Cristo não teria ressuscitado se não o tivesse quitado todos. Qual é seu medo? Se o anjo o ordena: ―Não se assuste porque haveria de temer? Se cada ferida do Salvador ressuscitado, e cada ato de seu Senhor reinante o consolam, por que desfalece ainda? Duvidar, temer e tremer agora que Jesus ressuscitou, é algo inconsistente em qualquer crente. Jesus pode socorrer-lhe em todas suas tentações; vendo que Ele vive para sempre para interceder por você, Ele pode também salvar-lhe perpetuamente: portanto, não se assuste.
Não temam, pois Deus sabe o que há em seu coração. Nunca confessou sua ansiedade sobre sua alma, pois é muito tímido para isso; nem sequer chegou tão longe para atrever-se a dizer que espera amar a Jesus; porém, Deus conhece seus desejos.
Pobre coração, você sente como se não pudesse confiar, como se não pudesse fazer nada que seja bom; porém, ao menos o deseja, ao menos o busca. Tudo isso Deus o sabe; com prazer espia seus desejos. Por acaso isso não lhe consola: esse fato grandioso do conhecimento de Deus? Eu não poderia ler o que existe em seu espírito e, talvez, nem você mesmo poderia dizer-me o que existe ai. Se fosse tentado, dir-se-ia depois de tê-lo feito: ―bem, não lhe disse exatamente o que sentia, perdi o consolo que pude ter recebido, pois não pude explicar meu caso.
Porém, existe Alguém que trata contigo, e sabe exatamente onde radica sua dificuldade, e qual é a causa de sua presente aflição. ―Não tenha medo, pois seu Pai celestial conhece sua dificuldade. Fique tranquilo, pobre paciente, pois o cirurgião sabe onde está a ferida, e o que lhe está afetando. Silêncio, meu filho, fique quieto apoiado sobre o peito do grandioso Pai, pois Ele sabe tudo; e, acaso isso não deveria lhe contentar, já que Seu cuidado é tão infinito como Seus conhecimentos?
Eu estou seguro de que às vezes sinto, quando olho a meu próprio coração, como se não tivesse parte nem porção no assunto, e como se não pudera reclamar interesse algum no Amado; porém, sei que não me envergonho de ser exposto a vergonha por Ele; e se fosse acusado de ser um fanático e um entusiasta de Sua causa, consideraria a mais elevada honra reconhecer-me culpado de uma imputação tão bem aventurada por Sua amada causa. Se esse fora, em verdade, a linguagem de nossos corações, podemos recobrar ânimo. ―Não tenham medo, pois eu sei que buscais a Jesus, que foi crucificado.
Logo acrescenta: ―Ele não está aqui, porque já ressuscitou (Mateus 28:6). Essa é a instrução que o anjo dá. Depois de dar consolo, dá a instrução. A firme base e a razão de consolação que lhe proporciona, é que não buscas a um Cristo morto, e não pedes a um Salvador enterrado; Ele está realmente vivo. Ele é tão capaz de lhe aliviar hoje, se pedir em oração, como o era para ajudar ao pobre cego quando Ele estava na terra. Ele está tão disposto hoje a aceitar-lhe e receber-lhe, como o estava para abençoar o leproso, ou sarar o paralítico. Vá a Ele de imediato, entregue-se a Ele com santa confiança, pois Ele não está aqui mas  ressuscitou, vive e reina para responder sua petição.
Agora, se alguém foi consolado pelo pensamento de que Cristo vive para salvar, que faça como o anjo disse, que vá e conte a outros as boas novas que escutou. Esse é o grandioso meio de propagar nossa santa fé: que todos aqueles que se inteiraram dela, a ensinem.
Oh, vocês, que se inteiraram sobre Jesus, não guardem a bênção somente para si. Hoje, de uma maneira ou outra, lhes rogo que deem a conhecer que Jesus ressuscitou.
Essa é a essência do Evangelho, que Jesus Cristo morreu por nossos pecados, e ressuscitou outra vez no terceiro dia, de acordo as Escrituras; morreu como substituto nosso, criminosos, e ressuscitou como representante nosso, pecadores perdoados; morreu para que nossos pecados pudessem morrer, e vive de novo para que nossas almas possam viver. Convidem diligentemente a outros virem a Jesus e a confiar Nele. Digam-lhes que há vida para os mortos em um olhar a Jesus crucificado; digam-lhes que esse olhar é um assunto da alma, é uma confiança simples; digam-lhes que ninguém jamais confiou em Cristo e foi rejeitado; digam-lhes o que sentiram como resultado de sua confiança em Jesus, e que muitos discípulos podem ser agregados a Sua igreja.

