sábado, 11 de novembro de 2017

Quando se sentir pequeno...

Quando sentir que suas forças estão acabando, busque-as em Jesus, ELE "Dá forças ao cansado e multiplica as forças ao que não tem nenhum vigor." (Isaías 40:29)

Quando a falta de esperança abater seu coração, faça de CRISTO a sua esperança, "Porque certamente acabará bem, não será malograda a sua esperança." (Provérbios 23:18) "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos." (1 Pedro 1:3)

Quando estiver cansado e se sentir desamparado, olhe para Jesus, "porque o Senhor ama o juízo e não desampara os seus santos, eles são preservados para sempre..."(37:28)

Quando os motivos que se apresentam não forem suficientes para que você prossiga, lembre-se de JESUS, ELE "era desprezado, o mais rejeitado entre os homens, homem de dores e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos DELE caso algum." (Isaías 53:3), mas mesmo assim,  ELE foi até a morte, e morte de cruz, POR VOCÊ, porque seu valor é incontável para ELE. Eis uma boa razão para continuar.

Quando pensar que todas as portas se fecharam e não há mais saída, vá até JESUS, pois de si mesmo diz: "EU SOU a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará e sairá e achará pastagens." (João 10:9)

Quando de tão ferido, não conseguir avistar a luz, confie em JESUS, pois como está escrito: " ...Quando andar em trevas e não tiver luz nenhuma, confie no nome do Senhor e firme-se sobre o seu Deus" (Isaías 50:10) "Pois no temor do Senhor há firme confiança, e ele será um refúgio para seus filhos." (Provérbios 14:26)

Quando estiver angustiado, temendo ser ainda mais afligido, firme-se no Senhor e siga o conselho do salmista: " Invoquei o Senhor na angústia, o Senhor me ouviu e me tirou para um lugar largo. O Senhor está comigo, não temerei o que me pode fazer o homem." (Salmos 118:5-6)

Quando se sentir desprotegido e fraco, faça de CRISTO a sua fortaleza: "O Senhor é o meu rochedo, o meu lugar forte e o meu libertador, o meu Deus, a minha fortaleza em quem confio, o meu escudo, a força da minha salvação e o meu alto refúgio."  " Por que quem é Deus senão o Senhor? E quem é rochedo senão o nosso Deus?" (Salmos 18: 2, 31)

Quando se sentir pequeno, lembre-se que SEU DEUS é GIGANTE!

NELE você encontrará as respostas que procura!
Tudo o que precisar, pode encontrar em SEU amor.

Que o Espírito Santo de Deus revele ao seu coração os insondáveis propósitos de Deus para a sua vida!

Deus o abençoe!

domingo, 22 de outubro de 2017

De joelhos é que se vence!

A maioria dos homens enfrenta as batalhas da vida com suas próprias armas.
Tentam se manter de pé por suas próprias forças e vencer com seus próprios meios.
Algumas delas podem até ser vencidas dessa maneira, mas não todas.
A bíblia relata experiências de homens que venceram grandes confrontos, não com uma espada na mão ou articulando suas próprias estratégias de combate. Esses homens dobraram seus joelhos, prostraram-se diante de Deus e aguardaram SUA ajuda.
No livro de Lucas 5:12, é relatada a história de um leproso que diante de uma sentença de isolamento, prostrou-se aos pés de JESUS, suplicando SUA ajuda: E aconteceu que, quando estava numa daquelas cidades, eis que um homem cheio de lepra, vendo a Jesus, prostrou-se sobre o rosto, e rogou-lhe, dizendo: Senhor, se quiseres, bem podes limpar-me." (Lucas 5:12)
Em 2 Crônicas 14:11, Asa, Rei de Judá, se deparou com uma situação no mínimo perturbadora. Ele possuía um um exército de trezentos mil de Judá, que traziam pavês e lança; e duzentos e oitenta mil de Benjamim, que traziam escudo e atiravam com arco; todos estes eram homens valentes. E Zerá, o etíope, saiu contra eles, com um exército de um milhão e com trezentos carros, e chegou até Maressa. (2 Crônicas 14:8-9). Com uma desvantagem numérica tão grande, a menos que Deus intervisse, sua derrota era muito provável. Asa então apresenta sua impossibilidade diante de Deus: "E Asa clamou ao Senhor seu Deus, e disse: Senhor, nada para ti é ajudar, quer o poderoso quer o de nenhuma força; ajuda-nos, pois, Senhor nosso Deus, porque em ti confiamos, e no teu nome viemos contra esta multidão. Senhor, tu és nosso Deus, não prevaleça contra ti o homem." (2 Crônicas 14:11)
No livro de 2 Reis, o Rei Ezequias contemplou sua fragilidade e diante dessa percepção, prostrou-se suplicando o favor de seu Deus: " Rabsaqué, pois, se pôs em pé, e clamou em alta voz em judaico, e respondeu, dizendo: Ouvi a palavra do grande rei, do rei da Assíria. Assim diz o rei: Não vos engane Ezequias; porque não vos poderá livrar da sua mão; Nem tampouco vos faça Ezequias confiar no Senhor, dizendo: Certamente nos livrará o Senhor, e esta cidade não será entregue na mão do rei da Assíria. (2 Reis 18:28-30) 
E orou Ezequias perante o Senhor e disse: Ó Senhor Deus de Israel, que habitas entre os querubins, tu mesmo, só tu és Deus de todos os reinos da terra; tu fizeste os céus e a terra. Inclina, Senhor, o teu ouvido, e ouve; abre, Senhor, os teus olhos, e olha; e ouve as palavras de Senaqueribe, que enviou a este, para afrontar o Deus vivo. Agora, pois, ó Senhor nosso Deus, te suplico, livra-nos da sua mão; e assim saberão todos os reinos da terra que só tu és o Senhor Deus.( 2 Reis 19:15-16, 19)
E quanto a você? Qual peleja está roubando sua paz? Você já pensou que a vitória pode ser conquistada de joelhos? Prostre-se perante o Senhor e faça sua petição. Em certas situações, de joelhos você obterá os resultados que em pé jamais conseguiria.
É necessário buscar para encontrar e pedir a Deus para que faça aquilo que você não tem condições de realizar.
ELE ouvirá a sinceridade do seu coração e fará o inimaginável para lhe dar vitória!
Para o leproso JESUS concedeu a cura:"E ele, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo: Quero, sê limpo. E logo a lepra desapareceu dele." (Lucas 5:13)
A resposta ao clamor de Asa foi um grande livramento: "E o Senhor feriu os etíopes diante de Asa e diante de Judá; e os etíopes fugiram." ( 2 Crônicas 14:12)
Ao Rei Ezequias, Deus concedeu uma amorosa resposta e enorme vitória: "Portanto, assim diz o Senhor acerca do rei da Assíria: Não entrará nesta cidade, nem lançará nela flecha alguma; tampouco virá perante ela com escudo, nem levantará contra ela trincheira alguma. Pelo caminho por onde vier, por ele voltará; porém nesta cidade não entrará, diz o Senhor. Porque eu ampararei a esta cidade, para a livrar, por amor de mim e por amor do meu servo Davi. Sucedeu, pois, que naquela mesma noite saiu o anjo do Senhor, e feriu no arraial dos assírios a cento e oitenta e cinco mil deles; e, levantando-se pela manhã cedo, eis que todos eram cadáveres. Então Senaqueribe, rei da Assíria, partiu, e se foi, e voltou e ficou em Nínive. E sucedeu que, estando ele prostrado na casa de Nisroque, seu deus, Adrameleque e Sarezer, seus filhos, o feriram à espada; porém eles escaparam para a terra de Ararate; e Esar-Hadom, seu filho, reinou em seu lugar." (2 Reis 19: 32-37)
Você pensa que com você será diferente?
JESUS CRISTO é o mesmo ontem, hoje e será eternamente! (Hebreus 13:8)
O que ELE fez no passado, pode repetir hoje em sua vida!
Lance fora suas próprias armas e deixe Deus agir! O resultado será infinitamente melhor!

Deus abençoe sua vida!

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

A corrida da vida!