Deus abençoe sua vida!

FONTE
Traduzido de http://www.spurgeon.com.mx/sermon863.html
Todo direito de tradução protegido por lei internacional de domínio público
Sermão nº 863— THE STONE ROLLED AWAY- do volume 15 do The Metropolitan Tabernacle Pulpit,
Tradução e revisão: Armando Marcos Pinto
Projeto Spurgeon - Proclamando a CRISTO crucificado.
www.projetospurgeon.com.br
@ProjetoSpurgeon





sexta-feira, 7 de julho de 2017

Espírito Santo, O maravilhoso amigo!

Você já olhou para si mesmo e percebeu que precisa melhorar em muitos aspectos?
O apóstolo Paulo em sua carta aos Romanos descreve exatamente esse sentimento. Ele revela o desejo de seu coração e a realidade de suas ações.
Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem. Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. (Romanos 7:18-19)
Então o que fazer para tornar-se um ser humano melhor dentro da vontade de Deus?
Ser guiado pelo Espírito Santo de Deus!
Jesus falou a seus apóstolos que o Santo Espírito viria e convenceria o homem do pecado, da justiça e do juízo. (João 16:8)
ELE age na consciência e coração do homem para lhe instruir a respeito de suas ações e dos parâmetros que Deus determinou. Porém é muito amável e educado, nunca arromba uma porta, antes bate doce e suavemente. Se alguém abrir e o convidar, ELE entra.
Por isso, se você permitir que lhe guie, será pouco a pouco transformado na imagem e semelhança de Cristo.  Esse processo é aperfeiçoado ao longo de sua vida. Pois Paulo ainda afirma que: Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo.” (Filipenses 1:6)
Além disso, a bíblia revela que: Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus esses são filhos de Deus. Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. (Romanos 8:14-16)
Ou seja, você sente em seu coração a confirmação de que realmente é filho de Deus e que ELE está moldando sua vida!
O que você tem a perder? Experimente um relacionamento com o doce, maravilhoso e amoroso Espírito Santo de Deus. Permita que ELE lhe instrua em tudo a fim de que se torne alguém em cuja companhia todos se alegram e principalmente um filho que alegra o coração do PAI.

Que esse louvor seja a minha e a sua oração nesse dia!

Espírito Santo – Cairon Roberto

Espírito santo fala comigo
Revela o teu poder, me abraça
Deixa eu ser teu amigo
Espírito santo fala comigo
Me da a tua graça, me protege
Dos meus inimigos

Te peço perdão por tanta ignorância
Eu quero ser puro feito uma criança
Mas nada que eu faço sozinho da certo
Me ajuda a escolher o caminho correto
Eu quero ouvir e entender teus conselhos
E aqui na terra eu quero ser teu espelho
Então me desculpa se eu não consigo
Ouvir tua voz quando fala comigo

Espírito santo de Deus
Espírito santo de Deus
Vem morar aqui no peito
E me ensina a fazer tudo do seu jeito

Espírito santo de Deus
Espírito santo de Deus
Entra, fecha a porta e não sai
Não me deixe aqui sozinho nunca mais




terça-feira, 27 de junho de 2017

Deus conosco!

Algumas pessoas seguem sua trajetória de vida como se estivessem sozinhas, carregando consigo fardos demasiadamente pesados.
Não conseguem dividir problemas, frustrações ou decepções, os quais se acumulam tornando-se uma carga difícil de suportar.
Talvez por insegurança, ou pelas várias situações em que sua confiança foi quebrada, pois ao ser traído, machucado ou decepcionado é trabalhoso voltar a confiar, embora seja extremamente necessário.
Acostumam-se a viver assim, ainda que a solidão assole o coração e esmague a alma.
Meu querido irmão, se você se viu através dessas linhas, preciso lhe dizer algo: Deus não quer que viva dessa maneira e deseja lhe fazer companhia nessa árdua caminhada. ELE desja estar ao seu lado, ser seu melhor amigo e lhe ajudar em cada situação.
Por meio de JESUS lhe deu, além de um Salvador, um AMIGO FIEL que SEMPRE estará com você.  CRISTO não é alguém que fica olhando de longe, mas o acompanha de perto. A bíblia diz que ELE é “Deus Conosco”. (Mateus 1: 23)
Não importa quem você é, a cor da sua pele ou sua posição social, porque ELE não faz acepção de pessoas. (Atos 10:34)
Se você acredita que a bíblia contém as verdades de Deus e, portanto, JESUS é verdadeiramente “Deus Conosco”, pode agora contar a ELE seus problemas por meio da oração, como alguém que conversa com seu amigo.
DEUS CONOSCO significa que em momento algum você está sozinho, pois o TODO PODEROSO, criador do universo se importa com tua alma.
O mundo quer lhe iludir, afirmando que Deus é inalcançável, mas a bíblia, em oposição, diz que Deus está com você, que ELE habita em você. Então, qual deles ouvirá?
Peça a CRISTO que lhe mostre SUA graça e verá o quanto Deus é MARAVILHOSO!
Estive lendo mais um dos sermões de Charles H.Spurgeon e decidi compartilhar alguns trechos.
O desejo do meu coração é que traga edificação para a sua vida e que o Santo Espírito de Deus fale poderosamente ao seu coração!

Deus Conosco – Charles H.Spurgeon
Sermão pregado na manhã de Domingo 26 de Dezembro de 1875 por Charles Haddon Spurgeon no Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres.

“E chamá-lo-ão pelo nome de Emanuel, que traduzido é: Deus conosco.” (Mateus 1: 23)