A vida é um ciclo, em que todos chegam ao final, mas nem todos terminam como vencedores. Vive-se como atleta, numa corrida que ninguém sabe ao certo quando terminará.
Para alguns é mais curta do que para outros.
A linha de chegada não é visível e o tempo de percurso indeterminado.
A maneira como se vive, as prioridades que possuem e o alvo almejado, fazem com que o fim da linha de uns seja completamente diferente do que o de outros.
Uma coisa é certa, independente de qual seja o objetivo, todas as pessoas se empenham, bem como se abstém de algo para alcançar seu alvo.
Quando falamos daqueles que conhecem a palavra de Deus, seu principal objetivo deve ser o céu.
Mas a palavra de Deus ensina que não é algo simples, pois requer renúncia e abnegação.
A corrida da vida de acordo com a vontade de Deus possui regras que precisam ser respeitadas, exatamente como todas as demais.
Deus deseja que você siga seu caminho sem mágoas, rancor, raiva ou ódio. Ele não quer que derrube seu irmão durante o percurso, mas que o ajude a levantar. Deseja que você ajude aquele que está cansado incentivando-o a prosseguir.
Algo tem atrapalhado sua corrida? De que maneira você tem servido a Deus durante esse tempo?
A palavra de Deus adverte: "E tudo o que fizerdes, seja em palavra, seja em ação, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai."  (Colossenses 3:17)
Pode-se xingar, maldizer, desejar o mal, vingar-se, “puxar o tapete” ou trapacear em nome de Jesus? Não!
A palavra adverte: " E, se alguém também milita, não é coroado se não militar legitimamente. " (2 Timóteo 2:5)
Você precisa da ajuda do Espírito Santo. Ele o ajudará a agir da maneira que Deus deseja.
Corra como Paulo quando citou: Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar. (1 Coríntios 9:26)
Tenha em seu coração a certeza de onde vai chegar e de ter respeitado as regras de DEUS.
Aos vencedores ELE prometeu uma coroa incorruptível.
Você pode ser melhor, pode ser quem Deus quer que você seja!
Portanto, seja o melhor que puder ser e peça ajuda ao Senhor.
Não é sobre ter sido grande e poderoso aqui na terra, mas sim sobre quantos você ajudou a ir ao céu.
Deus abençoe sua vida!




terça-feira, 3 de outubro de 2017

O que te atrai em JESUS?

DEUS é maravilhoso e quem verdadeiramente se achega a ELE é abençoado de maneira grandiosa.
Quando O PAI enviou seu FILHO UNIGÊNITO para viver entre os homens, muitos se sentiram atraídos por JESUS.

Vamos observar alguns exemplos de pessoas que vieram até ELE com alguns objetivos:
“... e seguia-o uma grande multidão, que o apertava. E certa mulher que, havia doze anos, tinha um fluxo de sangue, E que havia padecido muito com muitos médicos, e despendido tudo quanto tinha, nada lhe aproveitando isso, antes indo a pior; Ouvindo falar de Jesus, veio por detrás, entre a multidão, e tocou na sua veste. Porque dizia: Se tão-somente tocar nas suas vestes, sararei. E logo se lhe secou a fonte do seu sangue; e sentiu no seu corpo estar já curada daquele mal. “ ( Marcos 5:25-29)
Essa mulher ouviu falar de JESUS e com toda sua fé acreditou que com ELE estava a cura para a enfermidade que a assolava, então foi até ELE busca-la.

Vejamos outro exemplo: “E eis que chegou um dos principais da sinagoga, por nome Jairo, e, vendo-o, prostrou-se aos seus pés, E rogava-lhe muito, dizendo: Minha filha está moribunda; rogo-te que venhas e lhe imponhas as mãos, para que sare, e viva.” (Marcos 5:22-23)
Tal qual a mulher do fluxo de sangue, Jairo estava enfrentando um tempo de aflição, pois sua filha encontrava-se enferma, porém creu que JESUS a poderia curar, portanto foi até ELE para que isso acontecesse.

Sigamos com mais um exemplo: “E, entrando numa certa aldeia, saíram-lhe ao encontro dez homens leprosos, os quais pararam de longe; E levantaram a voz, dizendo: Jesus, Mestre, tem misericórdia de nós. E ele, vendo-os, disse-lhes: Ide, e mostrai-vos aos sacerdotes. E aconteceu que, indo eles, ficaram limpos. E um deles, vendo que estava são, voltou glorificando a Deus em alta voz; E caiu aos seus pés, com o rosto em terra, dando-lhe graças; e este era samaritano. E, respondendo Jesus, disse: Não foram dez os limpos? E onde estão os nove? Não houve quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro? E disse-lhe: Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou. (Lucas 17:12-19)
JESUS é cheio de compaixão e aquele que o busca alcança sua misericórdia e graça. No caso em questão, havia dez leprosos que clamaram por sua ajuda. O Mestre tomado de compaixão os atendeu, mas seus corações revelaram que nove deles davam importância apenas para a benção e não para o dono dela.

Outro exemplo é o do jovem rico: ” E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna? E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se queres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos. Disse-lhe ele: Quais? E Jesus disse: Não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não dirás falso testemunho; Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo. Disse-lhe o jovem: Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade; que me falta ainda? Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me. E o jovem, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades. (Mateus 19:16-22)
O jovem citado no texto acima, aproximou-se de Jesus pois desejava alcançar a vida eterna, porém sem abster-se de suas riquezas. Não estava disposto a abrir mão de seus bens e do conforto que lhe proporcionavam. Existem muitas pessoas desta maneira, desejam o céu desde que tenham tudo também aqui na terra.

Mais um exemplo é o de Zaqueu: “E, TENDO Jesus entrado em Jericó, ia passando. E eis que havia ali um homem chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos, e era rico. E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura. E, correndo adiante, subiu a uma figueira brava para o ver; porque havia de passar por ali. E quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa. E, apressando-se, desceu, e recebeu-o alegremente.” (Lucas 19:2-6)
“...E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado.” (Lucas 19:9)
Zaqueu queria ver, conhecer, conversar com JESUS. Subiu em uma figueira brava apenas para vê-LO. Tão logo falou com ELE e sentiu sua doce e maravilhosa presença, alegrou-se por seu incomparável amigo, de modo que houve mudança em suas atitudes. Sentiu que não poderia mais ser e agir como antes, pois havia encontrado o melhor de todos os amigos.

E por fim, um último exemplo: “E eis que uma mulher da cidade, uma pecadora, sabendo que ele estava à mesa em casa do fariseu, levou um vaso de alabastro com unguento; E, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-os com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-os com o unguento. Quando isto viu o fariseu que o tinha convidado, falava consigo, dizendo: Se este fora profeta, bem saberia quem e qual é a mulher que lhe tocou, pois é uma pecadora. E respondendo, Jesus disse-lhe: Simão, uma coisa tenho a dizer-te. E ele disse: Dize-a, Mestre. Um certo credor tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos dinheiros, e outro cinquenta. E, não tendo eles com que pagar, perdoou-lhes a ambos. Dize, pois, qual deles o amará mais? E Simão, respondendo, disse: Tenho para mim que é aquele a quem mais perdoou. E ele lhe disse: Julgaste bem. E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas esta regou-me os pés com lágrimas, e mos enxugou com os seus cabelos. Não me deste ósculo, mas esta, desde que entrou, não tem cessado de me beijar os pés.  Não me ungiste a cabeça com óleo, mas esta ungiu-me os pés com unguento. Por isso te digo que os seus muitos pecados lhe são perdoados, porque muito amou; mas aquele a quem pouco é perdoado pouco ama.” (Lucas 7:37-47)
A mulher desse texto não foi pedir nada a JESUS, pelo contrário, foi oferecer. Ela O buscou  para agradecer-lhe, pois sabia quem ELE era e qual a importância DELE em sua vida. A bíblia não relata o que Jesus havia feito na vida desta mulher, mas destaca sua gratidão e amor.

Não quero com esse texto insinuar que quem vai a ELE no intuito de obter cura ou benção esteja errado. De maneira alguma! JESUS tem prazer em abençoar você e suprir todas as suas necessidades. Mas que sua busca não seja apenas nos momentos em que necessita de algo. Que você O busque pelo sublime prazer de estar em sua companhia. Que vá a ELE porque sente falta de sua presença! Que sua oração não sejam apenas petições, mas acima de tudo agradecimento, pois o mais difícil ELE já realizou: Concedeu a você salvação e a oportunidade de ser chamado filho de Deus.

A palavra de Deus nos adverte que: “Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens.” (1 Coríntios 15:19)

Pedidos, necessidades, todos têm, porém que sua carência de algo não ultrapasse o desejo de se relacionar com DEUS.

Que estar com JESUS seja o maior motivo de sua oração!

Deus abençoe sua vida!


segunda-feira, 25 de setembro de 2017

O que você está disposto a fazer por JESUS?

Quando se deparam com um questionamento como esse, as pessoas podem até dizer: Não seria mais fácil perguntar o que Jesus poderia fazer por mim?
No meio da correria do dia a dia, dos problemas, das adversidades e dos afazeres, é comum sempre se dirigir a Deus para pedir algo. Isso quando se arruma tempo para falar com ELE.
Receber as bênçãos de Deus é algo maravilhoso, mas você já se perguntou o que você poderia fazer por ELE?
Deus deu a você a oportunidade de acordar mais um dia, fornece o ar que respira, concede livramentos que nem imagina, o abençoa e muitas vezes o surpreende de maneira fantástica. ELE o cerca de graça e misericórdia em todos os momentos.
Mas a pergunta é: O que você faria por ELE?
O salmista se questiona a esse respeito e diz: Que darei eu ao Senhor, por todos os benefícios que me tem feito?” (Salmos 116:12)
E ele mesmo responde: “Tomarei o cálice da salvação, e invocarei o nome do Senhor. Pagarei os meus votos ao Senhor, agora, na presença de todo o seu povo.” “Oferecer-te-ei sacrifícios de louvor, e invocarei o nome do Senhor.“ (Salmos 116:13-14, 17).
Aceitar a salvação e permitir que Deus aperfeiçoe a obra DELE em sua vida, invocar o nome do Senhor rendendo a ELE graças por quem ELE é e por tudo que faz, pagar os votos prometidos e oferecer sacrifícios de louvor são atitudes que alegram o coração de DEUS. Mas o que mais você está disposto a fazer por ELE?
A letra de um louvor intitulado: “Abro mão”, do Toque no altar, relata a gratidão e o amor de alguém que foi profundamente tocado por Deus.
Ele só pode ser realmente vivido por aquele que reconhece quem DEUS é, SEU caráter, fidelidade, o significado de SUA obra redentora e o imenso amor que ELE tem pelos seus.
Encorajo você a refletir sobre essa letra, olhar para dentro de si, e responder a si mesmo que tipo de relacionamento tem com o Senhor. Você O ama a ponto de viver esse louvor?
O que está disposto a fazer por JESUS?

Abro mão – Toque no altar
A quem tenho eu no céu além de ti
e não há na terra quem eu queira mais que a ti
estou apaixonado
desesperado de amor

Eu estou disposto a morrer por ti
e construirei no cume do monte um altar
e o sacrifício sou eu

Abro mão dos meus sonhos
Abro mão dos meus planos
Abro mão da minha vida por ti
Abro mão dos prazeres e das minhas vontades
Abro mão das riquezas por ti

Estou apaixonado!   


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Confiar em Deus acalma as tempestades em seu interior!