Essa palavra, “traduzido,” é uma doce saudação para meu ouvido. Por que é necessário que a palavra em hebraico “Emanuel,” seja traduzida?
Para mostrar que se refere também a nós, os gentios.
Cristo não é unicamente o Salvador dos judeus, mas o é dos gentios também.
Traduzido” significa que diferentes nações estão envolvidas.
Temos o texto expresso primeiro em hebraico “Emanuel,” e logo é traduzido para a língua gentia, “Deus conosco;” “sendo interpretado,” para que saibamos que somos convidados, bem-vindos, que Deus viu nossas necessidades e proveu-as, e que agora podemos vir livremente, inclusive nós, que éramos pecadores pertencentes aos gentis, distanciados de Deus.
Nosso texto fala de um dos nomes do nosso Senhor Jesus. Diz, “E chamá-lo-ão pelo nome de Emanuel.”
Naquele tempo os nomes significavam algo. Aqueles que aparecem na Escritura, como uma regra geral, contém um ensinamento, e este é o caso especial de cada nome atribuído ao Senhor Jesus. Em relação a Ele, os nomes indicam coisas. E se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz, porque realmente Ele é todas essas coisas. Seu nome é chamado Jesus, mas não sem um motivo. Com qualquer outro nome, Jesus não seria tão doce, pois nenhum outro nome poderia descrever adequadamente Sua grandiosa obra de salvar Seu povo de seus pecados. Quando é dito d’Ele, que é chamado isto ou aquilo, significa realmente que o é.
Não identifico que Seus apóstolos ou discípulos O chamem literalmente com esse nome; mas descobrimos que de fato todos eles o fazem, pois falam d’Ele como “Deus manifestado em carne,” e dizem, E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós – e vimos a sua glória, como do unigênito do Pai cheio de graça e de verdade.” (João 1: 14)  Eles não usam exatamente essa palavra especifica, mas a interpretam com frequência e nos fornecem traduções livres e instrutivas, quando proclamam o sentido do título e nos informam de diversas maneiras o significado de Deus conosco na pessoa do Senhor Jesus. É um glorioso fato da mais alta importância, que devido a Cristo ter nascido no mundo, Deus está conosco.
Pode ser que nunca entendamos plenamente como Deus e o homem possam unir-se em uma pessoa, pois quem pode encontrar a Deus mediante investigação?
Estes grandes mistérios da piedade, estas coisas que representam “ainda as profundezas de Deus,” estão além de nossa medida: nosso pequeno barquinho poderia perder-se se nos aventurássemos tão longe neste vasto e infinito oceano, como para perder de vista a costa da verdade claramente revelada. Que permaneça como assunto de fé que Jesus Cristo o qual é sobre todos, Deus bendito eternamente,” “e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder.” (Hebreus 1:3) não era um anjo; o apóstolo o demonstrou abundantemente no primeiro e segundo capítulos da Epístola aos Hebreus que não poderia ter sido um, pois a Ele são dispensadas honras que nunca foram reconhecidas aos anjos.
Ele não era uma divindade subordinada, ou um ser elevado à Deidade, como alguns supõe absurdamente. Todas estas coisas não são verdades; Ele tão certamente foi Deus como só Deus pode sê-lo. Um com o Pai e o sempre bendito Espírito. Se assim não fosse, não somente a grande fortaleza de nossa fé desapareceria, como também, relativamente a este texto, sua doçura se evaporaria completamente. A própria essência e glória da encarnação é que Ele é Deus que foi coberto com o véu de carne humana: se houvesse sido qualquer outro ser que viesse a nós em carne humana, não se veria nada notável nele, nem, certamente, nada que nos consolasse.
Deus conosco” é um raro deleite, tudo o que “Deus” significa: a Deidade, o infinito Jeová. Os homens que entenderam isso, não consideraram valiosas suas vidas por causa do Deus encarnado; e isto, meus irmãos, nos dia de hoje é digno de seus melhores esforços para difundir as boas novas e digno de uma vida santa para demonstrar seu poder consolador.
Aqui temos a primeira verdade de nossa fé: Deus se manifestou em carne.” (1 Timóteo 3:16) Ele que nasceu em Belém e é “Deus conosco.”
Deus conosco” nos inspira esperança e confiança.
Primeiro, admiremos esta verdade; em seguida, consideremo-la com maior acuidade; e depois disso, esforcemo-nos pessoalmente para fazê-la nossa.
Deus o Infinito, uma vez morou no frágil corpo de um menino, e acampou na forma sofredora de um homem humilde. Deus estava em Cristo.” “Se despojou a si mesmo, tomando forma de servo, feito à semelhança de homens“. (2 Coríntios 5:19)
Observe em primeiro lugar, a maravilha da condescendência contida neste feito, que Deus, que fez todas as coisas, Aquele que existe por Si mesmo se uniu ao ser dependente e subordinado, e que o Todo Poderoso se vinculou ao fraco e ao mortal.