A maneira mais fácil de expor seus sentimentos, medos e aflições a Deus, sempre foi e será a oração. ELE estabeleceu que fosse assim.
A bíblia afirma: "Está alguém entre vós sofrendo, faça oração" (Tg 5.13).
Você tem apresentado seus problemas a Deus?
Alguns sentimentos podem provocar graves danos emocionais, se não encontrar um modo de não ser constantemente atormentado por eles.
Alguns exemplos são: angústia, desespero, dor e sofrimento.
Segundo escreveu Marcel Malgo, “A angústia é uma das mais fortes opressoras da humanidade, é um sentimento da alma que pode atacar na mesma medida tanto o rei como o mendigo.”
Deus é seu aliado na luta contra ela.
No texto de Marcel Malgo intitulado: “Confiança em meio a angústia”, o mesmo cita que a bíblia também faz relatos sobre esse sentimento e sobre como Jesus pode ajuda-lo a suportar e vencer esse mal.
Segue abaixo alguns pontos:
O que a Bíblia diz sobre a angústia? Ela diz, por exemplo, que angústia e sofrimento podem se tornar visíveis. Gênesis 42.21 nos relata um exemplo disso quando os irmãos de José chegaram ao Egito para comprar cereal e se encontraram no palácio de José, e, não sabendo o que fazer disseram uns aos outros: "Na verdade, somos culpados, no tocante a nosso irmão, pois lhe vimos a angústia da alma, quando nos rogava, e não lhe acudimos..." A angústia, assim diz a Bíblia, não só paralisa a língua, mas também faz com que ela fale. Em Jó 7.11 ouvimos Jó dizer: "Por isso não reprimirei a minha boca, falarei na angústia do meu espírito, queixar-me-ei na amargura da minha alma". Mas angústia também faz com que até ímpios cheios de justiça própria se sintam perturbados. Bildade descreve o ímpio em Jó 18.11 dessa maneira: "Os assombros o espantarão de todos os lados, e o perseguirão a cada passo". A Escritura também ensina que a angústia é mais forte do que a maior abastança. Zofar nos comunica isto em Jó 20.22"Na plenitude da sua abastança, ver-se-á angustiado, toda a força da miséria virá sobre ele". Angústia também provoca trevas. Quando Isaías teve que anunciar uma punição sobre Israel, falou acerca das consequências desse juízo: "Bramam contra eles naquele dia, como o bramido do mar; se alguém olhar para a terra, eis que só há trevas e angústia, e a luz se escurece em densas nuvens" (Is 5.30). E em Isaías 8.22 o profeta tem que proclamar sobre o povo apóstata: "Olharão para a terra, eis aí angústia, escuridão, e sombras de ansiedade, e serão lançados para densas trevas".
Esses são exemplos negativos, mas também há exemplos positivos. No Salmo 119.143, Davi nos ensina que a palavra de Deus sempre é mais forte que a angústia: "Sobre mim vieram tribulação e angústia, todavia os teus mandamentos são o meu prazer". A angústia está presente, mas a alegria na palavra de Deus é maior. Uma outra tradução diz: "Fiquei cercado por sofrimento e desespero, mas os teus mandamentos foram a minha grande alegria". O poder de Deus também sempre é maior do que a angústia: "Se ando em meio à tribulação, tu me refazes a vida; estendes a mão contra a ira dos meus inimigos, e a tua destra me salva" (Sl 138.7). Em Isaías 9.2 temos a promessa: "O povo que andava em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região da sombra da morte, resplandeceu-lhes a luz". No Novo Testamento, Paulo confirma essa gloriosa verdade: "Quem nos separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou fome, ou nudez, ou perigo, ou espada?... Porque eu estou bem certo de que nem morte, nem vida, nem anjos, nem principados, nem cousas do presente, nem do porvir, nem poderes, nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor" (Rm 8.35;38-39).
E o que disse o Senhor Jesus sobre a angústia? É muito esclarecedor e elucidativo observar que Ele nunca afirmou que neste mundo não haveria sofrimento. Na verdade, muitas vezes, se prega que ao se tornar cristão, a pessoa não terá mais tribulações ou tentações. Mas isso não é verdade. O próprio Senhor Jesus disse claramente: "No mundo passais por aflições..." (Jo 16.33) . E então Ele acrescenta o glorioso ‘mas’: "mas tende bom ânimo, eu venci o mundo". Em outras palavras: Minha vitória sobre esse mundo pode ser a sua vitória também, isto é, em Mim vocês têm a possibilidade de vencer a própria angústia. Essa é a posição de Jesus em relação à angústia!
Quem foi o primeiro homem que se defrontou com a angústia? Foi Adão, logo após cair em pecado. Antes da queda, Adão não conhecia esse sentimento. Contudo, depois do pecado ter entrado em sua vida, ele foi invadido pelo terrível sentimento de temor: "E chamou o Senhor Deus ao homem, e lhe perguntou: Onde estás? Ele respondeu: Ouvi a tua voz no jardim, e, porque estava nu, tive medo e me escondi" (Gn 3.9-10). De repente Adão e Eva tiveram medo de Deus, seu Criador, com o qual antes formavam uma unidade , uma harmonia perfeita! Antes de caírem em pecado, eles se alegravam quando Deus vinha ao jardim, mas agora, de repente, foram invadidos pelo medo. Que consequências devastadoras tem a sua desobediência até os dias de hoje!
Agora chegamos à pergunta mais importante: quem provou os mais profundos abismos da angústia em todos os tempos? Foi o homem Jesus Cristo no Jardim do Getsêmani. Ali Ele sofreu uma angústia tão grande que não fazemos a menor ideia do que possa ter sido passar pelo que Ele passou. Quando temos medo, quando não sabemos mais o que fazer, podemos olhar para Jesus e nos lembrar de que Sua tribulação ainda foi muito maior. Desse sentimento angustiante do nosso Senhor já lemos profeticamente no Salmo 22"Não te distancies de mim, porque a tribulação está próxima, e não há quem me acuda. Muitos touros me cercam, fortes touros de Basã me rodeiam. Contra mim abrem as bocas, como faz o leão que despedaça e ruge. Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se-me dentro de mim. Secou-se o meu vigor, como um caco de barro, e a língua se me apega ao céu da boca; assim me deitas no pó da morte" (vv. 11-16). Essas palavras do Senhor sofredor descrevem a profundeza abismal e ilimitada que Jesus Cristo sofreu no Jardim do Getsêmani: a agonia da morte. Lucas 22.44 fala disso: "E, estando em agonia, orava mais intensamente. E aconteceu que o seu suor se tornou como gotas de sangue, caindo sobre a terra". Ele lutou com a morte não só na cruz, mas também no Getsêmani. Ali Ele estava em terríveis e pavorosas agonias de morte. Este fato é refletido nas palavras: "E, estando em agonia..."  Satanás lutou pelo seu reino, pois sabia muito bem que o Getsêmani era a última etapa antes do Calvário, e se Jesus alcançasse a cruz salvaria a humanidade. Por isso no Getsêmani, Satanás se lançou com todas as forças sobre o Cordeiro de Deus. Ali Jesus lutou com a morte. Esse ataque à Sua vida e à Sua obra redentora provocou uma violenta e mortal angústia, uma verdadeira agonia de morte. Isso, Ele suportou como homem e não como Deus, caso contrário Ele teria chamado legiões de anjos, e Satanás teria que retirar-se imediatamente. Jesus não teve medo da morte na cruz, pois Ele mesmo testificou de maneira bem clara: "Por isso o Pai me ama, porque eu dou a minha vida para a reassumir. Ninguém a tira de mim; pelo contrário, eu espontaneamente a dou. Tenho autoridade para a entregar e também para reavê-la. Este mandato recebi de meu Pai" (Jo 10.17-18). Jesus Cristo não quis morrer no Getsêmani, e isso O afligiu tanto que entrou em agonia e suou gotas de sangue. Jesus teve que experimentar as piores profundezas da angústia, o que significa que sofreu grande aflição. Isto deveria e pode nos ajudar e nos consolar em nossas angústias e tribulações.
Como podemos vencer nossas angústias? Depositando nossa confiança no Deus Todo-Poderoso. Como podemos fazer isso? Jesus já fez isso antes de nós e nos serve de exemplo. Em Hebreus 5.7 lemos algo maravilhoso a esse respeito: "Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte, e tendo sido ouvido por causa da sua piedade..."Aqui se trata do momento no Getsêmani, quando Jesus, em Sua ilimitada angústia, confiou no Deus Todo-Poderoso e O invocou em oração. Isto não é novidade para nós. Mas talvez precisamos aprender de maneira totalmente nova a aplicar isto também em nossas vidas. Jesus nos deixou o melhor exemplo de como confiar no Deus Todo-Poderoso em nossa angústia. Em Hebreus 2.18 está escrito de maneira tão consoladora: "Pois naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados". Com outras palavras: tendo sofrido, vencido e triunfado no Getsêmani, Ele também pode nos ajudar em nossos medos e angústias, e nos ajuda a vencê-los. Ele quer nos ensinar a orar com perseverança justamente nesses momentos. Ele próprio não viu outra maneira para sair da Sua angústia do que por meio de petições e súplicas. Quanto mais devemos nós também trilhar esse caminho para sair de todas as nossas angústias e apertos que nos surpreendem quase que diariamente. Tiago acentua muito esse aspecto quando diz: "Está alguém entre vós sofrendo? Faça oração. Está alguém alegre? Cante louvores" (Tg 5.13). Será que não seria válido começarmos a considerar e interiorizar essa verdade de maneira totalmente nova em nossas vidas? Vamos começar a confiar nEle incondicionalmente em qualquer situação? Confiar significa orar, e orar significa confiar! Os seguintes exemplos da vida de Davi devem nos mostrar o quanto ele também acreditava nessa realidade:
– "Responde-me quando clamo, ó Deus da minha justiça; na angústia me tens aliviado; tem misericórdia de mim e ouve a minha oração" (Sl 4.1).
– "Na minha angústia invoquei o Senhor, gritei por socorro ao meu Deus" (Sl 18.6).
– "Sendo assim, todo homem piedoso te fará súplicas" (Sl 32.6).
– "Desde os confins da terra clamo por ti, no abatimento do meu coração" (Sl 61.2).
– "Não escondas o teu rosto do teu servo, pois estou atribulado" (Sl 69.17).
– "Em meio à tribulação invoquei o Senhor, e o Senhor me ouviu e me deu folga" (Sl 118.5).
Não são testemunhos maravilhosos? Davi creu que só havia uma escapatória na angústia: invocar o Senhor em perfeita confiança.
O que significa invocar o Senhor na angústia, orando? Essa pergunta é respondida pelas orações de Davi. Por exemplo, várias vezes aparece a expressão ‘clamar’: "Responde-me quando clamo, na minha angústia... gritei", "desde os confins da terra clamo por ti", "em meio à tribulação invoquei o Senhor". Percebemos que Davi pediu socorro ao céu. Aqui temos uma chave para sermos realmente libertos das angústias. Não se trata de simplesmente orar, mas temos de clamar e suplicar. Para compreender isso devemos também observar melhor as orações de nosso Senhor Jesus feitas ao Pai quando Ele se encontrava angustiado. Tomaremos como exemplo as Suas orações e Sua confiança no Deus Todo-Poderoso. Pois do ponto de vista bíblico, a expressão ‘invocar o Senhor‘ significa ainda muito mais. "Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte, e tendo sido ouvido por causa da sua piedade" (Hb 5.7). Não sabemos a que distância os discípulos estavam do seu Senhor no Jardim do Getsêmani, mas o que nosso Senhor padeceu ali não conseguimos explicar nem entender a fundo, porém deve ter sido uma situação terrível. Em Lucas 22.44 está escrito: "E, estando em agonia, orava mais intensamente". Mas se queremos saber com mais precisão o que nosso Senhor "...ofereceu com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas" a Deus, então devemos nos dar ao trabalho de estudar essas orações. Algo interessante chama a nossa atenção, ou seja: exceto no texto já citado de Hebreus 5.7, em nenhum evangelho é dito que o Senhor começou a clamar nessa oração. Somente Lucas indica tal situação com a expressão "...e orava mais intensamente". Mateus descreveu o episódio da seguinte maneira: "Adiantando-se um pouco, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai: Se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e, sim, como tu queres! Tornando a retirar-se, orou de novo, dizendo: Meu Pai, se não é possível passar de mim este cálice sem que eu o beba, faça-se a tua vontade!... Deixando-os novamente, foi orar pela terceira vez, repetindo as mesmas palavras" (Mt 26.39;42 e 44). E Marcos escreve: "E, adiantando-se um pouco, prostrou-se em terra; e orava para que, se possível, lhe fosse poupada aquela hora. E dizia: Aba, Pai, tudo te é possível; passa de mim este cálice; contudo, não seja o que eu quero, e, sim, o que tu queres!... Retirando-se de novo, orou repetindo as mesmas palavras... E veio pela terceira vez..." (Mc 14.35;36;39 e 41). Aqui vemos melhor o que a oração de nosso Senhor podia significar, pois duas cousas chamam a nossa atenção:
1Jesus Cristo não pronunciou essa oração apenas uma vez, mas três vezes.
2. Ele orou três vezes, mas não deixou de submeter-se à perfeita vontade de Seu Pai cada vez que orou. Que profundo mistério está oculto nessas orações!
Nosso Senhor, portanto, orou três vezes. Se Hebreus 5.7 diz que o Senhor "nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas" então não se trata, em primeiro lugar, da forma de Sua oração. Se trata de que o Senhor fez esta oração três vezes! Em outras palavras: Ele orou com persistência. Jesus Cristo se encontrava na maior angústia, e esta O levou a orar. Mas essa oração não foi apenas um clamor curto e isolado ao Pai. Não, Ele orou três vezes de maneira muito consciente e lúcida repetindo sempre as mesmas palavras. Depois da primeira oração, a Bíblia diz claramente: "Tornando a retirar-se, orou de novo, dizendo..." e depois da segunda vez: "E deixando-os novamente, foi orar pela terceira vez...". Como seria bom se compreendêssemos isso para a nossa vida pessoal de oração!
Muitas vezes nos defrontamos com todo tipo de angústias e apertos, e o que fazemos então, quando somos tentados dessa maneira? No mesmo momento enviamos um fervoroso pedido de socorro ao céu. Mas assim que nos sentimos mais ou menos bem, seguimos novamente a rotina do dia. Não é de admirar se logo em seguida a mesma angústia nos surpreenda outra vez. A oração de nosso Senhor pronunciada conscientemente três vezes nos mostra de maneira bem clara que se nós, de fato quisermos vencer as angústias que se repetem, não devemos apenas orar de vez em quando. Precisamos chegar ao ponto de levar uma vida de oração perseverante, regular. Somente assim nos tornamos filhos de Deus que conseguem lidar de maneira correta com suas angústias. Somente assim venceremos as nossas tribulações. Três testemunhos claros das Escrituras nos exortam a orar dessa maneira:
– "Regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, na oração perseverantes" (Rm 12.12).
– "Perseverai na oração, vigiando com ações de graça" (Cl 4.2).
– "Com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito, e para isto vigiando com toda perseverança..." (Ef 6.18).
Se a Bíblia diz em Hebreus 5.7 que a oração de Jesus foi ouvida e que Ele encontrou livramento da Sua angústia, então isso só aconteceu depois da Sua oração insistente e perseverante.
Mas ainda havia um outro ponto importante: nosso Senhor continuamente se entregava totalmente à vontade de Seu Pai"E, adiantando-se um pouco, prostrou-se em terra; e orava para que, se possível, lhe fosse poupada aquela hora. E dizia: Aba, Pai, tudo te é possível; passa de mim este cálice; contudo, não seja o que eu quero, e, sim, o que tu queres" (Mc 14.35-36). Não fazemos ideia de como isso é importante. Não apenas orando três vezes as mesmas palavras, mas, com isso, sempre se submetendo à vontade de seu Pai, Jesus demonstrou uma confiança tão grande que jamais haverá confiança maior. Foi algo grandioso, em Sua angústia, Ele ter se apresentado três vezes a fim de orar as mesmas palavras. Mas por Ele – por assim dizer no tom fundamental da sua oração – sempre voltar a Se submeter a Deus foi uma prova bem especial de Sua confiança no Seu Pai celestial. Ele sabia: Eu posso orar que este cálice passe de mim, mas se meu Pai celestial o quer de outra maneira, então eu aceito e me coloco totalmente em Suas mãos. Isso é confiança total no Deus Todo-Poderoso! Devemos ter isso em mente, pois apesar de irmos a Deus em oração, clamando e levando a Ele a nossa angústia, em última análise esperamos que Ele faça o que nós queremos. JESUS não fez a sua própria vontade, mas se submeteu totalmente à vontade de Seu Pai.
Você não quer se tornar uma pessoa assim, que aprenda a lidar com as suas angústias e a vencê-las? Então confie no Deus Todo-Poderoso, começando a levar uma vida de oração regular e perseverante. Mas nunca se esqueça de submeter-se totalmente à vontade do Senhor Jesus enquanto ora. Essa entrega, seja o que for, sempre deve ser expressa em cada oração que você faz. Se você seguir esse caminho, se tornará um cristão que, na verdade, ainda sente todas as angústias e apertos desse mundo, mas apesar disso permanece totalmente tranquilo em tudo. Estará seguro nas mãos do Senhor, aconteça o que acontecer. O que Ele faz é sempre bom! "No mundo tereis aflições; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo" (Jo 16.33). Essas são palavras do Senhor Jesus. Você crê nelas? Então viva de acordo com esta fé, confiando – justamente quando o medo quer se apoderar de suas emoções – no Deus Todo-Poderoso e invocando-O em oração!
Deus abençoe sua vida!
Fonte: (Marcel Malgo - www.apaz.com.br)




 



terça-feira, 12 de setembro de 2017

Busque a direção de Deus

        Mas sempre que a nuvem se alçava de sobre a tenda, os filhos de Israel partiam; e no lugar onde a nuvem parava, ali os filhos de Israel se acampavam.
Segundo a ordem do Senhor, os filhos de Israel partiam, e segundo a ordem do Senhor se acampavam; todos os dias em que a nuvem parava sobre o tabernáculo, ficavam acampados. (Números 9:17-18)

Quando você decide caminhar com Deus, existem algumas coisas que precisam ser observadas.
Ele anda ao seu lado e quer conduzi-lo sempre pelos melhores caminhos, mas para tanto, você precisará descobrir de qual maneira ELE está falando, e isso requer atenção.
Nem sempre as pessoas estão dispostas a desacelerar um pouco para discernir as indicações de DEUS.
Geralmente desejam que Deus abençoe as decisões que tomam, sem antes indagar se estão corretas.
Em sua pressa e agitação, não param para receber de Deus a orientação que necessitam e que as conduziria pelo melhor caminho.
É preciso depositar toda a sua confiança em Deus para esperar pelo seu direcionamento. Isso requer um relacionamento construído pelo amor.
A confiança e o amor fornecem a certeza que sua mente e coração precisam de que tudo acabará bem.
Há uma frase que diz: “Ter fé é como assinar uma folha em branco e deixar que Deus escreva nela o que quiser”. (Autor desconhecido)
Você está disposto a se entregar  de tal maneira e permitir que Deus escreva em sua vida o que ELE planejou? Deseja ser guiado por ELE?
O que tem norteado sua vida e sido decisivo na tomada de decisões?
Na passagem acima, o povo de Israel encontrava-se no deserto, mas Deus estava com eles e os sinais de sua presença eram visíveis. Um deles era a nuvem que indicava quando partir e quando assentar.
Eles poderiam ignorá-la, porém decidiram basear suas ações no sinal que Deus enviava.
Quando a nuvem se movia, eles se levantavam e seguiam caminho, mas quando ela parava, permaneciam no mesmo lugar até que ela se movesse novamente.
Sabiam que Deus estava cuidando deles e que estariam seguros debaixo da obediência.
A visão de Deus não é limitada como a sua e como citam as escrituras, ELE tem os melhores pensamentos a seu respeito: “ Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.” (Jeremias 29:11)

Você está disposto a ouvir a voz do Senhor e ser guiado por ela?
Peça a ELE direcionamento para que  seja conduzido a vitória!

Deus abençoe sua vida!  


terça-feira, 29 de agosto de 2017

O amor de Deus lança fora o medo!