Recorde que na pessoa de Cristo a humanidade não era meramente espírito vivificante, mas também carne e sangue que sofria, que padeceu fome, e que morreu.
Oh, vocês que são pecadores, que tremem ao pensar na ira divina, vocês podem levantar suas cabeças com jubilosa esperança de misericórdia e favor, pois Deus está cheio de graça e misericórdia para com essa raça que distingue de tal maneira acima de todas as demais, tomando-a em união com Ele. Tenham ânimo, oh homens nascidos de mulher, e esperem bênçãos inenarráveis Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu“. (Isaias 9:6)
Rogo a vocês que mantenham seu olhar de admiração, e contemplem Deus conosco uma vez mais, como uma garantia de nossa liberação. Somos uma raça caída, estamos afundados no lodo, vendidos sob o pecado, em servidão e escravidão sob Satanás; mas Deus veio a nós, e desposou sua natureza, então somos levantados de nossa queda, não pode ser possível que as portas do inferno encerrem aqueles que têm a Deus com eles. Escravos sob o pecado e servos da lei, ouçam a trombeta do Jubileu, pois Ele veio entre vocês, nascido de mulher e sob a lei, que é Deus Poderoso, dado como garantia para livrá-los.
Jesus, que desce do céu, é a garantia que levará Seu povo ao céu, e Sua adoção de nossa natureza é o selo de que seremos elevados a Seu trono.
Se é “Deus conosco,” e Deus em verdade tomou a condição humana para uni-la a Ele mesmo, então toquemos “os sinos da glória” e alegremo-nos pois virão dias mais brilhantes e felizes; deve haver salvação para o homem e glória para Deus. Aqueçamo-nos sob os raios do Sol da Justiça, que saiu agora para nós, uma luz que ilumina os gentios, e que seja a glória de Seu povo Israel.
Isso fala da vida espiritual do homem, quando Cristo vem a Ele, e se forma nele a esperança de glória. Deus tem comunhão com o homem, e o homem volta a Deus, e recebe outra vez a imagem divina como no princípio.
Emanuel significa primeiro, que Deus em Cristo está conosco em uma associação muito próxima.
A partícula grega utilizada aqui é muito vigorosa e expressa a forma mais forte de “com“. Não é simplesmente “em nossa companhia” como o expressaria outra palavra grega, mas “com” “juntamente com” e “compartilhando com”. Esta preposição é um parafuso apertado, um vínculo firme, que implica, se não é que declara, uma comunhão íntima. Deus está íntima e peculiarmente “conosco.” Agora, pensem por um momento, e verão que Deus, por meio de um fato real, se aproximou de nós em uma íntima associação.
Não pensem que Ele é um homem deificado, nem tão pouco devem considerá-lo um Deus humanizado, ou um semideus. Não confundam as naturezas nem dividam a pessoa: Ele é somente uma pessoa, contudo, é homem verdadeiro como também é Deus verdadeiro.
Estando conosco em nossa natureza, Deus esteve conosco em toda a peregrinação de nossa vida.
Desde a porta de entrada até a porta que fecha o caminho da vida, as pegadas de Jesus podem distinguir-se. Estiveste no berço? Ele esteve. Foste um filho sob a autoridade dos pais? Cristo também foi um menino na casa de Nazaré. Entraste na batalha da vida? Teu Deus e Senhor fez o mesmo; e ainda que não tenha alcançado a velhice, através do trabalho pesado e incessante e do sofrimento, mostrava o semblante abatido que acompanha a velhice cansada. Estás só? Ele também esteve, no deserto, na ladeira do monte e na tenebrosidade do jardim. Te misturas em círculos públicos? Ele também trabalhou no meio das densas turbas. Onde poderias encontrar-te, no cume do monte, ou no vale, na terra ou no mar, à luz do dia ou na escuridão, onde, pergunto, podes estar sem descobrir que Jesus esteve ali antes de ti?
Dois crentes podem ser muito diferentes entre si, e, no entanto, ambos descobrirão que a vida de Cristo contém pontos similares com suas próprias vidas. Em todos os pontos Ele foi feito semelhante a Seus irmãos. Quão encantador é o fato que nosso Senhor é “Deus conosco,” não aqui ou ali, e de vez em quando, mas eternamente.
Isto se destaca de maneira especial e doce, quando é “Deus conosco” em nossas aflições. Não há dor que rasgue o coração, e me atreveria a acrescentar que não há nenhum mal que afete o corpo, nos quais Jesus não tenha estado conosco em tudo. Sentes as aflições da pobreza? Ele “não tinha onde recostar a cabeça.” Estás triste pelas aflições do luto? Jesus “chorou” junto à tumba de Lázaro. Foste caluniado por causa da justiça, e a calúnia tem atormentado seu espírito? Ele disse: “Afrontas me quebrantaram o coração.” Foste traído? Não esqueças que o amigo de Jesus o vendeu pelo preço de um escravo. Em quais mares de tormenta foste sacudido que não tenham rugido ao redor de Seu barco? Não haverá nenhum vale estreito de adversidade tão negro, tão profundo, sem possibilidade aparente de poder ser atravessado, que não descubras as pegadas do Crucificado ao olhares com atenção. Nos fogos e nos rios, na noite fria e sob o sol ardente, Ele clama: “Estou contigo. Não desmaies, pois Eu sou teu companheiro, o teu Deus.”
É misteriosamente certo que quando vocês e eu nos aproximemos da cena final, da cena que fecha, descobriremos que Emanuel esteve aí. Ele sentiu as dores e angústias da morte, e suportou o suor sangrento da agonia e a sede agonizante da febre. Ele conheceu a separação entre o espírito torturado e a carne lânguida, e clamou, como nós o faremos: “Pai em tuas mãos entrego meu espírito.”(Lucas 23:46)
Seremos levantados em Sua semelhança e nossos olhos verão o Deus encarnado. “Porque eu sei que meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra; E depois de consumida a minha pele, contudo ainda em minha carne verei a Deus.(Jó 19:25) “Deus conosco.” Eu em minha carne O verei como o homem, o Deus. E assim, por toda a eternidade Ele manterá a mais íntima associação conosco. Enquanto os anos passam, Ele será “Deus conosco.” Ele não disse, “Porque eu vivo, vós também vivereis”? Tanto Sua vida humana como Sua vida divina permanecerão para sempre, e o mesmo durará nossa vida. Ele habitará entre nós e nos conduzirá a fontes de águas vivas, e assim estaremos para sempre com o Senhor.
Deus em Cristo é conosco com a maior proximidade possível.
Mas, em segundo lugar, Deus em Cristo é conosco na reconciliação mais plena.
Houve um tempo em que estivemos afastados de Deus; estávamos sem Deus, em inimizade com Ele por nossas obras ímpias, e Deus também estava distante de nós em razão da natural retidão de caráter que lança a iniquidade para longe d’Ele. Ele tem os mais puros olhos que não podem contemplar a iniquidade, nem o mal pode morar com Ele. Essa estrita justiça que governa o mundo exige que Ele esconda Seu rosto de uma geração pecadora.
Mas agora, o pecado que nos separava de Deus foi eliminado pelo bendito sacrifício de Cristo sobre o madeiro, e a justiça, cuja ausência criou um golfo entre o homem injusto e o justo Deus, essa justiça foi encontrada, pois Jesus trouxe justiça eterna. Portanto agora, em Jesus, Deus é conosco, reconciliado conosco, e o pecado que motivou Sua ira, foi eliminado para sempre de Seu povo.
Eu pelo menos não cessarei de dizer: “Graças te dou, ó Senhor, porque, ainda que te iraste contra mim, a tua ira se retirou, e tu me consolas.” Deus pode agora estar com o homem, e abraçar os pecadores como Seus filhos, o que não poderia ter feito com justiça se Jesus não houvesse morrido.
Deus em Cristo é conosco em bendita comunicação. Ou seja, agora Ele se aproximou tanto de nós que entrou em intercâmbio conosco por meio de uma conversa sagrada. Agora Ele nos fala e fala em nós. Ele nos falou nestes últimos dias por Seu Filho e pelo Espírito Divino com a suave e delicada voz da advertência, da consolação, da instrução, e da direção.
Agora, como Enoque, vocês “caminham com Deus,” e, como Abraão, falam com Ele como um homem fala com seu amigo. O que são suas orações e louvores senão a forma de comunicação que permite sua aproximação com o Altíssimo? E Ele lhes responde quando Seu Espírito sela a promessa ou aplica o preceito, quando com luz fresca lhes instrui na doutrina ou lhes concede uma confiança maior em relação a boas coisas futuras. Oh, sim, Deus está conosco agora, de tal forma que quando Ele clama: “Buscai minha face,” nosso coração Lhe responde: “Tua face buscarei, oh Senhor.”
Em cada santa ordenança, em cada ato sagrado de adoração, agora vemos que há uma porta aberta no céu e um novo e vivo caminho pelo qual chegamos ao trono da graça. Por acaso não é esta uma alegria maior do que todas as riquezas da terra poderiam comprar?
Deus conosco,” é a inscrição em nosso estandarte real, que enche de terror o coração do inimigo e alegra os exércitos dos escolhidos de Deus. Por acaso não é este nosso grito de guerra: O Senhor dos Exércitos está conosco. O Deus de Jacó é o nosso refúgio.“? E quanto a nossos inimigos internos, Deus está conosco para dominar nossas corrupções e debilidades; e sobre os adversários externos, Deus está com Sua igreja, e Cristo prometeu que estará sempre com ela “até o fim do mundo.” Não somente contamos com a palavra e as promessas de Deus, mas temos visto Seus atos de graça a nosso favor, tanto em Sua providência como na obra de Seu bendito Espírito. “Jeová desnudou seu santo braço diante dos olhos de todas as nações.” (Isaias 52:10)
Como podemos estar intimidados quando o Senhor dos Exércitos está do nosso lado?
Não se trata tampouco que Deus esteja conosco simplesmente em atos de poder a nosso favor, mas em emanações de Sua própria vida em nossa natureza pelas quais somos primeiro nascidos de novo, e logo sustentados na vida espiritual. Isto é ainda mais maravilhoso. Pelo Espírito Santo, a divina semente que “Vive e permanece para sempre” é semeada em nossas almas, e dia após dia somos fortalecidos com poder por Seu Espírito no homem interior.