Por que temos medo?
Por que ele nos afronta arrebatando nossas forças, tornando-nos muitas vezes covardes?
A resposta é: em razão do pecado!
O medo entrou no coração e na alma do homem em consequência do pecado.
Antes de transgredir o mandamento de Deus, Adão apressava-se para entrar em SUA presença, assim como um filho corre para seu pai, porém no dia em que desobedeceu SUA ordem, Adão se escondeu da presença de Deus, pois sentiu medo.
Charles Haddon Spurgeon citou: “É o pecado, a consciência do pecado, que “nos faz a todos covardes. O medo que causa a escravidão não teria nunca vindo ao nosso espírito se não tivéssemos, antes de tudo, transgredido a Sua Lei. Portanto, o pecado é a mãe do medo que nos atormenta.”
Esse pecado nos torna fracos, rouba nossas forças e nosso ânimo.
Ele impede que saiamos do lugar e cheguemos onde DEUS quer nos colocar.
Mas o Senhor, em SUA infinita misericórdia, nos encoraja dizendo: “Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel.” (Isaías 41:10)
Se Deus é por nós, quem será contra nós? (Romanos 8:31)  
Deus quer nos ensinar a vencer o medo!
Que possamos aprender com NOSSO PAI!

Abaixo seguem trechos do sermão: Lançai fora o medo pregado por Charles Haddon Spurgeon. O desejo do meu coração é que traga edificação para sua vida!

Lançai Fora o Medo
Publicado em 26 de janeiro de 2012
Sermão nº 930, pregado na noite de domingo de 10 de abril de 1870, por Charles Haddon Spurgeon, no Tabernáculo Metropolitano, Newington, Londres

“Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel.” Isaías 41:10.

Para quem são ditas estas palavras? Elas foram evidentemente ditas pelo profeta, em nome de Deus, para os escolhidos Dele. Leia o verso oito “Mas tu, ó Israel, servo meu, tu, Jacó, a quem elegi, descendente de Abraão, meu amigo.”

E novamente, no nono verso – “Tu és o meu servo, eu te escolhi.” Então, se você ou eu tivermos de encontrar qualquer coisa que seja graciosa e confortável aqui, ela virá a nós, não nas pisadas do mérito, mas sobre o terreno da Graça Soberana. Não será nossa porque nós escolhemos Cristo, mas porque Ele nos escolheu. Nosso Pai celestial tem nos abençoado com todas as bênçãos espirituais de acordo com a Sua escolha por nós em Cristo Jesus
desde antes da fundação do mundo. A escolha eterna é o poço do qual flui toda a nascente da misericórdia. Feliz és tu, minha alma, se a Divina Graça inscreveu seus nomes no livro eterno de Deus! Vocês podem vir a este texto como uma criança que vai à própria mesa de seu pai, e podem tirar dela toda forma de conforto para sustentar seu espírito.

O povo escolhido de Deus do passado foi separado para Ele próprio, e os chamou dentre todo o resto do mundo, e assim são eles agora.
Eles são um povo chamado pela Sua Graça especial – com um chamado gracioso ao qual eles não puderam resistir – e vieram imediatamente e se declararam do lado do Senhor.

“Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, a esses também chamou.” (Romanos 8.29,30)

Se você é chamado, depende disso você ser escolhido. Eu não quero dizer se você é chamado no senso comum com o chamado universal do Evangelho, pois nesse sentido, “muitos são chamados, mas poucos são escolhidos.” Mas eu quero dizer se você é efetivamente chamado, pessoalmente chamado, chamado pelo Espírito Santo, chamado como Maria foi quando Jesus disse a ela “Maria” – e essa voz graciosa atravessou a sua alma, e ela respondeu, dizendo a ele – “Mestre!”

Você já foi chamado ao ponto de abandonar tudo por Cristo, ou está disposto a fazer isso? Você abandonou seus antigos prazeres e suas antigas companhias? E agora é separado para Cristo? Oh, se isso aconteceu, não deixe que nada o impeça de aproveitar as riquezas desse texto, pois cada frase confortável dele pertence a você!
Ainda, além de nos ajudar a descobrir a quem este texto pertence, note que a pessoa aqui descrita é tida no verso oito como um “servo.” “Tu, ó Israel, servo meu” e no verso nove, “E a quem disse: Tu és o meu servo.” Agora, você é um servo de Deus, querido ouvinte? Um servo não faz a sua própria vontade.
Ele toma a sua orientação da boca de seu mestre e dos olhos de seu mestre. Você submeteu sua vontade à vontade de Deus? Não é mais governado por um espírito elevado e orgulhoso que chora, “Quem é o Senhor para que lhe ouça a voz? Você deseja saber qual é a vontade de Deus, e depois fazer apenas o que Ele propõe a você? Considera sua maior honra ser chamado servo de Cristo? É por Ele que você vive? É a Sua glória seu maior objetivo? Se sim, então vocês que estão dispostos a trabalhar podem vir e banquetear sobre o texto, pois cada doce palavra dessas pertencem à vocês, visto que vocês servem ao Senhor Jesus Cristo.

Mais uma palavra para ajudar você a ver se tem direito a essas promessas. Ele diz no verso nove “Eu te escolhi e não te rejeitei.”

Temos tanto a ser gratos, e muito em que nos regozijarmos, pois a perseverança é uma grande promessa e grande penhor da salvação final. “Ao vencedor, a coroa da vida.” E a nós, como temos visto até agora, pertencem as promessas do texto. Ele, que guardou vocês, meus irmãos e irmãs, até essa hora, propõe agora que venham e olhem para a melhor parte desse armário e tirem suas joias e usem-nas, para que vocês adornem cada vez mais a Sua doutrina. Em uma palavra, o texto pertence aos escolhidos de Deus. Aqueles que são Dele por terem sido separados do mundo – que são distinguidos pelo seu serviço prático de Deus – e que permanecem neste serviço. E pela Graça de Deus vão continuar nele mesmo até o final.

Vamos agora ao texto. Eu vou ler novamente. “Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel.” Aqui está, em primeiro lugar, uma doença muito natural – o medo. Aqui está, em segundo lugar, um comando contra o medo – “Não temas”. E há, em terceiro lugar, a promessa de Deus em nos ajudar a superá-lo. E essa promessa é dada de três ou quatro maneiras para que nós possamos expulsar o medo com um chicote de várias correias.

Primeiramente, nós somos lembrados DE UMA DOENÇA MUITO COMUM ENTRE OS BONS HOMENS – MEDO E DESÂNIMO. Essa doença do medo veio ao coração do homem junto com o pecado. Adão nunca teve medo de Deus, até o dia em que descumpriu o Seu mandamento.

Quando o Senhor Deus caminhava no jardim na viração do dia, e Adão ouvia os passos do Todo Poderoso, ele apressava-se para entrar em comunhão com Deus, da mesma forma que uma criança querida fala com um pai amoroso.
Mas no momento em que ele tocou o fruto proibido, ele correu e se escondeu. E quando Deus disse “Onde estás, Adão?” Adão foi todo encolhido e trêmulo, pois ele estava com medo de Deus. É o pecado, a consciência do pecado, que “nos faz a todos covardes. O medo que causa a escravidão não teria nunca vindo ao nosso espírito se nós não tivéssemos, antes de tudo, transgredido a Sua Lei. O pecado é a mãe do medo que nos atormenta.

E, irmãos, o medo permanece nos homens bons porque o pecado permanece neles. Se eles tivessem atingido a perfeição do amor, isso expulsaria o medo, pois o medo traz tormento. Mas, uma vez que a carne ainda está neles, e os desejos ainda se esforçam para comandar, até o mais santo dos povos de Deus fica, às vezes, aflito com os escárnios do filho da escrava. Mas a medida em que a Divina Graça cresce e aumenta em poder, o medo diminui.

De uma vez nos livrará de todo o pecado que nos habita – e nossos espíritos irão buscar a Deus como as faíscas procuram o sol.

O medo, vindo com o pecado, sendo sustentado por ele, logo encontra alimento com o qual viver. Deixe que o fiel olhe para dentro de si, e, meus irmãos, ele só precisa fazer isso por um momento para encontrar razões abundantes para temer. “Ah!” diz o Medo, enquanto olha para dentro do coração ainda propenso a vaguear “Eu não vou seguir o meu caminho.” “Ah!” diz o Medo, enquanto ele olha para o pecado, “Eu vou tropeçar. Eu não vou perseverar até o fim.”

A Graça está ali, é verdade, mas o Medo cega a melhor natureza, e fixa seu olhar somente no corpo dessa morte.

Olhar para a velha natureza raramente é uma operação prazerosa, especialmente se esquecermos que ela foi crucificada com Cristo. Eu suponho que, se qualquer um de nós pudesse ver seu próprio coração da maneira como ele realmente é, enlouqueceria. Mas a Fé olha para todas as ruínas da Queda e acredita que o sangue de Cristo trará a vitória.

O Medo diz, “Um dia cairei nas mãos do inimigo. Um barco tão fraco como o meu nunca vai conter a enchente e resistir à tempestade, mas sim sofrer um naufrágio no fim de tudo.” E depois, meus irmãos, se o Medo encontrar alimento dentro, logo irá encontrar alimento fora. Às vezes é pobreza, às vezes é doença, às vezes é a recordação do passado e, tão frequentemente, temor do futuro. Até aqueles que têm fé em Deus podem ocasionalmente ser fracos o bastante para temer e desanimarem diante de circunstâncias comuns às quais deveriam ser indiferentes, ou superar por meio da fé.

Pessoas esmorecidas podem encontrar motivos para temer onde eles não existem. Certas pessoas são habilidosas na pesarosa capacidade de inventar problemas. Se o Senhor não as mandou nenhuma provação, elas criam uma para si mesmas. Elas têm uma pequena fábrica de problemas em casa, sentam e usam sua imaginação para meditar no terror.

Há mais presunção na incredulidade do que pode haver na fé. É uma presunção grosseira por parte de uma criança desacreditar nas palavras de seu pai. Não há nenhuma presunção na confiança de uma criança naquilo que
seu pai a diz. Ela está apenas cumprindo o seu dever. Para mim, aceitar as promessas puras de um Deus fiel e, a despeito de minha indignidade, ainda assim acreditar nelas é humildade.

Eu rogo-vos, que evitem a incredulidade que imita a humildade, e busquem essa fé inabalável, a qual é a verdadeira mansidão aos olhos de Deus!

O senhor Mente-Fraca nunca se tornará um Coração-Grande, mesmo se você alimentá-lo com o mais fino trigo. O senhor Pronto Para Parar nunca será tão
firme, ou correrá tão agilmente quanto o senhor Valente da Verdade – faça o que quiser com ele. Há algumas pessoas na família de Deus que são constitucionalmente fracas, e provavelmente nunca irão superar essa fraqueza até entrarem em descanso. Eu faria qualquer coisa que estivesse ao meu alcance para encorajar os amedrontados a se levantarem contra suas fraquezas.

Até daria apenas o suficiente do tônico da repreensão para fazê-los sentir que não é certo desacreditar, mas não gostaria de censurar tão severamente seu desânimo a ponto de fazê-los pensar que não são do povo de Deus.

Deus nos livre de sermos fortes e poderosos em nós mesmos. Mas ao mesmo tempo há vários males ligados ao medo, e cada filho de Deus deveria estar em guarda para expulsá-los.

Em todo caso, muito pode ser feito, despertando-nos a clamar ao Forte a força para superar nossa descrença. A tristeza não precisa ser perpétua em nós.

Mas há flores preciosas da Graça, as quais são regadas constantemente pelas lágrimas do sofrimento, mas parece-me que o orvalho da consolação alcançaria este propósito da mesma forma.
Que o Senhor possa visita-las, e trazê-las para fora da terrível cova e do terrível lodo. Que elas tenham bom ânimo, pois o Senhor diz a elas – “Não temas. Não te assombres.”

Que se relembre, antes de terminarmos este ponto, que até os mais fortes dos servos de Deus estão sujeitos ao medo. Às vezes, os mais dignos dos heróis do Senhor têm seus momentos de fraqueza.

Os melhores dos homens são apenas homens na melhor das hipóteses, e os mais fortes dos homens são fracos se a mão poderosa de Deus é afastada por um tempo.

Permitam-me dizer que há vezes em que o mais corajoso e o mais forte dariam tudo que têm pela menor evidência possível da Graça Divina. Eles se considerariam felizes por poderem rastejar aos pés da Cruz e dizer “Deus, sê propício a mim, pecador!

Apesar de terem sido abalados, nunca foram tirados de seu forte apego em Cristo. Embora possam ter tido alguns momentos de vacilo – ainda assim nunca ficaram desanimados a ponto de questionarem sua parte em Jesus. Eles se seguraram, e cantaram ano após ano, “Firme está o meu coração, ó Deus, o meu coração está firme; cantarei e entoarei louvores.”

Vamos nos ocupar um pouco agora em considerar o MANDAMENTO DE DEUS CONTRA O MEDO. “Não temas. Não te assombres.” Este preceito é absoluto e indistinto – não devemos temer. Ele não diz “Tema bastante, mas não além disso,” mas dá uma exortação ilimitada, “Não temas.” Ele não diz “Não temas com tanta frequência,” mas, “Não temas.” É uma exortação sem tempo determinado, e por isso vale para todos os tempos.

Ele não diz “Não te assombres totalmente.” Não há advérbio qualificativo, mas isso significa “Não te assombres por nada.” Este mandamento, então, repreende o medo e proíbe o desânimo.

Por que os filhos de Deus não devem ter medo? Há várias razões que justificam o mandamento de Deus.

Primeiro, meus Irmãos, nós não devemos temer porque é pecaminoso. É comumente pecaminoso ter medo ou desânimo porque tal estado de espírito quase sempre é resultado da incredulidade. Vocês já pensaram em quão grande pecado é a incredulidade? Não é a incredulidade um forte ataque a Deus, um crime de traição contra Ele?

Todo homem de confiança sente que tem o direito de ser acreditado. Ele fala com a honra de um homem honesto, e se você diz “eu não acredito em você,” esse reflexo não atinge você, mas sim a pessoa em quem você não consegue acreditar.

E poderia acontecer isso, dos próprios filhos de Deus dizer que não acreditam Nele? Oh, é o pecado dos pecados!

Isso tira toda a divindade de Deus, pois se Ele não é sincero, não é Deus. E se não é próprio acreditar nele, não deve ser adorado – Você não pode adorar um Deus em quem não confia. Oh, traidor decida, você peca por não acreditar!

Oh, pecado assassino de Deus! Que possamos nos livrar dele, e não o achemos leve ou insignificante, mas o tiremos de nós assim como Paulo lançou a víbora ao fogo.

Dúvidas e medos também geram pecado. Assim é a descrença, ela traz centenas de outros pecados em suas costas. O homem que acredita em Deus lutará contra a tentação, mas o homem que não acredita Nele cairá em qualquer cilada.

A fé é o que segura o homem, da mesma forma que uma grande âncora segura um navio quando batem os ventos.

Acreditar que Deus não falhará com você o ajuda a desafiar a tentação. Agora veja como o homem de fé derrota o diabo! Para cada bem-aventurança que o pecado poderia trazer, a Graça Divina traz uma benção dez vezes maior – e assim a fé dá um xeque mate em Satã – e a tentação vai embora.

Não temam, pois isso machuca vocês. Nada pode te enfraquecer tanto, e te deixar tão infeliz quanto ser uma pessoa desconfiada. E isso não é pouca coisa, pois a alegria Cristã é fruto do Espírito, e quem a faz definhar, está roubando o Senhor da glória. Não está escrito “Regozijai-vos sempre”? O medo enfraquece a influência do Crente, e isso prejudica os outros. Convertidos não são trazidos a Cristo por cristãos que não creem. É a fé que ganha almas.

Agora, se um Cristão professo passando por uma provação age exatamente como um mundano, o homem do mundo toma lugar e diz “Não há nada na religião.” Mas, se no tempo da dificuldade, da aflição, da perda, a fé do homem Cristão o deixa feliz, resignado, contente com a vontade do Senhor – ora, até as mais grosseiras das mentes ímpias veem o poder da Graça Divina! E isso pode os levar a refletir, e se perguntarem “Se há Graça como esta no mundo, por que eu não deveria tê-la?” e talvez eles a busquem e encontrem. Oh, por amor a você, por amor aos seus vizinhos, por amor à Igreja, por amor ao mundo, por amor a Cristo, por amor a Deus – não temam – nem se desanimem!