E isto não é tudo, pois como obra prima da graça, o Senhor, por Seu Espírito, mora em Seu povo.
Agora é “Deus conosco” certamente, porque Deus habita em nós. Ou ignorais que vosso corpo é templo do Espírito Santo?” (1 Coríntios 6:19) Como Deus disse: habitarei e andarei entre eles, e serei seu Deus, e eles serão meu povo.”( 2 Coríntios 6:16)
Deus se converte em “Deus conosco” pela restauração de Sua imagem em nós. Deus conosco” significa santificação, a imagem de Jesus Cristo impressa em todos os Seus irmãos.
Deus é conosco na mais profunda identificação. Irmãos, vocês se encontram em aflição? Deus, em Cristo, é compassivo com sua dor. Vocês têm um objetivo grandioso? Eu sei qual é: é a glória de Deus; nisso se identificam com Deus, e Deus com vocês. Permitam-me perguntar-lhes: qual é sua maior alegria? Não aprenderam a regozijar-se no Senhor? Não se alegram em Deus por Jesus Cristo? Então Deus se alegra também em vocês. Ele descansa em seu amor, e se regozija em vocês com cânticos, de tal maneira que Deus é conosco em um sentido muito maravilhoso e por meio de Jesus Cristo, nossas metas e desejos são semelhantes aos de Deus. Desejamos o mesmo, nos esforçamos pelo mesmo objetivo, e regozijamos nos mesmos objetos de deleite.
Quando o Senhor diz: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo,” nosso coração responde: Ai, e nós também temos prazer n’Ele.” O agrado do Pai é o agrado de Seus próprios filhos escolhidos, pois nós também nos alegramos em Cristo; nossa própria alma se alvoroça ao som de Seu nome.
Então, se Jesus Cristo é “Deus conosco,” vamos a Deus sem perguntar nem duvidar. Quem quer que você seja, não necessita de um sacerdote ou intercessor para que o apresentem a Deus, pois o próprio Deus se apresentou a você.
Não tenhas medo de aproximar-te do manso Jesus. Não imagines que necessitas estar preparado para uma audiência com ele, ou que necessitas da intercessão de um santo, ou a intervenção de um sacerdote ou de um ministro. Qualquer pessoa poderia ter se aproximado do bebê em Belém.
Jesus é o amigo de cada um de nós, independentemente de quão pecadores e indignos sejamos. Vocês, os pobres, não devem temer vir, pois, vejam, Ele nasceu em um estábulo, e teve por berço uma manjedoura.
Não fiquem com medo de não serem dignos; os pastores vieram a Ele com todo o seu desalinho. Não leio que eles tenham demorado para vestir suas melhores roupas, mas que com as roupas com que se cobriam nessa fria noite, se apressaram, tal como estavam, para ir à presença do bebê. Deus não olha roupas, mas os corações, e aceita os homens quando vêm a Ele com espíritos dispostos, independente se são ricos ou pobres. Venham, então; venham e sejam bem-vindos, pois Deus certamente é “Deus conosco“.
Ele mesmo veio aqui para nascer de uma mulher e poder reunir-se contigo que nasceste de uma mulher também, e salvar-te de teu pecado. Por acaso não prestarás atenção agora que fala por meio de Seu Filho?
Que melhor embaixador você pode desejar? Esta embaixada de paz é enviada de maneira tão terna, tão bondosa, tão amável, tão comovedora, que seguramente não poderá ter o coração de resisti-la. Não, não vá, que teus ouvidos não rejeitem a linguagem de Sua graça, mas diga: se Deus é conosco, nós seremos com Ele.” Diga, pecador: “Me levantarei e irei até o meu pai, e lhe direi: Pai pequei contra ti.”(Lucas 15:18)
Não te desprezes a ti mesmo, oh homem, és muito valioso para depois de tudo, servir de alimento ao verme que nunca morrerá, e alimentar o fogo que nunca se apagará. Volta-te para o teu Deus com pleno propósito de coração, e descobrirás que te espera um grandioso destino.
Sejamos com Deus visto que Deus é conosco.
Não digam: “não podemos fazer nada.” Quem são vocês que não podem fazer nada? Deus é com vocês. Não digam: “a igreja é fraca e atravessa tempos maus,” não, “Deus é conosco.” Necessitamos do valor daqueles antigos soldados que estavam dispostos a considerar as dificuldades unicamente como pedra para afiar suas espadas.
Diante do mandamento de Deus, o cristão pode fazer o possível e o impossível, Deus faz, pois é conosco. Por acaso não creem que as palavras, “Deus conosco,” eliminam da existência a impossibilidade? Os corações que de nenhuma outra maneira poderiam ser quebrantados, serão quebrantados se Deus é conosco. Erros que não poderiam ser refutados de nenhuma outra maneira podem ser eliminados porque  “Deus é conosco.” As coisas impossíveis aos homens, são possíveis a Deus. John Wesley morreu com isso em sua língua, e vivamos com isto em nossos corações: “o melhor de tudo é Deus conosco.


Deus abençoe sua vida!