Agora eu devo chegar ao coração e alma do texto – AS PROMESSAS QUE DEUS DÁ PARA PREVENIR O MEDO E O DESÂNIMO. Neste verso, você
encontra cinco vezes algumas formas do pronome “tu”, e cinco vezes o pronome “eu”. O que quer que haja vosso, deve haver ainda mais de Deus. O tanto que houver de sua fraqueza, deverá existir muito mais da força de Deus. Qualquer que seja a quantidade do seu pecado, deverá existir muito mais da misericórdia de Deus. Que o Espírito Santo revele aos seus corações toda a grandeza deste maravilhoso verso!

“Não temas, porque eu sou contigo.” Muitas vezes o homem teme, por medo da solidão. Não raro temos que estar sozinhos no serviço de Deus. A companhia cristã é um grande conforto, mas se um homem se torna um líder, ele se torna um espírito solitário em certo grau. Da mesma maneira, no sofrimento, há uma amargura com a qual nenhum estranho pode mediar. Uma parte da estrada para o Céu todo homem deve enfrentar sem nenhuma
companhia, senão a de seu Deus.

O Senhor dos exércitos é a melhor das companhias. Sua sociedade é o deleite dos anjos, e a felicidade dos espíritos glorificados. Seja grato, ó crente, por não estar sozinho. O Pai está com você, o Filho está com você, o Espírito Santo está com você, e o que isto significa? Significa que a Onipotência estará com você para ser a sua força! A Onisciência estará com você para ser a sua sabedoria! A imutabilidade estará com você para ser o seu auxílio – todos os atributos de Deus estarão com você para ser o seu tesouro. “Não temas, porque eu sou contigo.”

Outro medo atinge os homens, e consiste em se perder tudo que se tem no mundo. Eles sabem muito bem que se perderem suas propriedades, perderão seus amigos. Tal qual as andorinhas que chegam à primavera – e vão embora quando o verão termina – são os nossos amigos do mundo. Quando nossos bens vão embora, eles vão também. Mas aí vem a segunda promessa “Não te assombres, porque eu sou o teu Deus.” As aboboreiras de Jonas secaram, mas o Deus de Jonas não. Seus bens podem ir embora, mas o seu Deus não. Aqueles à sua volta podem roubar do seu dinheiro desperdiçado de conforto presente, mas o seu Deus, eles não podem tirar de você.

Essa foi uma doce palavra de um filho ao ver sua mãe mês após mês em suas roupas de viúva, sentada e chorando, porque seu marido morrera. “Mãe,” ele disse, “Deus está morto?” Ah, se nosso Deus estivesse morto, nós seríamos tristes órfãos! Mas enquanto soar o Livro precioso, e entrar em nossos corações através do Espírito Santo, “Não te assombres, porque eu sou o teu Deus,” estaremos seguros.

O tesouro do nosso Deus não tem profundidade. E enquanto você puder ouvir Deus dizer a você “Eu sou o seu Deus,” poderá rir da miséria, da angústia, da destruição e da fome. Para você, não faltará nenhuma coisa boa. Você será satisfeito, com tutano e gordura, e a sua boca O louvará com lábios alegres.

Outro medo que todo homem bom tem por vezes, a menos que ele seja sustentado pela fé, vem por um senso de fraqueza pessoal. “Eu tenho uma batalha para lutar, mas sou muito fraco. Tenho um trabalho para fazer para Deus antes de morrer, mas eu não tenho poder suficiente para fazê-lo.”
Agora, vem a próxima palavra do texto, “Eu te fortaleço.” A força com a qual eu preciso realizar meu trabalho não está em mim. Se estivesse, terminaria em mim. Eu sei, com tristeza, quão pequena força existe nesses braços. Mas não existe nenhum homem na Terra que possa me dizer quanta força Deus colocará, se assim Ele quiser, nestes mesmos braços!
Ele pode colocar a força de um gigante nos braços de uma criança, se assim quiser. Mas, meus irmãos, transfiram essa figura para força espiritual. Você tem o mandamento de Deus para pregar. Ah, seria apenas uma pregação pobre, se você a fizesse sozinho. Mas nenhuma língua pode dizer como Deus o fará pregar se Ele se agradar em ajuda-lo.

Havia um arbusto no deserto, nada de mais para se ver a não ser um arbusto. Mas, ah, como ele brilhou em esplendor quando Deus veio até ele, e ele entrou em chamas e, ainda assim, não foi consumido! Deus pode vir a você, meu irmão, e a você, minha irmã, e fazê-lo brilhar em glória como o arbusto em Horebe. Ele pode torna-lo tão forte, que poderá suportar qualquer coisa. Ele tem feito isso até agora. Se alguém tivesse lhe dito, anos atrás, que teria passado pelo seu último problema, você poderia ter dito “Eu nunca poderei suportar isto.” Mas suportou. “Ah,” a sua descrença teria dito “esta será a minha morte.” Mas não foi.

Agora, aqui vai uma palavra para os trabalhadores tímidos e fracos de Deus. “Eu te fortaleço.” Depois vem a próxima promessa consoladora, “E te ajudo.” Esta destina-se a contradizer o receio de que o socorro amigável falhará.

Reparem, pois, nesta palavra, “Eu te ajudo”. Eu não vou apenas dar força a vocês para lutarem sozinhos, mas colocarei a Minha força também em outros homens e em Minha providência para ajuda-lo. Bem, você sabe o quão decisiva é a ajuda de Deus.

Quando o Senhor nos dá um trabalho para fazer, nós ficamos felizes em fazê-lo. Mas nossa força não é suficiente ao trabalho, e então nós sentamos e choramos – e leva a isto – que nosso Pai bendito leva adiante o trabalho – e a nós também! E então está tudo feito, e feito gloriosamente. É uma ilustração simples, mas que confortará alguns corações desapontados.

A última palavra do texto é, “E te sustento com a minha destra fiel.” Vários dos filhos de Deus têm o medo de um dia desonrarem a Cruz de Cristo, e num momento de desatenção escorregar. Esse é um medo muito natural, e em alguns aspectos, um medo muito apropriado.

Nós achamos que a tentação só quer nos pegar no nosso ponto fraco, e depois acabar conosco. Mas agora, novamente, eu peço para que vocês se agarrem a esta Palavra preciosa, “Te sustento com a minha destra fiel.” É a mesma mão que segura às estrelas em seu lugar. É a mão que segura o arco do Céu sem colunas, que sustenta ambos mar e terra. Ela não poderia segurar você?

Descanse nisso, e você não será lançado fora! A Sua destra fiel é a mesma mão que nós tínhamos razões para temer, com a qual nosso Rei ofendido poderia nos ferir, pois nós merecíamos justamente a Sua ira. Mas desde que a mão de Cristo foi trespassada, a mão direita de Deus nunca feriu um Crente, a fim de destruí-lo. Essa mesma mão que deveria ter nos esmagado, está agora debaixo de nós para nos sustentar em todas as nossas aflições.

“Oh! Provai e vede que o Senhor é bom” (Salmos 34.8) Não meramente “veja” que Ele é bom enquanto você lê o texto, mas “prove” o texto. Deixe ele descansar no paladar de sua alma. Absorva para sua própria natureza.

Tente ver que é verdade, e verdade para você.

“Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel.”

Ele nunca falhará com você, e chegará o dia em que o Senhor o levará
desta terra de famintos para comer pão em Seu reino com o seu querido Filho.

Oh, meu querido Amigo, como eu desejo que você um dia tenha as promessas da Aliança para si mesmo! Se você acreditar de todo o coração, você terá. Confie em Jesus Cristo, e as promessas serão suas.

FONTE:
Traduzido de http://www.spurgeongems.org/vols1618/
chs930.pdf
Todo direito de tradução protegido por lei internacional de domínio
público
Sermão nº 930—Volume 16 do The Tabernacle MetropolitanPulpit,
Original em inglês: Away with Fear
Tradução: Maria Eduarda Lyra
Revisão: Daniel Campos
Prova e diagramação: Armando Marcos Pinto
Capa: Beatriz Rustiguel